Emergência Climática: Mudança climática afeta a saúde dos solos agrícolas

 

solo seco

Pesquisadores das universidades de Kassel e Bonn mostram que os patógenos do solo se espalham após o estresse causado pelo calor e pela seca

Universität Bonn*

As mudanças climáticas estão afetando a saúde dos solos agrícolas. O aumento do calor e da seca facilitam a vida do fungo patogênico Pythium ultimum. Como uma equipe internacional de pesquisadores liderada pelas Universidades de Kassel e Bonn demonstrou, o fungo causa quase uma total perda de safra em ervilhas após um evento de estresse quente e seco. A recuperação a curto prazo do solo parece ser possível apenas em casos excepcionais. O estudo já foi publicado na revista “Applied Soil Ecology”.

Pythium ultimum é um fungo agressivo que é transmitido pelo solo e infecta as raízes nas mudas de importantes culturas agrícolas, como beterraba e ervilha, mas também milho, soja e batata. As plantas desenvolvem podridão das raízes e morrem. “Em alguns casos, pode haver uma falha total das mudas em germinação”, afirma o Dr. Christian Bruns, da Seção de Sistemas de Cultivo e Cultivo Orgânico da Universidade de Kassel. No entanto, os solos também possuem mecanismos de proteção contra esses patógenos. Certos fungos agem como “guarda-costas” e protegem as raízes das plantas, enquanto alguns microorganismos parasitam o fungo prejudicial ou simplesmente o consomem.

Os cientistas coletaram amostras de solo de locais muito diferentes na Escócia fria e úmida, no nordeste temperado da Alemanha e no leste seco e quente da Hungria. As amostras de solo, incluindo os microrganismos que vivem lá, foram submetidas a estresse em câmaras climáticas com calor (40 graus Celsius) e seca (apenas metade da umidade do solo) e depois infectadas com o fungo agressivo Pythium ultimum. Os pesquisadores investigaram os efeitos desse evento de estresse no patógeno e, finalmente, nas plantas, posteriormente semeando ervilhas nesses solos pré-tratados.

Efeito dramático: Dificilmente uma planta de ervilha sobreviveu

O efeito foi dramático: “Apenas algumas das plantas jovens de ervilha sobreviveram, e estas murcharam sob o ataque de fungos”, resume o Dr. Thomas Döring, do Grupo de Agroecologia e Agricultura Orgânica da Universidade de Bonn. Em todos os solos, o evento de estresse de calor e seca levou a uma forte redução na resistência ao Pythium ultimum. Os solos da Escócia sofreram mais e os da Hungria, menos. “Aparentemente, os microrganismos protetores nos solos da Escócia úmida e fria são menos adaptados ao calor e à seca do que nos solos húngaros, que são frequentemente expostos a altas temperaturas e secas no verão”, assume Döring.

Os cientistas investigaram quão bem os vários solos podem se recuperar fazendo uma pausa de várias semanas após o tratamento com calor e seca, antes de infectar o solo com o fungo prejudicial e semear as ervilhas. Enquanto uma amostra de solo da Escócia mostrou alguma recuperação, com um pouco mais de ervilhas crescendo em comparação, o efeito prejudicial do fungo parecia ter sido agravado pela fase de recuperação nas amostras da Hungria.

“O fator decisivo parece ser a rapidez com que os microrganismos protetores são capazes de se reproduzir após o evento de estresse”, diz Bruns, referindo-se aos resultados de outros estudos. “Essa habilidade aparentemente não é tão pronunciada nas amostras de solo da Hungria”. Os solos altamente resistentes à seca e ao calor, portanto, não parecem ter uma capacidade de recuperação tão alta.

Calor e seca aumentam a suscetibilidade a patógenos do solo

Tudo isso indica que se o clima nas latitudes temperadas e do norte esquentar mais, os microorganismos no solo não serão capazes de se adaptar tão rapidamente. “O calor e a seca têm um impacto negativo nos organismos do solo que protegem as plantas contra doenças”, diz Döring. “Isso aumenta a suscetibilidade das plantas a patógenos do solo”, acrescenta Bruns. Em vista do avanço das mudanças climáticas, isso pode aumentar significativamente o risco de doenças de plantas e falhas nas colheitas. No entanto, mais pesquisas ainda são necessárias.

Referência:

Thomas F. Döring, Dagmar Rosslenbroich, Christian Giese, Miriam Athmann, Christine Watson, Imre Vágó, János Kátai, Magdolna Tállai, Christian Bruns: Disease suppressive soils vary in resilience to stress, Applied Soil Ecology, DOI: https://doi.org/10.1016/j.apsoil.2019.103482

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 04/02/2020

Emergência Climática: Mudança climática afeta a saúde dos solos agrícolas, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 4/02/2020, https://www.ecodebate.com.br/2020/02/04/emergencia-climatica-mudanca-climatica-afeta-a-saude-dos-solos-agricolas/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top