Possível extinção de borboletas nativas indica estado de saúde dos campos sulinos

 

Possível extinção de borboletas indica estado de saúde dos campos sulinos. Entrevista especial com Guilherme Atencio

Por Patricia Fachin, IHU

A dificuldade de encontrar exemplares de borboleta da espécie Euryades corethrus, nativa dos campos sulinos do Brasil, indica não só que o animal pode estar em extinção, mas que o seu habitat está ameaçado. Há oito anos pesquisando esta espécie, o biólogo Guilherme Atencio informa que “locais que estavam sendo acompanhados nos últimos anos estão rapidamente se tornando vazios de fauna nativa”.

Na entrevista a seguir, concedida por e-mail para a IHU On-Line, ele diz que depois de percorrer os campos do Rio Grande do SulSanta Catarina e Paraná e regiões do Uruguai e da Argentina, foi possível perceber que “locais oficialmente considerados como ‘preservados’ e que deveriam abrigar a borboleta, na verdade são mais degradados do que o esperado. Passamos 29 dias em campo, em seis expedições diferentes, e percorremos 10.000 km. Encontramos 63 lugares com campo que parecia adequado para a borboleta, mas mesmo assim só a encontramos em 14 desses locais”.

desaparecimento da espécie, segundo o pesquisador, pode estar relacionado a três hipóteses: à perda de habitat, às mudanças climáticas e ao uso de agrotóxicos na agricultura. “A perda de habitat para a agropecuária é um fato inegável, assim como a mudança climática. Esses dois fenômenos, com certeza, estão tendo algum impacto nestas borboletas, e apesar de nunca termos feito um estudo que avaliasse o impacto dos agrotóxicos nesta espécie em particular, é sabido que borboletas e mariposas são afetadas, sem falar no efeito indireto que esses produtos podem ter ao afetarem as plantas utilizadas por estes animais durante o seu ciclo de vida”, afirma.

Atencio explica ainda que o desaparecimento da espécie é preocupante porque ela desempenha funções importantes para manter o equilíbrio do ecossistema. Entre elas, o biólogo menciona que as borboletas funcionam “como indicadores ambientais, uma vez que elas podem nos dar pistas da ‘saúde’ do campo, exatamente como estamos vendo agora”.

Guilherme Atencio é graduado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, mestre e doutor em Biologia Animal pelo Departamento de Zoologia da UFRGS.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – A sua tese de doutorado analisou a borboleta da espécie Euryades corethrus, chamada de campoleta. Quais são as conclusões da pesquisa sobre a situação dessa borboleta no Brasil? O que o senhor tem observado em relação a essa espécie desde que iniciou seus estudos?

Borboleta da espécie Euryades corethrus
Borboleta da espécie Euryades corethrus (Foto: EcoRegistros.org)

 

Guilherme Atencio – Esta borboleta é nativa do sul do Brasil, mas o que está acontecendo com ela provavelmente se aplica às espécies do resto do país. O que nós vemos é que locais que estavam sendo acompanhados nos últimos anos estão rapidamente se tornando vazios de fauna nativa. Nestes oito anos trabalhando com esta espécie, percebemos que está cada vez mais difícil encontrá-la, assim como encontrar os campos nativos que são seu habitat.

IHU On-Line – Quais são os indícios de que esta borboleta possa estar em risco de extinção nos campos sulinos?

Guilherme Atencio – No nosso projeto, percorremos os campos do Rio Grande do SulSanta Catarina e Paraná, além de alguns locais no Uruguai e Argentina, e vimos que locais que oficialmente são considerados como “preservados” e que deveriam abrigar a borboleta, na verdade são mais degradados do que o esperado. Passamos 29 dias em campo, em seis expedições diferentes, e percorremos 10.000 km. Encontramos 63 lugares com campo que parecia adequado para a borboleta, mas mesmo assim só a encontramos em 14 desses locais. Ou seja, não basta ter campo, é preciso que ele esteja preservado.

IHU On-Line – O que a possível extinção dessa espécie de borboleta indica sobre a atual situação do ecossistema que ela costumava habitar?

Guilherme Atencio – A ausência dela em áreas de campo é preocupante, pois é uma espécie que tolera extremos de temperatura. Quem já foi para os campos do Pampa, sabe que os invernos são rigorosos e os verões são tórridos. Além disso, ela é encontrada em praças, jardins botânicos e parques, o que demonstra que é um animal que se adapta bem aos locais com presença humana. Então, se ela está desaparecendo, algo está causando isso, talvez indiretamente, pois se não houver a planta necessária para que ela se alimente, a borboleta também some.

IHU On-Line – Pesquisas recentes têm mostrado a correlação entre a morte de abelhas e o uso de agrotóxicos. Essa correlação também tem sido feita em relação às borboletas ou o desaparecimento delas é explicado por outros fatores? Com que hipóteses o senhor trabalha para explicar o desaparecimento delas?

Guilherme Atencio – Nós trabalhamos com três hipóteses: perda de habitatmudança climática e agrotóxicos. A perda de habitat para a agropecuária é um fato inegável, assim como a mudança climática. Esses dois fenômenos, com certeza, estão tendo algum impacto nestas borboletas, e apesar de nunca termos feito um estudo que avaliasse o impacto dos agrotóxicos nesta espécie em particular, é sabido que borboletas e mariposas são afetadas, sem falar no efeito indireto que esses produtos podem ter ao afetarem as plantas utilizadas por estes animais durante o seu ciclo de vida. Também não podemos descartar a possibilidade de que estes três fatores estejam agindo em conjunto.

IHU On-Line – Em que regiões do Brasil essa espécie costumava se concentrar e em que regiões ela já não aparece mais?

Guilherme Atencio – Ela costumava ser encontrada nos estados do Sul do Brasil (Rio Grande do SulSanta Catarina e Paraná), mas atualmente ela está praticamente desaparecida do Paraná e Santa Catarina. Nossas expedições indicam que o seu último refúgio seja o Rio Grande do Sul.

IHU On-Line – Que informações o senhor tem sobre a situação da campoleta em outros países, como Uruguai, Paraguai e Argentina? Lá também há uma diminuição da espécie? O que os estudos internacionais têm mostrado sobre a situação dessa espécie nos outros países?

Guilherme Atencio – Registros recentes no Uruguai e Argentina são escassos, tendo desaparecido de alguns locais nesses países. Lá também foi notada uma diminuição nesta espécie e em outra do mesmo gênero que não ocorre aqui, a Euryades duponchelii. Um pesquisador argentino que acompanha essas populações e já escreveu livros sobre as borboletas da Argentina, acredita que ela já esteja extinta na província de Buenos Aires, pois há anos ele não as encontra. Lá a situação dos campos parece ser igualmente calamitosa, com os mesmos problemas que temos aqui.

IHU On-Line – Qual é o papel desempenhado pelas borboletas enquanto polinizadores? Assim como as abelhas, elas são polinizadores importantes para a produção de alimentos?

Guilherme Atencio – Eu não gosto de justificar a preservação de animais e plantas pela sua “utilidade”, mas, sim, elas também são importantes como polinizadores.

IHU On-Line – Qual é a importância das borboletas para o ecossistema?

Guilherme Atencio – As borboletas desempenham vários papéis importantes. Entre eles, vou mencionar alguns:

  • Elas transformam matéria vegetal em comida para animais não herbívoros, uma vez que consomem muitas plantas quando estão crescendo, mas depois elas mesmas servem de comida para outros animais, como pássaros, por exemplo. Se elas sumirem, estes animais ficam sem comida e o ecossistema entra em colapso.
  • Elas também ajudam a manter a variedade genética das plantas do campo, pois elas carregam o pólen por grandes distâncias, ajudando a espalhá-lo.
  • Elas são predadoras de outros insetos, na prática agindo como controle biológico de outras espécies que sem elas virariam pragas.
  • Sua maior utilidade é como indicadores ambientais, uma vez que elas podem nos dar pistas da “saúde” do campo, exatamente como estamos vendo agora. Seu ciclo de vida é rápido e envolve pelo menos duas espécies de plantas. Então, monitorar essas populações nos dá um bom demonstrativo da condição destes locais. Além disso, o fato de serem animais coloridos e atrativos para a população, as torna candidatas ideais para servir como espécie-bandeira dos campos: se chamarmos atenção para a preservação desta espécie, estaremos fazendo campanha pela preservação do seu habitat e, por consequência, de todos os animais e plantas que ali habitam.

Guilherme Atencio – Este trabalho de pesquisa foi iniciado pelo Dr. Nicolás Oliveira Mega e não seria possível sem a dedicação dele e sem a ajuda de todos os membros do Laboratório de Ecologia de Insetos, que é chefiado pela Professora Dra. Helena Piccoli Romanowski. Também foi essencial o apoio da Capes, do CNPq e de todas as agências de fomento que direta ou indiretamente financiaram este projeto.

Além disso, gostaria de convidar as pessoas a nos visitar no Facebook (basta procurar por Laboratório de Ecologia de Insetos) e também pessoalmente nos eventos do UFRGS Portas Abertas ou qualquer outro dia. É só entrar em contato, que teremos o maior prazer em receber pessoas interessadas em conhecer e aprender mais sobre estes animais fascinantes.

(EcoDebate, 21/01/2020) publicado pela IHU On-line, parceira editorial da revista eletrônica EcoDebate na socialização da informação.

[IHU On-line é publicada pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos Unisinos, em São Leopoldo, RS.]

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top