Diversidade e produtividade das plantas não se recuperam significativamente após uso agrícola

agricultura

 

Décadas após o abandono das terras agrícolas, a diversidade de plantas e a produtividade lutam para se recuperar. Isso foi demonstrado por uma nova pesquisa, publicada na revista Nature Ecology & Evolution .

Pesquisadores do Centro Alemão de Pesquisa Integrativa em Biodiversidade (iDiv), do Centro Helmholtz de Pesquisa Ambiental (UFZ) e da Universidade de Minnesota examinaram a diversidade e a produtividade das plantas em campos que foram arados e abandonados para uso agrícola. Embora a diversidade de plantas das pastagens locais tenha aumentado ao longo do tempo, a produtividade das plantas não se recuperou significativamente.

A equipe internacional de pesquisadores examinou 37 anos de dados vinculados à diversidade de plantas (riqueza de espécies, ou seja, número de espécies) e à produtividade das plantas (ou seja, biomassa ou quantidade de plantas) relacionadas a 21 pradarias e savanas em Minnesota. A maioria desses campos havia sido arada e abandonada para uso agrícola entre um e 91 anos antes. Os pesquisadores compararam as parcelas com as terras próximas que não foram significativamente afetadas pela atividade humana.

Eles descobriram que um ano após o abandono, os campos tinham, em média, 38% da diversidade de plantas e 34% da produtividade das plantas para a terra que nunca foi arada. 91 anos após o abandono, os campos possuíam 73% da diversidade de plantas e 53% da produtividade das plantas. Isso mostra que a diversidade de plantas de pastagem local aumentou significativamente ao longo do tempo, mas se recuperou incompletamente. A produtividade da planta não se recuperou significativamente.

Os pesquisadores sugerem que a recuperação lenta e incompleta de espécies em terras agrícolas abandonadas em Minnesota provavelmente está ocorrendo em ecossistemas ao redor do mundo, onde a terra foi limpa para agricultura, exploração madeireira ou outras atividades humanas.

“A quantidade de terra usada para fins agrícolas tem diminuído lentamente, deixando cerca de 18 milhões de quilômetros quadrados de campos antigos e recuperando florestas em todo o planeta”, disse o co-autor Dr. Adam Clark, atualmente pesquisador de pós-doutorado no Helmholtz Center para Pesquisa Ambiental (UFZ) e o Centro Alemão para Pesquisa Integrativa em Biodiversidade (iDiv). “Nesses espaços, esforços de restauração ativos muitas vezes podem ser necessários para restaurar a biodiversidade e impedir a extinção de espécies.”

As táticas de restauração podem incluir o uso de queimaduras prescritas, a dispersão de sementes, o uso do feno para remover os nutrientes adicionados pela fertilização e a reintrodução de outros na cadeia alimentar (por exemplo, herbívoros, predadores) empurrados para fora da área.

“Quando coletados em escala global, registros fósseis indicam que espécies de plantas estão extintas a taxas centenas de vezes mais rápidas que a taxa de extinção natural”, disse o primeiro autor, professor Forest Isbell, professor assistente da Faculdade de Ciências Biológicas (CBS). “Nesse nível localizado, estamos vendo como a atividade humana pode impactar a perda de espécies.”

Referência:

Forest Isbell, David Tilman, Peter Reich, and Adam T. Clark. “Deficits of biodiversity and productivity linger a century after agricultural abandonment“. Nature Ecology and Evolution 3:1533–1538, 2019. DOI: 10.1038/s41559-019-1012-1

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

Informe do German Centre for Integrative Biodiversity Research (iDiv), in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/12/2019

Diversidade e produtividade das plantas não se recuperam significativamente após uso agrícola, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 13/12/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/12/13/diversidade-e-produtividade-das-plantas-nao-se-recuperam-significativamente-apos-uso-agricola/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top