BRICS ultrapassam a OCDE em emissões de CO2, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

No ano de 2078 eu farei 75 anos. Se eu tiver filhos, talvez eles passem o dia comigo.

Talvez eles me perguntem sobre vocês. Talvez me perguntem por que

vocês não fizeram nada enquanto ainda havia tempo para agir”

Greta Thunberg

emissão total de CO2 da OCDE e do BRICS

[EcoDebate] O mundo vive uma emergência climática devido ao aumento imemorial da temperatura do Planeta. A temperatura média da Terra, se nada for feito urgentemente, caminha rumo ao maior valor em mais de 5 milhões de anos (Alves, 19/09/2016). Os últimos 6 anos foram os mais quentes já registrados e 2019 deve bater o recorde do recorde ocorrido em 2016.

A concentração de CO2 que permaneceu abaixo de 280 partes por milhão (ppm) durante o florescimento da civilização incrementada pela Revolução agrícola e a expansão dos assentamentos humanos (houve grande estabilidade climáticas nos últimos 12 mil anos antes da Revolução Industrial e Energética), iniciou uma trajetória de aumento que tem se intensificado nos últimos anos. A concentração de CO2 na atmosfera chegou a 300 ppm em 1920, atingiu 310 ppm em 1950, 350 ppm em 1987, 400 ppm em 2015 e deve ultrapassar 410 ppm em 2019. Na primeira década do século XXI, a concentração de CO2 aumentava 2 ppm ao ano e na segunda década passou a aumentar 2,5 ppm ao ano. O mundo caminha para uma situação inusitada e dramática.

O vetor principal do aumento do efeito estufa é a emissão de CO2 decorrente da queima de combustíveis fósseis e de outras atividades antrópicas que liberam gases de efeito estufa (GEE). As emissões globais de CO2 estavam em 2 bilhões de toneladas em 1900, passaram para 6 bilhões de toneladas em 1950, chegaram a 25 bilhões de toneladas no ano 2000 e atingiram 36 bilhões de toneladas em 2017.

Durante o século XX, foram os países ricos que mais poluíram o bem comum da vida humana e não humana que é o espaço da atmosfera. Mas no século XXI, são os países pobres e, principalmente, os de renda média, que lideram os níveis de poluição (Alves, 23/10/2019). O gráfico acima mostra que os 36 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, OCDE (quase todos eles de renda alta) emitiam 3 vezes mais do que os 5 países do grupo BRICS, mas houve empate em 2010 e, em 2017, o BRICS já emitiram cerca de 20% a mais do que a OCDE.

As emissões do conjunto da OCDE estavam em 5,8 bilhões de toneladas de CO2 em 1959, subiram até o pico de 14 bilhões de toneladas em 2007 e começaram a cair depois da crise econômica de 2008/09, até atingir 12,7 bilhões de toneladas em 2017 (um crescimento de 2,2 vezes entre 1959 e 2017). Já as emissões do conjunto do BRICS que estavam em 1,8 bilhões de toneladas de CO2 em 1959 subiram continuamente até 13,8 bilhões de toneladas em 2011 (quando ultrapassaram a OCDE) e atingiram 14,9 bilhões de toneladas em 2017 (um crescimento de 8,2 vezes entre 1959 e 2017).

Evidentemente, os países ricos da OCDE possuem um nível de emissão per capita superior ao nível das emissões dos países de renda média do BRICS, conforme mostra o gráfico abaixo. Cada habitante da OCDE emitia em média 7,4 toneladas de CO2 em 1959, subiu até o máximo de 11,6 toneladas em 2007 e caiu ligeiramente para 9,8 toneladas em 2017 (um aumento de 1,3 vezes entre 1959 e 2017). Entre os países do BRICS, a emissão per capita estava em 1,4 toneladas em 1959, subiu para 3,7 toneladas em 2007 e chegou a 4,7 toneladas em 2017 (um aumento de 3,4 vezes entre 1959 e 2017).

Portanto, os países da OCDE possuem uma emissão per capita maior do que a emissão média dos habitantes do BRICS, mas no total o BRICS emite mais do que a OCDE desde 2011. A diferença decorre dos níveis desiguais do volume populacional. A população total da OCDE era de 787 milhões de habitantes em 1959 e passou para 1,3 bilhão em 2017 (um crescimento de 1,6 vezes). No mesmo período, a população total do BRICS passou de 1,3 bilhão de habitantes para 3,2 bilhões (um crescimento de 2,4 vezes).

emissão per capita de CO2 da OCDE e do BRICS

 

Nos países da OCDE, a emissão per capita é 2 vezes maior do que nos países do BRICS. Mas, em termos demográficos, a relação se inverte, pois o BRICS tem uma população 2,5 vezes maior do que a população da OCDE. Assim, levando em consideração as emissões per capita e o volume da população, o BRICS passou a liderar a poluição climática a partir de 2011 e deve continuar poluindo cada vez mais, já que possui taxas de crescimento populacional e econômico superior àquelas da OCDE.

Esta situação é preocupante, pois a emissões globais de CO2 já estão em 37,1 bilhões de toneladas em 2018 e, segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, 2018) elas precisam cair para algo em torno de 18 bilhões de toneladas até 2030 e para zero até 2050, para evitar que a temperatura global ultrapasse 1,5o C da meta do Acordo de Paris. Porém, mesmo que, num passe de mágica, as emissões da OCDE fossem zeradas imediatamente, a emissão dos demais países que estavam em 23,5 bilhões de toneladas de CO2 em 2017 precisariam cair em mais de 5 bilhões de toneladas até 2030 e para zero até meados do século. Ou seja, o desafio é gigantesco, pois, atualmente, em uma Terra com “Sobrecarga ambiental” (Alves, 26/07/2019), não só os países ricos precisam reduzir as emissões, mas também os países de renda média como o BRICS (e mesmo os pobres precisam dar suas contribuições voluntárias).

Nos países ricos da OCDE a dinâmica demográfica aponta, proximamente, para uma estabilização e um posterior decrescimento ao longo do século. As emissões já estão caindo e a redução do consumo conspícuo e a mudança nos padrões de produção poderiam zerar as emissões nas próximas décadas. Assim, mesmo com todas as dificuldades, a erradicação das emissões líquidas da OCDE (embora com toda a resistência das grandes corporações fósseis) traria mais ganhos ambientais no longo prazo do que prejuízos significativos no padrão de vida aceitável de seus habitantes.

Já nos países em desenvolvimento (renda baixa e renda média) o desafio é ainda mais complexo, pois as projeções indicam crescimento demoeconômico ao longo do século e o crescimento econômico, em geral, é considerado uma necessidade para erradicar a pobreza, como apontado na meta # 8.1, dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU: “Sustentar o crescimento econômico per capita, de acordo com as circunstâncias nacionais e, em particular, pelo menos um crescimento anual de 7% do PIB nos países menos desenvolvidos” (Ver Alves, 2019).

Porém, é inegável que o crescimento da população e da economia contribui para o aumento das emissões de CO2. Mesmo com todas as inovações tecnológicas das últimas décadas, a correlação entre o crescimento demoeconômico e o aumento das emissões não desapareceu, embora tenha dinâmicas um pouco diferenciadas entre os países considerados desenvolvidos e aqueles em desenvolvimento.

Os gráficos abaixo mostram a correlação entre o aumento das emissões e o aumento do número dos habitantes nos dois grupos de países. Para o caso da OCDE, nota-se (no painel da esquerda) que as emissões cresciam mais rápido do que a população na maior parte do período até a crise financeira de 2008/09 e começou a cair a partir desta data. A correlação entre população e emissões na OCDE (painel da direita) foi de 84,1% no período, evidenciando que o aumento do número de habitantes esteve associado com o aumento das emissões, especialmente na segunda metade do século XX.

crescimento da população e aumento da emissão de CO2 na OCDE

 

Para o caso do grupo BRICS, nota-se (no painel da esquerda) que as emissões seguiam, aproximadamente, o mesmo ritmo de crescimento demográfico no século passado, mas aceleraram vertiginosamente no século XXI, especialmente, durante o período conhecido como “super ciclo das commodities”. A correlação entre população e emissões no BRICS (painel da direita) foi de 84,96% no período. Assim como na OCDE, há uma forte associação entre o aumento do número de habitantes e o aumento das emissões, embora a dinâmica temporal entre as duas variáveis sejam distintas no interior dos dois blocos econômicos.

crescimento da população e aumento da emissão de CO2 no BRICS

 

Mas se a correlação entre população e emissões de CO2 é grande, algo semelhante deve ocorrer com a correlação entre a economia e as emissões, pois uma população mais rica, em geral, consome mais e polui mais, enquanto uma população mais pobre tem um comportamento oposto, quando se considera o nível de renda. Todavia, as dinâmicas demográficas e econômicas não seguem, necessariamente, o mesmo padrão em todos os lugares.

Nos gráficos abaixo apresentamos os dados sobre a variação do Produto Interno Bruto (PIB), dos dois grupos de países em questão, e suas emissões de CO2. Nota-se que a reta de tendência linear entre as variáveis PIB e emissões, na OCDE (painel da esquerda) indica que 80,53% da variabilidade das emissões de CO2 está associada diretamente ao crescimento do PIB, ao longo dos anos de 1959 e 2016.

No caso dos BRICS, a associação é mais intensa, pois a reta de tendência linear entre as variáveis PIB e emissões (painel da direita), indica que 98,39% da variabilidade das emissões de CO2 está associada diretamente ao crescimento do PIB, ao longo dos anos de 1959 e 2016.

crescimento do PIB e aumento da emissão de CO2 na OCDE e no Brics

 

O gráfico abaixo sintetiza o comportamento da população, do Produto Interno Bruto (PIB) e das emissões de CO2 em dois períodos selecionados: os últimos 40 anos do século XX (1959-99) e os primeiros 16 anos do século XXI (2000-16). Na OCDE, tanto a população, quanto o PIB, reduziram o ritmo de crescimento entre os dois períodos, mas houve decrescimento das emissões de CO2 entre os anos 2000 e 2016, em função de mudanças na população (envelhecimento, urbanização, etc.) e mudanças tecnológicas no padrão de produção e consumo e na matriz energética. Já no grupo BRICS, houve redução do ritmo de crescimento da população, mas aceleração no crescimento do PIB entre os dois períodos, resultando num aumento das taxas anuais de emissão de CO2 entre os dois períodos, o que mostra que não basta reduzir a população para reduzir as emissões. Para evitar a continuidade da emissão de gases de efeito estufa é preciso haver redução do crescimento demoeconômico e mudanças na composição da população e da economia, desacoplando as emissões do aumento das atividades antrópicas.

população, PIB e emissões de CO2 na OCDE e no BRICS

 

Mas as emissões crescem muito não apenas nos 5 países do grupo BRICS, mas naqueles países que fazem parte da Iniciativa chinesa “Um Cinturão Uma Rota”. Artigo de Lachlan Carey (05/11/2019) mostra que uma grande parte dos investimentos do grande projeto de investimento chinês são em fontes de energia fóssil, sendo que a China sozinha era responsável por 28% das emissões globais em 2017 e os seus parceiros por mais 19%. Ou seja, os países envolvidos na iniciativa “Um Cinturão Uma Rota” respondiam por quase 50% das emissões globais.

Todos estes gráficos mostram que existe uma correlação muito forte entre o crescimento da população, da economia e das emissões de CO2. Embora pouco difundido, este tipo de discussão já foi aprofundado por vários autores, como no trabalho “Global demographic trends and future carbon emissions” (O’Neill et. al., 2010), que mostrou que a redução do crescimento da população mundial poderia diminuir as emissões globais de CO2 entre 16 e 29% até 2050 e que existe uma alta correlação entre aumento da população, da economia e da poluição atmosférica.

Inegavelmente, este resultado já era esperado, pois o uso de energia para as residências, as fábricas, o transporte e demais atividades, a produção de cimento para a infraestrutura, os domicílios, a estrutura produtiva e demais obras econômicas ou sociais e a grande produção de alimentos vegetais e animais – tudo isto – tem como externalidades negativas a liberação de gases de efeito estufa (GEE) que aumentam a concentração de CO2 na atmosfera e aceleram o aquecimento global. Quanto maior a população e quanto maior o consumo das pessoas, maior tende a ser a poluição dos solos, da água e do ar.

Todavia, esta verdade elementar e auto evidente, não constitui uma narrativa predominante no cenário internacional. Existem vários fatores de confundimento que embaralham a compreensão dos vetores da crise climática e ambiental.

A primeira confusão, que põe em dúvida todas as evidências empíricas apresentadas acima, vem dos “céticos do clima” ou “negacionistas da crise climática”. Algumas pessoas ingênuas e outras financiadas pela indústria química e dos combustíveis fósseis propagam duas narrativas para semear a dúvida e desviar a atenção das verdadeiras causas do caos climático: 1) negam a tendência de aquecimento global (dizendo que os termômetros e os instrumentos de medida estão errados ou manipulados); ou 2) reconhecem que há aquecimento global, mas atribuem este fenômeno às instabilidades naturais (mudanças na órbita ou radiações inesperadas do sol, erupções vulcânicas, etc.) e tentam desqualificar os cientistas e o IPCC dizendo que o aquecimento global não é antropogênico ou, simplesmente, que a influência humana é muito pequena. Os negacionistas do clima jamais vão aceitar que o crescimento da população e da economia está por trás dos problemas climáticos e ambientais. O escritor sueco Bjørn Lomborg é um dos principais representantes desta corrente de pensamento e do lobby das grandes corporações com interesses antiambientais.

A segunda confusão advém do pensamento desenvolvimentista e dos chamados “tecnófilos cornucopianos” que, mesmo reconhecendo os graves problemas climáticos e ambientais da atualidade, consideram que a inteligência e a engenhosidade humana são capazes de resolver os contratempos criados, sem comprometer a marcha para o progresso e o futuro brilhante da civilização. Utilizando a abordagem da “Curva ambiental de Kuznets”, dizem que o impacto negativo do crescimento econômico é uma tendência natural dos primeiros ciclos do desenvolvimento, mas que tende a se reverter com o passar do tempo, pois as próprias forças de mercado que geraram efeitos perversos no passado, se encarregariam de reduzir os danos a partir do momento em que cada nação ultrapasse certo limiar de renda per capita. Ou seja, para estes autores, as dificuldades geradas pelo processo de crescimento econômico se resolve com mais crescimento. Para este tipo de narrativa, o tamanho da economia (do PIB) não é um problema, mas a solução, especialmente se houver liberdade de iniciativa para deslanchar o aperfeiçoamento científico e tecnológico (Alves, 19/12/2012).

Existem autores que se dizem de esquerda e que defendem a solução tecnológica para salvar o meio ambiente e a sociedade, como Alex Williams e Nick Srnicek, que lançaram o “manifesto aceleracionista”, onde, entre outras pérolas, dizem: “Aceleracionistas querem libertar as forças produtivas latentes. Nesse projeto, a plataforma material do neoliberalismo não precisa ser destruída. Precisa ser reaproveitada para fins comuns. A infraestrutura existente não é um estágio capitalista a ser esmagado, mas um trampolim para lançar o pós-capitalismo” .

A terceira confusão é antiga e vem daqueles que colocam toda a culpa da pobreza social e ambiental apenas sobre o crescimento populacional desregrado. O autor mais famoso na culpabilidade dos pobres foi Thomas Malthus (1766-1834) – que era um defensor dos interesses econômicos e políticos dos proprietários de terra e da monarquia britânica. No ensaio sobre população, cuja primeira edição, de 1798, foi publicada de forma apócrifa, ele dizia que a pobreza era um resultado inevitável de uma suposta “lei de população” que, de maneira inexorável, na ausência de “freios positivos”, impunha um crescimento demográfico sempre superior ao crescimento econômico. E para Malthus, que era um pastor da igreja Anglicana e era contra os meios contraceptivos para reduzir a fecundidade, os “freios positivos” para limitar a população eram a tríade: fome, miséria e guerras.

Outro autor que colocava toda a culpa dos problemas ambientais e sociais no descontrole do crescimento populacional é Paul Ehrlich, que, em 1968, lançou o livro “A bomba populacional” traçando um quadro catastrófico em decorrência do aumento da população mundial. Mas Ehrlich não era demógrafo e sim um lepidopterologista (especialista em borboletas), que propunha a receita neomalthusiana de crescimento populacional zero (ZPG, na sigla em inglês), ou seja, dois filhos por casal. Na mesma época e na mesma linha de raciocínio, o presidente dos Estados Unidos, Lyndon Jonhson disse: “Mais vale 5 dólares investidos em planejamento familiar do que 100 dólares investidos em desenvolvimento”.

Mas o neomalthusianismo mais autoritário e draconiano da história se manifestou e foi colocado em prática na China comunista, com a “política de filho único”, que vigorou de forma efetiva entre 1979 e 2015. Os dirigentes chineses dizem que o sucesso que tiveram na erradicação da pobreza só foi possível, em grande parte, devido à redução do tamanho das famílias e do ritmo de crescimento demográfico. Portanto, o controle populacional não é apenas uma narrativa para justificar a pobreza, mas já foi testado de forma impositiva, com todos os seus problemas, no país mais populoso do mundo.

A quarta confusão também é antiga e vem daquelas forças que defendem o pronatalismo sem limites e dizem como o Papa Paulo VI: “Precisamos aumentar o banquete e não diminuir os comensais”. De fato, este mesmo Papa publicou em julho de 1968 (dois meses depois do livro de Ehrlich) a controversa encíclica Humanae Vitae, colocando a Igreja Católica contra o uso de métodos contraceptivos modernos, além de defender o sexo apenas com a finalidade procriativa. Até hoje a Igreja Católica defende as famílias numerosas e diz que a pobreza não tem nada a ver com o crescimento populacional, mas sim com a falta de caridade e a avareza das forças econômicas predominantes no mundo (Alves, 18/07/2018). Até o Papa Francisco, que se apresenta como um defensor do meio ambiente e promoveu o Sínodo da Amazônia, não conseguir rever a encíclica Humanae Vitae e deu declarações a favor das famílias numerosas e contra a autodeterminação reprodutiva das pessoas (Alves, 07/07/2016).

No mundo acadêmico, um autor que marcou época e assumiu uma postura radical contra o controlismo e a favor do pronatalismo foi o economista neoliberal e “pai” intelectual dos negacionistas do clima – além de assessor do presidente Ronald Reagan – Julian Simon, que costumava dizer e repetir: “quanto mais gente no mundo melhor”. Simon foi percussor da ideia de que os recursos infinitos da engenhosidade humana, poderiam avançar com a tecnologia e contornar todos os problemas ambientais da Terra, sem comprometer as bases da acumulação do regime capitalista em escala local e planetária. Ele dizia que, numa sociedade com livre mercado, não há limite para a produção de alimentos, a oferta de petróleo é infinita e os filhos são um “bem de produção” que trazem retornos crescentes para as famílias e a sociedade (Alves, 16/05/2012).

Mas apesar de todo o esforço das forças antineomalthusianas, a transição demográfica vem avançando em praticamente todos os países e, em decorrência, muitos países enfrentam a nova realidade do envelhecimento populacional e diversos países já apresentam decrescimento demográfico. Diante desta nova realidade, ampliaram as forças antípodas ao neomalthusianismo de Paul Ehrlich, e que se manifestam contra a chamada “implosão populacional”. O livro “Empty Planet: The Shock of Global Population Decline”, dos jornalistas canadenses Darrell Bricker e John Ibbitson (2019), contesta as previsões de crescimento populacional da Divisão de População da ONU e fazem uma espécie de terrorismo com a possibilidade da extinção da humanidade via baixa natalidade. Eles dizem que, ao longo da história, o despovoamento foi o produto de catástrofes: eras glaciais, pragas, o colapso das civilizações, etc. Porém, na contemporalidade, o declínio da população deve ocorrer em função da baixa fecundidade. Para tanto, mesmo com todos os problemas ambientais, fazem um apelo em favor do crescimento populacional (Alves, 15/03/2019).

Portanto, para as forças antropocêntricas e pronatalistas, tanto do espectro conservador e do fundamentalismo religioso, quanto do espectro neoliberal (que influiu nos resultados da Conferência de População ocorrida na cidade do México, em 1984), a população não pode ser associada com a crise climática e ambiental. Estas forças costumam interditar o debate demográfico, além de promover o silêncio sobre os problemas populacionais.

A quinta confusão vem daquelas pessoas bem intencionadas que costumam inverter o argumento controlista e que dividem a humanidade, de maneira maniqueísta, entre as parcelas pobres da população que são apenas vítimas das injustiças sociais e do apartheid climático e as parcelas ricas que exploram, dominam e degradam a sociedade e a natureza. Para a maioria dos autores desta linha de pensamento, a pobreza decorre apenas da lógica da produção de mais-valia e a desigualdade social e os problemas ambientais decorrem simplesmente do excesso de consumo e riqueza das parcelas privilegiadas e ociosas da sociedade. Por exemplo, no livro “Too Many People?: Population, Immigration, and the Environmental Crisis”, os autores Ian Angus e Simon Butler argumentam que “não há correspondência entre emissões de dióxido de carbono e a densidade populacional” e que “As emissões de CO2 são um problema dos países ricos e não dos pobres” (Alves, 03/05/2019).

Nem tanto ao céu, nem tanto ao inferno. Como vimos nos gráficos deste artigo, existe uma correlação inequívoca entre população, economia e emissões de CO2. E a interação entre estas 3 variáveis muda ao longo do tempo e do espaço. De fato, os países ricos foram os responsáveis pela maior parte das emissões históricas de gases de efeito estufa. Todavia, o crescimento da população e da economia dos países “em desenvolvimento” (na terminologia do Banco Mundial) alterou a correlação de forças. No século XXI, são os chamados países “emergentes” – fundamentalmente aqueles de renda média – que assumiram a liderança das emissões, como é o caso dos 5 países que fazem parte do BRICS. A globalização das cadeias produtivas generaliza um padrão de produção e consumo que é eficiente na produção de mercadorias, mas que é ineficiente no controle da poluição. Atualmente, os países ricos, reunidos na OCDE, são responsáveis por cerca de um terço das emissões de CO2 e o restante do mundo por cerca de dois terços das emissões.

Sem dúvida, uma população grande com baixíssimo nível de renda e consumo não pode ser responsabilizada pela crise climática. Mas uma população grande com uma economia crescente muda o quadro completamente. A China, na década de 1960, respondia por apenas 4% das emissões globais de CO2, mas com o crescimento demoeconômico passou a emitir 27% das emissões globais na atual década. A Índia, na década de 1950, emitia apenas 1% do dióxido de carbono global e passou a emitir 7% do total das emissões do mundo em 2017. Hoje em dia as cidades da Índia, como Nova Deli, tem um ar tão poluído que costuma inviabilizar as atividades econômicas corriqueiras, além de ser responsável por uma alta proporção de mortes.

Em síntese, a situação climática do mundo está saindo do controle. O tempo urge e as condições climáticas se agravam. Todos os países precisam enfrentar a discussão sobre população, economia e meio ambiente. O mundo só tem 12 anos para reduzir as emissões pela metade e neste período as ações sobre o padrão de produção e consumo são mais urgentes do que as ações demográficas. Mas as emissões precisam ser zeradas até 2050 e as medidas para reduzir o crescimento demográfico neste período podem ajudar no sentido de mitigar o drama das mudanças climáticas.

Não se pode culpar simplesmente o crescimento populacional pelos problemas ambientais. Mas não é correto ignorar que a redução do volume demográfico pode contribuir para a mitigação do aquecimento global. Evidentemente, existem muitas coisas para serem feitas, como mudança na matriz energética (das fontes fósseis para as renováveis), mudança na frota de veículos (de combustão interna para elétrico/renovável), mudança na dieta alimentar (das carnes para os vegetais), da agricultura agrotóxica para a agricultura orgânica, etc. Redução dos gastos militares e da pegada ecológica dos exércitos do muno. Acima de tudo é preciso mudar a “cultura do consumismo” e reduzir o consumo conspícuo das “classes ociosas”. Além do mais, a estabilização da população mundial pode contribuir com as medidas de adaptação à caos climático que se avizinha.

Estes são assuntos que deveriam ser discutidos na 25ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP25), aquela que deveria ter sido realizada no Brasil, mas não teve apoio governamental, foi transferida para o Chile que teve de cancelar na última hora devido às manifestações populares e foi confirmada, nas pressas, para a Espanha, no início de dezembro de 2019. O mundo está na emergência climática e nem consegue bem organizar uma COP.

Nesta semana, entre os dias 12 e 14 de novembro, será realizada a cúpula de alto nível CIPD25, em Nairóbi, Quênia, para avaliar e reafirmar os compromissos do Programa de Ação da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), ocorrida na cidade do Cairo em 1994. Seria fundamental que a Cúpula de Nairóbi tratasse da questão demográfica e da emergência climática, especialmente o aumento contínuo das emissões de CO2 (Alves, Rebep, 2019).

Mais de 11 mil cientistas de todo o mundo, de maneira reiterada, alertam a humanidade sobre a ameaça de uma iminente catástrofe ambiental e declararam que o Planeta está enfrentando uma emergência climática. O manifesto, publicado no dia 05 de novembro de 2019 na Revista BioScience (ver link abaixo), diz que os cientistas têm uma obrigação moral de alertar claramente a humanidade sobre uma possível ameaça catastrófica que pode provocar “sofrimento humano incalculável”. Um dos “sinais vitais” responsáveis pela emergência climática é o crescimento da população e da economia.

A questão climática e ambiental também deveria fazer parte da XI Cúpula do BRICS, que ocorrerá nos dias 13 e 14 de novembro de 2019, no Palácio Itamaraty, em Brasília. Os países do BRICS não podem se omitir diante do agravamento da crise climática e nem ignorar suas responsabilidades no aumento das emissões de CO2.

O Acordo de Paris foi importante e tomou decisões na direção correta. Mas foi insuficiente e precisa ser aprofundado. O esforço tem que ser realizado em todas as direções. Para tanto, é preciso analisa os dados e avaliar o cenário de maneira holística e sem preconceito. E acima de tudo, é preciso abandonar os discursos demagógicos e as palavras vazias e tomar medidas concretas para mitigar o aquecimento global.

Nota sobre o agrupamento dos países:

Os 5 países do BRICS são: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Os 36 países da OCDE são: Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Chile, República Checa, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Coreia do Sul, Letônia, Lituana, Luxemburgo, México, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Polônia, Portugal, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia, Suíça, Turquia, Reino Unido, Estados Unidos

José Eustáquio Diniz Alves
Colunista do EcoDebate.
Doutor em demografia, link do CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

 

Referências:

ALVES, JED. Os 25 anos da CIPD: Terra inabitável e o grito da juventude, Rev. Bras. de Estudos Populacionais, REBEP, 2019 http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-30982019000100450&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

ALVES, JED. A dinâmica demográfica importa no crescimento econômico e na degradação ambiental. Ecodebate, 03/05/2019

https://www.ecodebate.com.br/2019/05/03/a-dinamica-demografica-importa-no-crescimento-economico-e-na-degradacao-ambiental-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED “Planeta vazio” ou pronatalismo antropocêntrico e ecocida? Ecodebate, 15/03/2019 https://www.ecodebate.com.br/2019/03/15/planeta-vazio-ou-pronatalismo-antropocentrico-e-ecocida-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. O positivismo e o fundamentalismo de mercado de Julian Simon e dos céticos do clima, Ecodebate, 16/05/2012

http://www.ecodebate.com.br/2012/05/16/o-positivismo-e-o-fundamentalismo-de-mercado-de-julian-simon-e-dos-ceticos-do-clima-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. 50 anos da encíclica Humanae Vitae: sexo e reprodução no século XXI. Ecodebate, 18/07/2018 https://www.ecodebate.com.br/2018/07/18/50-anos-da-enciclica-humanae-vitae-sexo-e-reproducao-no-seculo-xxi-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Curva Ambiental de Kuznets: mais desenvolvimento é a solução? Ecodebate, 19/12/2012 http://www.ecodebate.com.br/2012/12/19/curva-ambiental-de-kuznets-mais-desenvolvimento-e-a-solucao-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Dia da sobrecarga (29/07/2019) e os limites da resiliência da Terra, Ecodebate, 26/07/2019 https://www.ecodebate.com.br/2019/07/26/dia-da-sobrecarga-29072019-e-os-limites-da-resiliencia-da-terra-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Os países pobres e de renda média lideram a emissão global de CO2 no século XXI, Ecodebate, 23/10/2019

https://www.ecodebate.com.br/2019/10/23/os-paises-pobres-e-de-renda-media-lideram-a-emissao-global-de-co2-no-seculo-xxi-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. A maior temperatura em 5 milhões de anos, Ecodebate, 19/09/2016

https://www.ecodebate.com.br/2016/09/19/a-maior-temperatura-em-5-milhoes-de-anos-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Papa Francisco, a encíclica Humanae Vitae e os direitos sexuais e reprodutivos, Ecodebate, 07/07/2016

https://www.ecodebate.com.br/2016/07/07/papa-francisco-a-enciclica-humanae-vitae-e-os-direitos-sexuais-e-reprodutivos-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

Darrell Bricker, John Ibbitson. Empty Planet: The Shock of Global Population Decline, 2019

WILLIAMS, Alex e SRNICEK, Nick. Manifesto Aceleracionista, 2013

http://uninomade.net/tenda/manifesto-aceleracionista/

Ian Angus e Simon Butler Too Many People?: Population, Immigration, and the Environmental Crisis, Haymarket Books, Chicago, 2011

Maddison Project Database, version 2018. Bolt, Jutta, Robert Inklaar, Herman de Jong and Jan Luiten van Zanden, 2018 https://www.rug.nl/ggdc/

Lachlan Carey. Chinese Multilateralism and the Promise of a Green Belt and Road, CSIS Briefs, 05/11/2019

https://www.csis.org/analysis/chinese-multilateralism-and-promise-green-belt-and-road

O’Neill, Brian C. et. al. Global demographic trends and future carbon emissions, PNAS, October 2010 https://www.pnas.org/content/107/41/17521

WILLIAM J RIPPLE, et. al. World Scientists’ Warning of a Climate Emergency, BioScience, 05/11/2019

https://academic.oup.com/bioscience/advance-article/doi/10.1093/biosci/biz088/5610806

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 13/11/2019

BRICS ultrapassam a OCDE em emissões de CO2, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 13/11/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/11/13/brics-ultrapassam-a-ocde-em-emissoes-de-co2-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top