Emergência Climática – Porque uma geleira da Groenlândia em crescimento não significa boas notícias para o aquecimento global

 

Por Alan Buis, Laboratório de Propulsão a Jato da NASA*

Uma grande piscina de águas abertas na borda da Geleira Helheim, no leste da Groenlândia, como vista da aeronave Oceans Melting Greenland (OMG). A equipe OMG derrubou com sucesso uma sonda oceânica nesta poça de água e mediu a temperatura da água bem na face da geleira.
Uma grande piscina de águas abertas na borda da Geleira Helheim, no leste da Groenlândia, como vista da aeronave Oceans Melting Greenland (OMG). A equipe OMG lançou com sucesso uma sonda oceânica nesta poça de água e mediu a temperatura da água bem na face da geleira.

Em março, uma equipe de pesquisa liderada pela NASA anunciou que Jakobshavn Isbrae, a geleira mais fina e esbelta da Groenlândia nas últimas duas décadas, agora flui mais lentamente, engrossando e avançando em direção ao oceano, em vez de recuar para o interior.

Na superfície, isso soa como uma ótima notícia. Afinal, se esse gigante glacial, que drena sete por cento da Groenlândia, está diminuindo, certamente isso deve significar que o aquecimento global também está diminuindo, certo?

Errado. Os resultados foram interpretados dessa maneira por alguns, sugerindo que os resultados do estudo eram evidências de que o aquecimento global está diminuindo ou parando. No entanto, os fatos mostram uma imagem diferente, como ilustra uma rápida revisão das principais conclusões do estudo. Para recapitular:

  • As recentes mudanças em Jakobshavn, localizadas na costa oeste da Groenlândia, são atribuídas ao resfriamento de uma corrente oceânica em 2016 que transporta água para a face oceânica da geleira, provavelmente devido a uma mudança na oscilação do Atlântico Norte (NAO) ocorrida em 2015. O NAO é um padrão climático oceânico que faz com que as temperaturas da água no norte do Atlântico alternem entre quente e frio a cada cinco a 20 anos. A dramática desaceleração da geleira coincidiu com a chegada das águas mais frias perto de Jakobshavn naquele verão.
  • As temperaturas da água perto da geleira estão agora mais frias do que desde meados da década de 1980. A água mais fria não derrete o gelo na frente e embaixo da geleira tão rapidamente quanto a água mais quente.
  • As mudanças de Jakobshavn são temporárias. Quando o NAO oscilar novamente, é provável que a geleira volte a acelerar e afinar, à medida que as águas quentes retornam para continuar derretendo-a por baixo.

Após a publicação do estudo, análises adicionais mostram que Jakobshavn cresceu de 20 a 30 metros por ano, de 2016 a 2019.

Como as temperaturas do oceano afetam as geleiras da Groenlândia

Muitos fatores podem acelerar ou diminuir a taxa de perda de gelo de uma geleira. Isso inclui o formato da rocha embaixo e ao longo dos lados, variações de curto prazo na temperatura e circulação do oceano, temperatura do ar e precipitação e mudanças climáticas. Para entender melhor o papel que as temperaturas oceânicas desempenham, há quatro anos a NASA lançou a campanha Oceans Melting Greenland (OMG) para medir a temperatura e salinidade dos oceanos na Groenlândia.

Enquanto a Groenlândia é uma ilha, é cercada por uma plataforma continental sob a superfície do oceano. A plataforma forma uma barreira natural que impede que as águas mais profundas e quentes do Atlântico cheguem a partes da costa da Groenlândia. Perto da costa, a profundidade média do oceano é de 400 a 500 metros, enquanto no oceano profundo, de 50 a 320 quilômetros no mar, as águas geralmente atingem profundidades de 4.000 metros. )

No entanto, gargantas subaquáticas profundas cortam a plataforma continental, permitindo que os rostos de muitas geleiras da Groenlândia fiquem em águas quentes e profundas. Um dos principais objetivos do OMG foi realizar o mapeamento mais abrangente até a data do fundo do mar em torno da Groenlândia para ver onde esses canhões estão localizados. Como resultado, agora sabemos quantas geleiras ficam em águas profundas, qual a profundidade da água e como os fiordes da Groenlândia se conectam às águas quentes do mar.

“Preenchemos enormes lacunas em nosso conhecimento da profundidade do fundo do mar na Groenlândia”, disse o pesquisador principal do OMG e co-autor do estudo Josh Willis do Jet Propulsion Laboratory da NASA em Pasadena, Califórnia. “Algumas das geleiras ficam a cerca de 1.000 metros de água, o equivalente a 10 campos de futebol abaixo da superfície. De fato, tudo o que descobrimos sugere que as geleiras da Groenlândia estão mais ameaçadas do que esperávamos. ”

Analisando os fatos sobre Jakobshavn

Embora o comportamento de Jakobshavn possa ser confuso para alguns, não há evidências de que seu crescimento seja indicativo de qualquer desaceleração do aquecimento global. As concentrações globais de dióxido de carbono não estão caindo, as temperaturas atmosféricas e oceânicas globais não estão caindo e os níveis globais do mar não estão caindo. De fato, todas as evidências apontam fortemente na direção oposta.

O que os eventos atuais em Jakobshavn nos mostram é que, além das mudanças de longo prazo que ocorrem na Terra devido às emissões de gases de efeito estufa produzidas pelo homem, os processos naturais, como as oscilações dos oceanos, também desempenham papéis importantes no curto prazo. mudanças que estamos observando em nosso planeta.

“O NAO é um ciclo que vem ocorrendo há séculos”, disse Willis. “Não há evidências de que ele ou outros ciclos climáticos, como a Oscilação Decadal do Pacífico ou El Niño, parem. A última vez que o NAO mudou para uma fase quente foi entre meados e início dos anos 90. Portanto, esperamos que ele mude novamente, em algum momento entre agora e os próximos 15 anos. Essa é uma das razões pelas quais estudos como OMG são tão importantes. No final do dia, a Groenlândia ainda está perdendo gelo, outras geleiras da Groenlândia ainda estão recuando e os oceanos estão esquentando. ”

O ponto principal de Jakobshavn é que ele ainda é um dos principais contribuintes para a elevação do nível do mar e continua a perder mais massa de gelo do que está ganhando.

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 22/10/2019

Emergência Climática – Porque uma geleira da Groenlândia em crescimento não significa boas notícias para o aquecimento global, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 23/10/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/10/23/emergencia-climatica-porque-uma-geleira-da-groenlandia-em-crescimento-nao-significa-boas-noticias-para-o-aquecimento-global/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top