Emergência Climática – As geleiras peruanas estão desaparecendo em ritmo alarmante

 

Em certas cadeias de montanhas nos Andes, como a Cordilheira Blanca, as geleiras estão se retirando a uma taxa acelerada desde os anos 80.

Friedrich-Alexander-Universität*

É do conhecimento geral que as geleiras estão derretendo na maioria das áreas do mundo. A velocidade com que as geleiras tropicais nos Andes peruanos estão recuando é particularmente alarmante, no entanto. 

Na primeira investigação detalhada de todas as cadeias de montanhas do Peru, uma equipe de pesquisa da Friedrich-Alexander-Universität Erlangen-Nürnberg (FAU) constatou uma redução drástica de quase 30% na área coberta por geleiras entre 2000 e 2016. A equipe também observou que as atividades do El Niño tiveram um efeito significativo no estado das geleiras. Seus resultados foram publicados na revista ‘The Cryosphere’ (DOI: 10.5194 / tc-13-2537-2019 ).

Geleiras tropicais existem ao redor do equador em altitudes acima de 4000 metros. O Peru é o lar de 92% de todas as áreas cobertas por geleiras nos trópicos. Devido à sua localização geográfica, as geleiras tropicais são particularmente sensíveis às flutuações e mudanças no clima. Em certas cadeias de montanhas nos Andes, como a Cordilheira Blanca, as geleiras estão se retirando a uma taxa acelerada desde os anos 80. Medições do balanço de massa de geleiras individuais também mostraram uma perda significativa de gelo.

Primeiras medições em toda a região

Até agora, não havia nenhuma medição uniforme e em toda a região de mudanças na massa e na área das geleiras no Peru. Uma equipe de pesquisadores liderada pelo Dr. Thorsten Seehaus, Instituto de Geografia da FAU, trabalhou em conjunto com colegas do Peru para medir as mudanças nas geleiras nos Andes peruanos entre 2000 e 2016 usando dados de satélite. Os geógrafos mapearam as mudanças na extensão da geleira usando imagens do Landsat. Eles identificaram um recuo glacial de 29% durante o período de investigação. Um total de 170 das geleiras anteriores a 1973 desapareceu completamente, uma área aproximadamente equivalente a 80.000 campos de futebol. Além disso, eles observaram uma taxa de recuo no período de 2013 a 2016 quase quatro vezes maior do que nos anos anteriores.

Cordilheira Apolobamba

Cordilheira Apolobamba (imagem: Thorsten Seehaus)

Os pesquisadores também acompanharam mudanças no volume e na massa das geleiras usando imagens de satélite. Eles usaram dados da “Missão de topografia de radar de transporte” alemã-americana de 2000 e do satélite alemão TanDEM-X que está ativo desde 2010. Durante todo o período, eles identificaram uma perda de gelo de quase oito gigatoneladas. Isso equivale a aproximadamente 10% da massa de gelo existente ou a um volume de água equivalente a aproximadamente dois quilômetros cúbicos. Os pesquisadores observaram que a taxa de perda de massa de gelo após 2013 foi aproximadamente quatro vezes maior que nos anos anteriores.

A taxa consideravelmente maior de encolhimento nas geleiras entre 2013 e 2016, tanto em termos de área quanto de massa, se correlaciona com as intensas atividades do El Niño experimentadas na época, ou seja, correntes de água incomuns no Pacífico equatorial. As variações climáticas típicas desencadeadas pelo El Niño nos Andes peruanos são aumento da temperatura, redução da precipitação e atraso na estação chuvosa. Esses fatores levam ao aumento do derretimento glacial e explicam a maior taxa de perda de gelo observada.

Wamantay, Cordilheira Vilcabamba

Wamantay, Cordilheira Vilcabamba (imagem: Thorsten Seehaus)

Geleiras como fonte de água

As geleiras do Peru são uma fonte valiosa de água, pois armazenam a precipitação na forma de neve e gelo e a liberam novamente na forma de água derretida durante a estação seca e os períodos de seca. Eles têm uma contribuição valiosa para compensar os períodos secos e garantir que rios como o Rio Santa, na Cordilheira Blanca ou o Rio Vilcanota-Urubamba, na região ao redor de Cusco, continuem a fluir. O fornecimento de água potável, a irrigação de projetos agrícolas em larga escala e as usinas hidrelétricas dependem de um fornecimento contínuo e confiável de água. Portanto, as geleiras desempenham um papel socioeconômico importante na região. No entanto, as previsões prevêem que a quantidade máxima de água que pode ser obtida com o derretimento das geleiras já foi excedida em certas áreas dos Andes.

Menos gelo, riscos mais naturais

A retirada das geleiras também aumenta o risco de riscos naturais, como as ondas de inundação causadas pelas inundações glaciais dos lagos. O derretimento das geleiras leva à formação de lagos em áreas que antes eram cobertas por gelo. A água é frequentemente retida pelas antigas morenas terminais deixadas pela geleira. Se as avalanches de gelo ou rocha terminarem no lago ou o gelo no centro das morenas derreter ou se desgastar, a barragem poderá quebrar ou transbordar. Isso leva ao lago glacial que esvazia sem aviso prévio, enviando uma onda destrutiva de inundação pelo vale. Uma onda de inundação como essa destruiu um terço da cidade de Huaraz em 1941. Na Cordilheira Blanca, desastres naturais relacionados a geleiras mataram mais de 25.000 vítimas entre 1941 e 2003. Daqui resulta que o rastreamento de mudanças nas geleiras também é importante de uma civil ponto de vista de proteção.

Os resultados deste estudo fornecem uma base importante para prognósticos melhores e aprimorados de como se espera o desenvolvimento de geleiras, para o planejamento nacional de gerenciamento de água e avaliações globais de como as geleiras estão mudando.

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/10/2019

Emergência Climática – As geleiras peruanas estão desaparecendo em ritmo alarmante, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/10/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/10/10/emergencia-climatica-as-geleiras-peruanas-estao-desaparecendo-em-ritmo-alarmante/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top