Emergência Climática – Relatório do IPCC revela mudanças ‘sem precedentes’ nos oceanos e regiões congeladas

degelo no Ártico

 

O aquecimento global está transformando muito os oceanos e as regiões congeladas do planeta, e os níveis futuros de emissões determinarão quanto dano adicional ocorrerá neste século e além, mostra uma importante análise científica liderada pelas Nações Unidas.

Por Ben Geman*

Por que é importante: “O oceano é mais quente, mais ácido e menos produtivo. O derretimento das geleiras e camadas de gelo está causando o aumento do nível do mar e os eventos extremos costeiros estão ficando mais severos”, disse o Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (IPCC). declaração ao lado do relatório de quarta-feira .

Por que você ouvirá sobre isso novamente: análises periódicas de grandes grupos de cientistas convocados pelo IPCC fornecem uma referência para formuladores de políticas, diplomatas e advogados.

  • O relatório chega em um momento de foco político no aquecimento global nos EUA e mais amplamente – atenção dirigida pela eleição presidencial dos EUA, onde os candidatos democratas estão pressionando planos agressivos e o movimento climático mundial liderado por jovens .

O quadro geral: o relatório avalia as apostas de mais de 1,3 bilhão de pessoas que vivem em regiões costeiras baixas ou áreas de alta montanha, bem como espécies animais e ecossistemas.

  • De maneira mais ampla, os oceanos e a criosfera – permafrost, gelo marinho, geleiras e assim por diante – estão “interconectados com outros componentes do sistema climático”.

Onde está: O relatório constata “encolhimento generalizado” da criosfera nas últimas décadas devido ao aquecimento global, incluindo:

  • camada de gelo da Groenlândia perdeu massa a uma taxa média de 278 bilhões de toneladas por ano entre 2006 e 2015.

  • Junho O alcance da cobertura de neve do Ártico em terra caiu cerca de 2,5 milhões de quilômetros entre 1967 e 2018.

  • A cobertura de gelo marinho do Ártico em setembro, o tempo mínimo anual, provavelmente caiu cerca de 13% por década entre 1979 e 2018. “Essas mudanças no gelo do mar em setembro provavelmente não têm precedentes há pelo menos 1000 anos”, observa.

Quando se trata de oceanos , a taxa de aquecimento provavelmente mais que dobrou desde 1993. O aumento médio do nível do mar em 2006-2015 é muito provável de 3,1 a 4,1 milímetros por ano, o que é “sem precedentes no último século”.

Onde está: O relatório faz um balanço de muitos danos já ocorridos para seres humanos e outras espécies devido a mudanças induzidas pelo aquecimento.

  • Exemplos incluem ondas de calor marinhas que causam branqueamento de coral em larga escala; contratação de habitat para certos mamíferos e aves devido à perda de gelo no mar; e aumento do nível do mar, contribuindo para uma variedade de danos costeiros.

  • Desde meados do século 20, a criosfera em encolhimento nas regiões ártica e alta montanha trouxe efeitos “predominantemente negativos” sobre segurança alimentar, qualidade da água, infraestrutura e muito mais, segundo o relatório.

O que vem a seguir: mudanças contínuas são inevitáveis, mas a extensão final depende de quanto e quanto as nações são capazes de controlar o aumento das emissões de gases de efeito estufa.

  • Por exemplo, estima-se que a perda de massa da geleira em 2100 seja aproximadamente duas vezes maior se as emissões subirem por décadas, trazendo níveis de aquecimento muito altos, em comparação com um cenário em que as emissões atingem seu pico rapidamente e caem acentuadamente ao longo do século.

  • A elevação do nível do mar continuará e poderá chegar a 30-60 centímetros até 2100, mesmo que as emissões caiam acentuadamente e a elevação da temperatura seja mantida bem abaixo de 2 ° C (a meta do acordo climático de Paris ), mas alcance 60-110cm, ou até 3,6 pés “, se as emissões de gases de efeito estufa continuarem a aumentar fortemente”, observa um resumo.

Conclusão: “Se reduzirmos as emissões bruscamente, as consequências para as pessoas e seus meios de subsistência ainda serão desafiadoras, mas potencialmente mais gerenciáveis ​​para as pessoas mais vulneráveis”, afirmou Hoesung Lee, presidente do IPCC, em comunicado.

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 25/09/2019

Emergência Climática – Relatório do IPCC revela mudanças ‘sem precedentes’ nos oceanos e regiões congeladas, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 25/09/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/09/25/emergencia-climatica-relatorio-do-ipcc-revela-mudancas-sem-precedentes-nos-oceanos-e-regioes-congeladas/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Emergência Climática – Relatório do IPCC revela mudanças ‘sem precedentes’ nos oceanos e regiões congeladas

  1. Eu li em algum estudo sério (perdi a referência exata), publicado no “Le Monde Diplomatique” que existe um cenário extremo, de aumento da temperatura entre 5-6 graus Celsius. Nesse caso, segundo o artigo, haveria desertificação em mais de um terço da Terra, com escassez crônica de alimentos e deslocamentos em massa, com, inclusive, morte de mais de um quarto da população devido aos efeitos diretos e indiretos do aquecimento… Algo verdadeiramente tétrico !!!!

Deixe uma resposta

Top