Aumento da temperatura do mar e o excesso de pesca afetam os níveis de mercúrio nos peixes

 

Adicionar outro item à lista cada vez maior dos impactos perigosos da mudança climática global: os oceanos aquecidos estão levando a um aumento do metilmercurio neurotóxico prejudicial em pescas populares, incluindo bacalhau, atum rabilho do Atlântico e espadarte, segundo pesquisa liderada pela Harvard. John A. Paulson Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas (SEAS) e da Escola de Saúde Pública Harv Chan TH (HSPH).

Por Leah Burrows * **

Os pesquisadores desenvolveram um modelo abrangente e abrangente que simula como os fatores ambientais, incluindo o aumento da temperatura do mar e a sobrepesca, afetam os níveis de metilmercúrio nos peixes. Os pesquisadores descobriram que, embora a regulamentação das emissões de mercúrio tenha reduzido com sucesso os níveis de metilmercúrio nos peixes, as temperaturas mais altas estão fazendo com que esses níveis voltem a subir e terão um papel importante nos níveis de metilmercúrio da vida marinha no futuro.

“Esta pesquisa é um grande avanço na compreensão de como e por que os predadores oceânicos, como o atum e o espadarte, estão acumulando mercúrio”, disse Elsie Sunderland, professor de Química Ambiental da SEAS e HSPH e principal autor do estudo.

Há muito se sabe que o metilmercúrio, um tipo de mercúrio orgânico, se bioacumula nas teias alimentares, ou seja, organismos no topo da cadeia alimentar têm níveis mais altos de metilmercúrio do que aqueles na parte inferior. Mas, para entender todos os fatores que influenciam o processo, você precisa entender como os peixes vivem.

Se você já teve um peixinho dourado, sabe que o peixe faz duas coisas: comer e nadar. O que comem, o quanto comem e quanto nadam afetam a quantidade de peixe de metilmercúrio que se acumula na natureza.

Vamos começar com o que os peixes comem.

Os pesquisadores coletaram e analisaram 30 anos de dados do ecossistema do Golfo do Maine, incluindo uma extensa análise do conteúdo estomacal de dois predadores marinhos, bacalhau do Atlântico e cações espinhosos dos anos 1970 a 2000.

Os pesquisadores modelaram os níveis de metilmercúrio em bacalhau com base em sua dieta e os resultados indicaram que os níveis foram 6 a 20 por cento menores em 1970 do que em 2000. Concentrações modeladas de metilmercúrio em cações espinhosas, no entanto, foram 33 a 61 por cento maior em 1970 comparado com 2000 apesar de viver no mesmo ecossistema e ocupar um lugar semelhante na cadeia alimentar. O que explica essas diferenças?

Na década de 1970, o Golfo do Maine estava experimentando uma perda dramática na população de arenque devido à sobrepesca. Tanto o bacalhau como o espinhoso comem o arenque. Sem isso, cada um se voltou para um substituto diferente. Bacalhau com outros peixes pequenos, como sardinhas e sardinhas (arenque pequeno), que são baixos em metilmercúrio. O cação espinhoso, no entanto, substituiu o arenque por alimentos mais ricos em metilmercúrio como lulas e outros cefalópodes.

Quando a população de arenque se recuperou em 2000, o bacalhau voltou a ter uma dieta mais rica em metilmercúrio, enquanto o cação espinhoso reverteu para uma dieta mais baixa em metilmercúrio.

Há outro fator que afeta o que os peixes comem: o tamanho da boca.

Ao contrário dos humanos, os peixes não podem mastigar – então a maioria dos peixes só pode comer o que se encaixa na boca. No entanto, existem algumas exceções. Os cefalópodes capturam presas com seus tentáculos e usam seus bicos afiados para arrancar bocados.

“Sempre houve um problema na modelagem dos níveis de metilmercúrio em organismos como cefalópodes e espadarte porque eles não seguem padrões típicos de bioacumulação com base em seu tamanho”, disse Sunderland. “Seus padrões únicos de alimentação significam que eles podem comer presas maiores, o que significa que eles estão comendo coisas que bioacumulam mais metilmercúrio. Nós conseguimos representá-lo em nosso modelo.”

Mas o que os peixes comem não é a única coisa que afeta seus níveis de metilmercúrio.

Quando a Schartup estava desenvolvendo o modelo, ela estava tendo problemas para explicar os níveis de metilmercúrio no atum, que estão entre os mais altos de todos os peixes marinhos. Seu lugar no topo da cadeia alimentar é responsável por parte disso, mas não explica totalmente o quão altos são seus níveis. Schartup resolveu esse mistério com inspiração de uma fonte improvável: o nadador Michael Phelps.

“Eu estava assistindo os Jogos Olímpicos e os comentaristas de TV estavam falando sobre como Michael Phelps consome 12.000 calorias por dia durante a competição”, lembrou Schartup. “Eu pensei, isso é seis vezes mais calorias do que eu consumo. Se fôssemos peixes, ele seria exposto a seis vezes mais metilmercúrio do que eu.”

Acontece que os caçadores de alta velocidade e os peixes migratórios consomem muito mais energia do que outros peixes, o que requer que eles consumam mais calorias.

“Esses peixes do estilo Michael Phelps comem muito mais pelo seu tamanho, mas, porque eles nadam tanto, eles não têm um crescimento compensatório que dilui a carga corporal. Então, você pode modelar isso como uma função”, disse Schartup.

Outro fator que entra em jogo é a temperatura da água;. À medida que as águas se aquecem, os peixes usam mais energia para nadar, o que requer mais calorias.

O Golfo do Maine é um dos corpos de água mais rápidos do mundo. Os pesquisadores descobriram que entre 2012 e 2017, os níveis de metilmercúrio no atum-rabilho do Atlântico aumentaram 3,5 por cento ao ano, apesar da diminuição das emissões de mercúrio.

Com base em seu modelo, os pesquisadores preveem que um aumento de 1 grau Celsius na temperatura da água do mar em relação ao ano 2000 levaria a um aumento de 32% nos níveis de metilmercúrio no bacalhau e um aumento de 70% no cação espinhoso.

O modelo permite que os pesquisadores simulem diferentes cenários de uma só vez. Por exemplo:

Um aumento de 1 grau na temperatura da água do mar e uma redução de 20% nas emissões de mercúrio resultam em aumentos nos níveis de metilmercúrio de 10% nos níveis de bacalhau e 20% nos cações espinhosas.

Um aumento de 1 grau na temperatura da água do mar e um colapso na população de arenque resultam em um decréscimo de 10% nos níveis de metilmercúrio no bacalhau e um aumento de 70% nos cações espinhosas.

Uma redução de 20% nas emissões, sem alteração nos níveis de água do mar, diminui os níveis de metilmercúrio em bacalhau e cação espinhosa em 20%.

 

* Com informações da Harvard John A. Paulson School of Engineering and Applied Sciences (SEAS)

** Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

Aumento da temperatura do mar e o excesso de pesca afetam os níveis de mercúrio nos peixes

 

Referência: Amina Schartup, Elsie Sunderland et al. “Climate change and overfishing increase neurotoxicant in marine predators”. Nature (7 de agosto de 2019). DOI: 10.1038/s41586-019-1468-9
http://dx.doi.org/10.1038/s41586-019-1468-9
, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 20/08/2019

Aumento da temperatura do mar e o excesso de pesca afetam os níveis de mercúrio nos peixes, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 20/08/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/08/20/aumento-da-temperatura-do-mar-e-o-excesso-de-pesca-afetam-os-niveis-de-mercurio-nos-peixes/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top