Poluente ligado à mudança climática acelera o desenvolvimento de enfisema e o declínio da função pulmonar

 

poluição

 

Em resumo

A exposição prolongada a poluentes atmosféricos externos, especialmente o ozônio, acelera o desenvolvimento de enfisema e o declínio da função pulmonar relacionado à idade, mesmo entre pessoas que nunca fumaram, de acordo com um estudo publicado no Journal of American Medical Association.

As descobertas podem ajudar a explicar por que o enfisema, uma doença pulmonar crônica, é relativamente comum em não fumantes.

Columbia University*

Introdução

Doença respiratória crônica inferior – um termo genérico para enfisema, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), bronquite crônica e asma – é a quarta principal causa de morte nos Estados Unidos e a terceira principal causa de morte em todo o mundo. A exposição a curto prazo aos poluentes atmosféricos é um importante fator de risco para a saúde pulmonar deficiente. Mas os efeitos a longo prazo dos poluentes do ar nos pulmões não são bem compreendidos.

Detalhes do estudo

O estudo, o maior e mais extenso de seu tipo, analisou se as exposições a quatro dos principais poluentes – ozônio subterrâneo, partículas finas, óxido de nitrogênio e carbono negro – estavam associadas ao desenvolvimento de enfisema, medido por tomografia computadorizada, e declínio da função pulmonar, medido pela espirometria. (O ozono ao nível do solo prejudica a saúde humana, mas o ozono elevado na atmosfera protege contra os nocivos raios ultravioleta do sol.)

O estudo incluiu mais de 7.000 adultos (idades entre 45 e 84 anos) residentes em Chicago, Los Angeles, Baltimore, São Paulo, Nova York e Winston-Salem, que participavam do Estudo Multiétnico de Poluição do Ar com Aterosclerose (MESA). Air) e estudos MESA Lung. Os participantes foram acompanhados por uma média de 10 anos. Os níveis de poluentes do ar foram estimados no endereço residencial de cada participante.

Poluentes ligados ao Enfisema

Os pesquisadores descobriram que a exposição a cada um dos poluentes no início do estudo estava independentemente ligada ao desenvolvimento de enfisema durante o período do estudo. A associação mais forte foi observada com o ozônio. Apenas o ozônio, no início e durante o acompanhamento, foi associado a um declínio na função pulmonar.

Concentrações ambientais de partículas finas e óxido nitroso, mas não de ozônio, diminuíram significativamente durante o período do estudo.

“O aumento do enfisema que observamos foi relativamente grande, semelhante ao dano pulmonar causado por 29 maços por ano de tabagismo e três anos de envelhecimento”, disse R. Graham Barr, MD, DrPH, o professor de Medicina e Epidemiologia de Hamilton Southworth em Universidade de Columbia e um autor sênior do papel. (Um maço de ano equivale a fumar um maço por dia durante um ano.)

O que o estudo significa

“Essas descobertas são importantes, uma vez que os níveis de ozônio no nível do solo estão aumentando e a quantidade de enfisema na tomografia computadorizada prediz a hospitalização e as mortes por doenças respiratórias baixas crônicas”, diz Barr.

“O ozônio no nível do solo é produzido quando a luz UV reage com os poluentes dos combustíveis fósseis”, acrescenta Barr. “Esse processo é acelerado por ondas de calor, então o ozônio ao nível do solo provavelmente continuará a aumentar, a menos que medidas adicionais sejam tomadas para reduzir as emissões de combustíveis fósseis e reduzir as mudanças climáticas. Mas não está claro qual nível de ozônio, se algum, é seguro para a saúde humana. ”

Referência:

Wang M, Aaron CP, Madrigano J, et al. Association Between Long-term Exposure to Ambient Air Pollution and Change in Quantitatively Assessed Emphysema and Lung Function. JAMA. 2019;322(6):546–556. doi:10.1001/jama.2019.10255
https://jamanetwork.com/journals/jama/article-abstract/2747669

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/08/2019

Poluente ligado à mudança climática acelera o desenvolvimento de enfisema e o declínio da função pulmonar, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 15/08/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/08/15/poluente-ligado-a-mudanca-climatica-acelera-o-desenvolvimento-de-enfisema-e-o-declinio-da-funcao-pulmonar/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top