Altas concentrações de chumbo são encontradas na vida selvagem da Amazônia peruana

 

Pesquisadores da UAB e da UIC-UVic detectam altos níveis de concentração de chumbo em amostras de animais selvagens da Amazônia peruana, causadas por munições à base de chumbo e poluição relacionada ao petróleo em áreas de extração.

Universitat Autònoma de Barcelona*

 

Eliseo Hualinga, monitor ambiental de FECONACOR
Eliseo Hualinga, monitor ambiental de FECONACOR

 

É nos países industrializados e nas regiões do mundo onde se encontram as maiores concentrações de chumbo, o metal acumulativo neurotóxico mais difundido do mundo. Assim, presumia-se que a Amazônia, a maior extensão de floresta tropical do mundo com os mais altos níveis de diversidade cultural e biocultural, contivesse uma pequena quantidade de contaminantes urbanos ou industriais devido a seu afastamento e baixo impacto humano.

Um grupo de pesquisadores do Instituto de Ciência e Tecnologia Ambiental e do Departamento de Sanidade e Anatomia Animal da Universitat Autònoma de Barcelona (ICTA-UAB) e da Universidade Central da Catalunha / Universidade de Vic, pela primeira vez avaliaram as concentrações de chumbo e impressões digitais isotópicas em vida selvagem livre em áreas remotas da Amazônia peruana. Para o estudo, amostras de fígado foram coletadas de 315 animais de 18 espécies diferentes, caçados para alimentação por povos indígenas locais (Quechua, Achuar e Yagua). Estas áreas em estudo são muito remotas e acessíveis apenas após uma viagem de barco de 4 a 5 dias ao longo dos rios locais. Algumas dessas áreas também estão localizadas na segunda concessão de petróleo mais produtiva do país, operando desde a década de 1970.

Altas concentrações de chumbo foram encontradas nos fígados de mamíferos e aves selvagens da Amazônia, animais que são consumidos diariamente pela população indígena local. Estes valores são superiores aos observados entre animais silvestres encontrados em países industrializados. A presença deste inesperado alto nível de chumbo na vida selvagem amazônica representa um risco para a saúde da população local, que depende da caça de subsistência.

Metade de todas as amostras analisadas continha mais de 0,5 miligramas por quilo que a regulamentação europeia considera ser o limite para o consumo humano de entranhas de animais, e 91% continha mais do que 0,1 miligramas considerados um nível adequado para consumo humano de carne em geral. Um risco muito elevado para a população, tendo em conta que quase trinta das amostras analisadas continham níveis muito mais elevados de chumbo.

Os pesquisadores também demonstraram que as principais fontes de chumbo são o uso prolongado de munições à base de chumbo, bem como a poluição relacionada à extração de petróleo. De fato, a munição à base de chumbo pode ser um problema subestimado em todo o continente da América do Sul. Estes resultados sugerem que o chumbo entrou na cadeia trófica em áreas onde a população humana depende da caça de subsistência. Assim, não é provável que seja um problema único, mas que afeta os povos indígenas em todo o mundo que usam munição baseada em chumbo.

Além disso, o fato de ter encontrado chumbo relacionado ao petróleo na vida selvagem sugere que outros compostos tóxicos relacionados às atividades petrolíferas também podem ter entrado na cadeia trófica. De fato, no norte da Amazônia peruana, as atividades de extração de petróleo geraram um impacto ambiental importante através do derramamento diário de águas residuárias ricas em chumbo para o meio ambiente.

Devido à alta dependência dos povos indígenas globalmente na caça de subsistência e no uso prolongado de munições à base de chumbo, juntamente com o avanço das atividades de petróleo nas florestas tropicais (reservas de petróleo e gás se sobrepõem a 30% das florestas tropicais do mundo), esses resultados revelam um risco importante para a saúde da conservação da vida selvagem tropical e para comunidades humanas locais, dependendo desses animais como sua principal fonte de proteína.

Finalmente, o estudo ilustra ainda como as áreas naturais remotas também contêm uma outra pegada antropogênica onipresente. Isso pode ser estendido por todo o ecossistema da Amazônia e outras florestas tropicais ao redor do mundo, ilustrando como o impacto humano atinge mais do que o normal, e a expansão de contaminantes antropogênicos dos centros industriais para as áreas mais remotas do planeta.

Referência:

Cartró-Sabaté, M., Mayor, P., Orta-Martínez, M., Rosell-Melé, A. Anthropogenic lead in Amazonian wildlife. Nature Sustainability. 2019. doi.org/10.1038/s41893-019-0338-7
http://dx.doi.org/10.1038/s41893-019-0338-7

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, Ecodebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 06/08/2019

Altas concentrações de chumbo são encontradas na vida selvagem da Amazônia peruana, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 7/08/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/08/07/altas-concentracoes-de-chumbo-sao-encontradas-na-vida-selvagem-da-amazonia-peruana/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top