Recifes de coral podem não sobreviver à acidificação dos oceanos

 

O estudo foi conduzido por pesquisadores do Centro de Excelência ARC de Coral Reef Studies (Coral CoE). Seus resultados sugerem que alguns corais e algas coralinas – a “cola” que mantém os recifes juntos – não podem sobreviver aos esperados oceanos mais ácidos causados pela mudança climática .

ARC Centre of Excellence for Coral Reef Studies*

“Os resultados validam pesquisas anteriores sobre ameaças de acidificação dos oceanos aos recifes de corais”, disse o principal autor do estudo, Dr. Steeve Comeau, que atualmente trabalha no Laboratório de Océantropia de Villefranche sur Mer da Sorbonne Université CNRS, na França.

Co-autor Prof Malcolm McCulloch, de Coral CoE na Universidade da Austrália Ocidental, disse que os pesquisadores examinaram o líquido calcificante de quatro espécies de coral e dois tipos de algas coralinas, sob uma simulação de um ano de duração.

“Os efeitos sobre o fluido calcificante foram rápidos e persistiram durante todo o ano”, disse o professor McCulloch.

O co-autor Dr. Chris Cornwall, agora na Universidade Victoria de Wellington na Nova Zelândia, explicou que as algas coralinas cimentam os recifes, agindo como uma espécie de fundação e terreno fértil para muitas espécies desde os pólos até os trópicos.

“Declínios em algas coralinas podem levar à perda de espécies marinhas importantes que usam as algas como viveiro”, explicou ele.

“Os resultados também confirmam que a acidificação dos oceanos pode ter repercussões na competição entre espécies. Isso pode afetar a função ecológica dos recifes ”, acrescentou Comeau.

Ele disse que a equipe encontrou duas espécies de corais resistentes à acidificação dos oceanos. No entanto, estes são os corais que eram resistentes desde o início.

“Isso indica que eles já tinham um mecanismo embutido que os tornava resistentes”, explicou ele, “enquanto os corais sensíveis foram afetados desde o início e não foram capazes de se aclimatar”.

O estudo sugere que a composição e a função dos futuros recifes – se eles sobreviverem às mudanças climáticas – serão muito diferentes do que vemos hoje.

Algas coralinas Crustose entre algas marrons, ilha de Rottnest. Crédito: Chris Cornwall
Algas coralinas Crustose entre algas marrons, ilha de Rottnest. Crédito: Chris Cornwall

Referência:

Comeau S, Cornwall C, DeCarlo T, Doo S, Carpenter R, McCulloch M (2019). ‘Resistance to ocean acidification in coral reef taxa is not gained by acclimatization’. Nature Climate Change. DOI: 10.1038/s41558-019-0486-9
https://www.nature.com/articles/s41558-019-0486-9

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/05/2019

Recifes de coral podem não sobreviver à acidificação dos oceanos

, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/05/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/05/30/recifes-de-coral-podem-nao-sobreviver-a-acidificacao-dos-oceanos/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “

Recifes de coral podem não sobreviver à acidificação dos oceanos

Comentários encerrados.

Top