A minoria infame de 2018 – O 1% mais rico da humanidade supera, hoje, a riqueza de 99% de seus semelhantes; análise de Luiz Marques (IFCH/Unicamp)

 

Jornal da UNICAMP
TEXTO LUIZ MARQUES
FOTOS REPRODUÇÃO: WIKIPEDIA.ORG | WILSON DIAS | AB
EDIÇÃO DE IMAGEM LUIS PAULO SILVA

 

O 1% mais rico da humanidade supera, hoje, a riqueza de 99% de seus semelhantes

Em 2010, 388 bilionários detinham tanta riqueza quanto a detida pela metade mais pobre da humanidade. Em 2017, esse número de bilionários caiu para 42 [1] e em 2018, para 26. [2] Nos EUA, a situação é ainda pior: 3 bilionários igualam em riqueza os 50% mais pobres do pais, cerca de 160 milhões de pessoas.

Em 2017, havia 2.043 pessoas com mais de um bilhão de dólares no mundo e a riqueza desses bilionários aumentou nesse ano US$ 762 bilhões. Em 2018, os bilionários viram sua fortuna aumentar outros US$ 900 bilhões, cerca de 2,5 bilhões por dia. [3] Na base da pirâmide da riqueza mundial, quase metade da população global, 3,4 bilhões de pessoas, subsiste com até US$ 5,5 por dia.

O 1% mais rico da humanidade supera, hoje, a riqueza de 99% de seus semelhantes. Em 2017, esse 1% embolsou 82% do crescimento da riqueza global, enquanto os 50% mais pobres da humanidade receberam 0% dele. [4] O fenômeno da desigualdade crescente a partir da ofensiva vitoriosa das corporações e do capital financeiro iniciada nos anos 1980 foi objeto de análises aprofundadas de parte de Paul Krugman, Joseph Stiglitz e Thomas Piketty, entre muitos outros. Mas bastam os números acima, compilados pela Oxfam, para encerrar qualquer dúvida residual sobre as chances do capitalismo globalizado diminuir doravante a desigualdade e gerar prosperidade para segmentos crescentes da humanidade.

Brasil

O caso brasileiro é o que oferece, ao menos no contexto do G20, a mais repugnante caricatura dessa desigualdade crescente e inaudita na história da humanidade. Entre os países com dados disponíveis, o Brasil é o que mais concentra renda no 1% mais rico da população. [5]Um índice, entre muitos outros, dá uma ideia da envergadura dessa desigualdade: a esperança de vida nos bairros ricos de São Paulo é de 79 anos; nos bairros mais pobres, de 54 anos. [6]

Analisemos rapidamente os resultados eleitorais de 2018 e as recentes pesquisas sobre a queda da popularidade de Bolsonaro à luz dessa monstruosidade. Superando Haddad, que obteve 46,9 milhões de votos (44,8% dos votos válidos), Bolsonaro foi eleito presidente com 57,7 milhões de votos, vale dizer, 55,2% dos votos válidos e 39,3% do total dos 147,3 milhões de eleitores. Mais de 60% dos eleitores brasileiros – abrangendo os que votaram em Haddad, os que anularam seus votos, os que justificaram sua ausência e os que nem compareceram a qualquer distrito eleitoral para se justificar – não votou em Bolsonaro.

Os eleitores do atual presidente distribuem-se, é claro, por todas as classes de renda da sociedade brasileira. Mas essa distribuição é muito desigual. Percentualmente, a grande maioria deles, a que realmente acabou decidindo o resultado, é composta pelos que têm renda mensal superior a R$ 4.770,00, isto é, a cinco salários mínimos (S.M.). Esses, segundo o IBGE, ganham mais que 93% dos brasileiros. Uma pesquisa de intenção de voto divulgada às vésperas das eleições pelo IBOPE, por encomenda do jornal O Estado de São Paulo, mostra que 65% das pessoas com renda superior a cinco S.M., ou seja, as camadas de renda média e alta da sociedade brasileira, declararam sua intenção de voto em Bolsonaro, contra apenas 27%, em Haddad. Este tinha, por outro lado, a preferência de 52% da população com renda de até 1 S.M., contra apenas 36% em favor de Bolsonaro. [7] Se dependesse apenas da minoria com renda superior a cinco S.M., Jair Bolsonaro teria sido eleito já no primeiro turno, conforme pesquisa do Datafolha [8]. Por outro lado, na região do Brasil que concentra maior pobreza, o Nordeste, Bolsonaro foi derrotado. É claro, portanto, que embora a crise econômica, o desemprego e a perda de apoio popular do PT (et pour cause…) tenham sido as causas maiores da derrota de Haddad, o fator decisivo que garantiu a Bolsonaro essa margem de 5,2% de maioria dos votos válidos foi o apoio maciço dos setores da população com renda superior a cinco S.M.: 65% das intenções de voto a seu favor, como visto acima.

A queda vertiginosa

Não se pode dizer que o governo eleito esteja sob o fogo de uma oposição articulada. É na própria corda que ele está se enforcando, fato que já se reflete de modo inequívoco nas avaliações de seu desempenho. Em 20 de março último, o Ibope revelou uma queda generalizada e vertiginosa do apoio da sociedade a Bolsonaro: na média, 15% de queda de popularidade, em apenas dois meses e meio de governo, um recorde histórico de queda comparado a todos os governos eleitos após o fim da ditadura. De fato, o governo atual despencou de 49% de expectativas de “ótimo e bom” em janeiro, para uma avaliação positiva, em março, de apenas 34%. [9] Essa queda foi, contudo, menor entre as pessoas que ganham mais que 93% da população brasileira (renda igual ou superior a cinco S.M.). Aqui, houve uma queda de apenas 8% (57% de ótimo e bom em janeiro; 49% em 20 de março). [10] A queda continua, conforme a última pesquisa do Datafolha, divulgada em 7 de abril, isto é, 18 dias apenas após a de março. Na média, a aprovação de ótimo e bom caiu 17%, de 49% em janeiro para 32% em inícios de abril. Essa queda se constata mesmo entre os que ganham mais de cinco S.M. Em 20 de março, como visto, 49% desse setor de renda média e alta ainda avaliava o governo como ótimo e bom. Hoje, 43% dentre os situados na faixa de renda entre cinco e dez S.M ainda mantém essa avaliação e entre os que ganham mais de dez S.M., a avaliação é similar. [11]

A infâmia

Essa porcentagem de pouco mais de 40% da população cuja renda mensal excede cinco S.M., e que ainda considera seu governo ótimo e bom, constitui a parte mais estável do lastro social de Bolsonaro. Aqui reside a infâmia. Esse é o setor com maior escolaridade da sociedade brasileira. Segundo o IBGE, apenas 15% dos adultos no país possuem ensino superior completo e entre essa minoria 66% declararam sua intenção de voto em favor do atual presidente eleito, conforme a pesquisa do Ibope acima citada. Essa fração dos eleitores de Bolsonaro, situada no topo da pirâmide da renda e da escolaridade, é supostamente a que detém melhor acesso à informação analítica e de qualidade, seja através da imprensa escrita, seja através de literatura especializada ou de divulgação científica. É implausível que sua escolha política tenha sido manipulada, como foi o caso de muitos jovens, vítimas dos tuítes e das fake & hate news, disseminados nas redes sociais por algoritmos replicantes.

Não. Esse segmento de adultos mais escolarizados não foi manipulado. Jamais ignorou a caixa de Pandora que seu voto abriria. Essa “elite” sabia claramente – em todo o caso sua maior escolaridade não lhe dá o direito moral de ignorar – o que estava em jogo. Sabia o essencial, o mais importante, isto é, que, com a vitória de Bolsonaro, o agronegócio impeliria ainda mais rapidamente o Brasil e o mundo na direção de um colapso socioambiental. E se não sabia, não foi por falta de declarações explícitas do próprio Bolsonaro, pois este nunca fez segredo de sua hostilidade em relação à conservação da cobertura florestal brasileira. E a imprensa tampouco foi avara em divulgar essa hostilidade. Para Bolsonaro, ao tentar conter o desmatamento, o Ministério do Meio Ambiente, seus órgãos e seus funcionários “prejudicam aqueles que querem produzir”. Suas promessas de campanha incluíam flexibilizar o licenciamento ambiental, acabar com a “indústria das multas”, isto é, desmontar a legislação e a fiscalização coibidoras de crimes ambientais, rebaixar o Ministério do Meio Ambiente a uma posição de subserviência em relação ao agronegócio, bloquear a demarcação das terras indígenas, abri-las à grilagem, à mineração e ao agronegócio, e retirar o Brasil do Acordo de Paris, o que ele, na prática, já fez, ao negar sediar a COP25.

E o que todos previam já começou a se tornar realidade, a mais sombria realidade: a destruição da cobertura florestal do Cerrado e da Amazônia está em forte aceleração. Aqui há espaço apenas para os dados de perda florestal na Amazônia. Entre agosto de 2017 e julho de 2018, sob o governo de Michel Temer, trampolim para a conquista do poder pela extrema-direita, as florestas da Amazônia foram amputadas em 7.900 km2, ou seja, 13,7% a mais que em 2017. E já a expectativa de vitória de Bolsonaro, somada à sua vitória em outubro, fez com que cinco dos sete meses transcorridos entre agosto de 2018 e fevereiro de 2019 tenham sido de forte aumento do desmatamento na Amazônia, como mostra a Figura abaixo:

Reprodução
Comparação das áreas de desmatamento mensal na Amazônia entre 2018 e 2017 nos meses de agosto a dezembro, e entre 2018 e 2019 no meses de janeiro e fevereiro (km2)
Fonte: Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon (Instituto do Homem e do Meio Ambiente na Amazônia), conforme Daniele Bragança, “Desmatamento na Amazônia diminuiu em fevereiro, diz Imazon”. ((o))eco, 27/III/2019.

Embora em fevereiro tenha havido uma pausa nessa espiral da morte, se o desmatamento continuar nesse ritmo, prevê-se um aquecimento médio regional adicional da Amazônia de até 1,45oC até 2050, [12]com consequências letais para a floresta e para o clima em geral.

Esse aumento do desmatamento amazônico desde grosso modo 2013, e que está ganhando ainda mais tração nos últimos sete meses, é algo da mais extrema gravidade, inclusive para o sistema climático fora da Amazônia. Da evapotranspiração da floresta amazônica emanam os “rios voadores”, isto é, correntes de ar úmido que garantem a pluviosidade de inteiras regiões ao sul da floresta. Como explica Antônio Donato Nobre, do INPE: “Uma árvore amazônica, com uma copa de 20 metros, chega a colocar mil litros de água por dia na atmosfera. É um irrigador em reverso. Se você pensar que a Amazônia tem 400 bilhões de árvores de variados tamanhos, a quantidade de água que passa do solo para o ar, num dia, é de 20 trilhões de litros de água. O Rio Amazonas, que é o maior do mundo, joga no Atlântico, no mesmo período, 17 trilhões de litros de água”. [13] A umidade transportada por esses “rios voadores” é fundamental para a agricultura e para o abastecimento dos reservatórios em grande parte do Brasil e do sul da América do Sul. E Antônio Donato Nobre complementa:

“Se você pensar que a Amazônia já teve de 600 a 700 bilhões de árvores e hoje tem 400 bilhões, é de se preocupar. Se continuarmos nesse ritmo, o rio voador vai morrer. Eu comparo a floresta com uma bomba hidráulica. Se eu chego com uma marreta e arrebento a bomba, acabo com a irrigação da minha agricultura. Destruir floresta, destruir árvore, é quebrar a bomba que está irrigando o Brasil”.

É espantosa a indiferença dessa “elite” que votou em Bolsonaro em relação ao abismo em que seu voto, conscientemente, precipitou o Brasil. Ela sabe, é algo sabido de todos os que frequentaram boas escolas, que sobretudo o agronegócio, e em particular a pecuária, já suprimiu por corte raso, desde 1970, algo próximo de 800 mil km2 ou 20% da cobertura florestal da Amazônia Legal. Não desconhece as consequências trágicas desse desmatamento criminoso, feito à força de incêndios e correntes, para a biodiversidade e para a estabilidade climática do Brasil e do mundo. Sempre teve conhecimento, de uma forma ou de outra, da advertência que a FAO não se cansa de clamar aos quatro ventos: “Não podemos viver sem florestas”. [14] As florestas são estruturas comunitárias vivas, nas quais árvores e outras plantas, animais, fungos e micro-organismos reproduzem e interagem em vários modos. As florestas são reconhecidamente cruciais para a preservação do solo, a regulagem da água, os ciclos de nutrientes, o equilíbrio das trocas de gases na atmosfera, a qualidade do ar, a integridade dos ecossistemas e a estabilidade climática global. As florestas, lembra o Objetivo 15 dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, “são o lar de mais de 80% de todas as espécies de animais, plantas e insetos”, [15] incluindo a vasta maioria das espécies ameaçadas. Sem florestas, repita-se o óbvio, não apenas a espécie humana, mas a esmagadora maioria das formas pluricelulares de vida terrestre declina e, no limite, extingue-se. Para que serve o diploma universitário dos eleitores de Bolsonaro, se ignoram o que qualquer pessoa sem esse diploma sabe ou pode intuir, a saber que o destino das florestas mundiais e o destino da humanidade estão inextricavelmente ligados? Que em particular o destino dos brasileiros, inclusive o de sua “elite”, é indissociável do de suas florestas?

Na realidade, pouco importa a essa minoria que a sobrevivência da floresta amazônica esteja por um fio. Ela não se orienta, em geral, pelo consenso científico, mas pela expectativa de ganho imediato. Em 2014, Antônio Donato Nobre publicou um trabalho escrito numa linguagem acessível ao público não especializado, [16] mostrando que as secas de 2005 e de 2010 podiam já ser indícios de “fadiga” (p. 24) do imenso sistema florestal amazônico. Em fevereiro de 2018, Carlos Nobre e Thomas E. Lovejoy, outras duas autoridades científicas sobre a floresta amazônica, voltaram a esse ponto: [17]

“Acreditamos que sinergias negativas entre o desmatamento, as mudanças climáticas e o uso generalizado de incêndios indicam um ponto de inflexão no sistema amazônico em direção a ecossistemas não florestais, nas regiões leste, sul e central da Amazônia, tão logo atingidos 20% a 25% de desmatamento. A gravidade das secas de 2005, 2010 e 2015-2016 poderia representar as primeiras manifestações desse ponto de inflexão ecológico. Esses eventos, juntamente com as graves inundações de 2009, 2012 (e 2014 no Sudoeste da Amazônia), sugerem que todo o sistema está oscilando.”

O fim da Amazônia não é mais, portanto, uma eventualidade futura: 20% a 25% de destruição por corte raso da floresta amazônica é provavelmente o seu ponto crítico e 20% da floresta já foi destruída. Já adentramos a zona de perigo máximo, real e iminente. É perfeitamente plausível que os próximos quatro anos de desmatamento descontrolado da floresta, permitido e mesmo estimulado pelo governo Bolsonaro, precipite-a num processo de dieback, no qual ela se desequilibra e morre por si mesma, inexoravelmente.

A morte da floresta amazônica é o suicídio do país – de sua singular beleza natural, de sua cultura, de sua biodiversidade, de seu clima, de sua agricultura e de sua segurança alimentar e hídrica. E a responsabilidade por esse crime imenso não recai obviamente sobre os eleitores de Bolsonaro de mais baixa renda e escolaridade, acuados pela crise, pelo desemprego e pela decepção com o PT.  No banco dos réus estão apenas os que o saber não deteve, os que puxaram conscientemente o gatilho.

Por que o fizeram? É claro que não se pode desprezar o fator psicológico. A maioria das pessoas que compõem esses setores de renda média e alta sempre odiou o PT, partido no qual via, aliás erroneamente, uma ameaça ao nosso multissecular apartheid social: aeroportos lotados como rodoviárias e shopping centers pouco a pouco acessíveis a “estranhos”, eis algo intolerável… Mas enquanto a economia estava indo relativamente bem, esse ódio exprimia-se apenas em resmungos e sarcasmos. Com a crise econômica, ele explodiu com a força assustadora do desrecalque.

Muito mais importante, contudo, que o fator psicológico, é a percepção que a retórica de Bolsonaro parecia ir no sentido dos interesses econômicos dessa minoria. Pois esse eleitorado mais escolarizado de Bolsonaro é composto pelas pessoas que detêm o controle, e dele se beneficiam no imediato, sobre a especulação imobiliária e financeira, o sistema alimentar corporativo, o uso da terra, a mineração, a geração de lixo e sobre a parte do leão das emissões de gases de efeito estufa. Para esses, as cacofonias de Bolsonaro eram o preço a pagar pelas promessas de Paulo Guedes, que lhes soavam como música das esferas. Por causa do apoio maciço desses eleitores, Bolsonaro conquistou os 5,2% de margem de maioria, isto é, os cerca de 5,5 milhões de votos válidos de que necessitava para ser guindado à posição que hoje ocupa tão indignamente. Com Bolsonaro, a viabilidade da sociedade brasileira tornou-se hoje mais incerta que nunca. Graças ao seu voto, essa minoria infame condenou seus próprios filhos e netos a um futuro muito pior, pois o clima e a biodiversidade darão nesses quatro anos um passo de gigante em direção ao colapso.

Luiz Marques é professor livre-docente do Departamento de História do IFCH /Unicamp. Pela editora da Unicamp, publicou Giorgio Vasari, Vida de Michelangelo (1568), 2011 e Capitalismo e Colapso ambiental, 2015, 3aedição, 2018. Coordena a coleção Palavra da Arte, dedicada às fontes da historiografia artística, e participa com outros colegas do coletivo Crisálida, Crises SocioAmbientais Labor Interdisciplinar Debate & Atualização(crisalida.eco.br).

 


[1]Cf. Oxfam, “Reward work, not wealth”, janeiro de 2018.

[2] Cf. Oxfam, “Public good or private wealth”, janeiro de 2019

[3] Cf. Oxfam, “Public good or private wealth”, janeiro de 2019, p. 8

[4] Cf. Oxfam, “Reward work, not wealth”, janeiro de 2018.

[5] Cf. Rafael Georges & Katia Maia, “Brasil: a distância que nos une”. Oxfam Brasil, 25/IX/2017, p. 6

[6] Cf. Oxfam, “Reward work, not wealth”, cit., p. 19.

[7] Veja-se “Pesquisa Ibope de 23 de outubro [2018] para presidente por sexo, idade, escolaridade, renda, região, religião e cor”. G1, 24/I/2018.

[8] Cf. Débora Sögur Hous, “Entre os mais ricos, Bolsonaro ganharia no 1º turno, aponta Datafolha”. Folha de São Paulo, 5/X/2018.

[9] Cf. “Aprovação do governo Bolsonaro cai 15 pontos e vai a 34%, diz Ibope”. G1, 20/III/2019.

[10] Cf. André Singer, “Eleitores populares de Bolsonaro começam a pular do barco”. Folha de São Paulo, 23/III/2019.

[11] Cf. “32% aprovam e 30% desaprovam o governo Bolsonaro, diz Datafolha”. G1, 7/IV/2019.

[12] Cf. Jayme Prevedello et al., “Impacts of forestation and deforestation on local temperature across the globe”. Plos One, 20/III/2019.

[13] Cf. Lucas Cardoso e André Rosa, “No dia mundial da água especialistas do INPE alertam para a preservação de árvores”. G1, 22/III/2019.

[14] Cf. FAO, We can’t live without forests, 2014.

[15] Cf. UNDP, 2015: Transforming our world: the 2030 Agenda for Sustainable Development. “Goal 15: Sustainably manage forests, combat desertification, halt and reverse land degradation, halt biodiversity loss”. See also FAO, State of the World’s Forests, Rome, 2012, p. 25.

[16] Cf. Antônio Donato Nobre, “O futuro climático da Amazônia”.Relatório de Avaliação para a Articulación Regional Amazônica (ARA), 2014 (em rede).

[17] Cf. Thomas E. Lovejoy, Carlos Nobre, “Amazon Tipping Point” (Editorial). Science Advances, vol. 4, 2, 21/II/2018. O editorial em questão foi por mim comentado nesta coluna, cf. L. Marques, “Ponto crítico na Amazônia”. Jornal da Unicamp, 5/III/2018.

 

Análise enviada pelo Autor e republicada in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/04/2019

"A minoria infame de 2018 – O 1% mais rico da humanidade supera, hoje, a riqueza de 99% de seus semelhantes; análise de Luiz Marques (IFCH/Unicamp)," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/04/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/04/12/a-minoria-infame-de-2018-o-1-mais-rico-da-humanidade-supera-hoje-a-riqueza-de-99-de-seus-semelhantes-analise-de-luiz-marques-ifchunicamp/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “A minoria infame de 2018 – O 1% mais rico da humanidade supera, hoje, a riqueza de 99% de seus semelhantes; análise de Luiz Marques (IFCH/Unicamp)

  1. Perfeito… só faltou o detalhe de que os “milagres” de Paulo Guedes não devem sair, pois o verdadeiro posto Ipiranga de Bolsonaro é Olavo de Carvalho, ainda pior. Dá para notar isso na forma como Paulo Guedes (e Sérgio Moro) estão sendo desautorizados e em como Bolsonaro compra brigas espontâneas e contra os piores inimigos possíveis (por exemplo: que $#%& provocar o Rodrigo Maia logo após entregar a reforma da Previdência à Câmara) de forma a tornar quase impossível aprovar os projetos dos dois (cof cof ha ha ha) “superministros” (aliás, duvido que o Paulo Guedes continue ministro até o fim do governo. O Moro não sei, pois acho que ele ainda está com esperanças de ir para o Supremo, mas o Guedes em algum momento irá se cansar, e o momento parece estar se aproximando rápido).

    O povo que decidiu por Bolsonaro à revelia de qualquer sugestão decente (porque a escolha não era Bolsonaro ou PT. Tivemos um primeiro turno. Tinha candidatos decentes no primeiro turno. ) não votou só pelas promessas de Paulo Guedes não.

    Economia por economia, podiam ter escolhido João Amoedo, Geraldo Alckmin ou Álvaro Dias. A agenda do João Amoedo era mais liberal, inclusive. Se se dessem ao trabalho de ler os programas de governo (pedir demais, sei), podiam ter escolhido Marina (na parte econômica, o programa dela era mais liberal que o do Geraldo Alckmin. ).

    O que queriam era um candidato da supremacia branca. E são muitos os que estão admitindo isso em voz alta. São os mesmos que negam a ciência (pois nela a sua “especialeza” não é confirmada), por isso, que não dão a mínima para o aquecimento global ou para escolas decentes.

    Os que acharam que Paulo Guedes realmente apitaria alguma coisa estão pouco a pouco se decepcionando, e por isso a aprovação de Bolsonaro despencou tão rápido. Mas o que Bolsonaro era é algo que ele nunca escondeu.

Deixe uma resposta

Top