Um pequeno número de culturas está dominando globalmente e isso é uma má notícia para a agricultura sustentável

 

Um novo estudo sugere que, globalmente, estamos cultivando mais os mesmos tipos de culturas, e isso apresenta grandes desafios para a agricultura sustentável em escala global.

University of Toronto Scarborough*

 

Brasnorte, MT, Brasil: Árvore em meio a plantação de soja. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

 

O estudo, feito por uma equipe internacional de pesquisadores liderados pelo professor assistente Adam Martin, usou dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) para analisar quais plantações foram cultivadas onde em fazendas industriais de larga escala de 1961 a 2014.

Eles descobriram que, dentro das regiões, a diversidade de culturas na verdade aumentou – na América do Norte, por exemplo, 93 cultivos diferentes agora são cultivados, em comparação com os 80 anos da década de 1960. O problema, diz Martin, é que, em escala global, agora estamos vendo mais dos mesmos tipos de culturas sendo cultivadas em escalas muito maiores.

Em outras palavras, grandes fazendas industriais na Ásia, Europa, América do Norte e do Sul estão começando a parecer as mesmas.

“O que estamos vendo são grandes monoculturas de culturas comercialmente valiosas sendo cultivadas em grande número ao redor do mundo”, diz Martin, que é ecologista do Departamento de Ciências Físicas e Ambientais da Universidade de T Scarborough.

“Fazendas industriais tão grandes estão freqüentemente cultivando uma espécie de cultura, que geralmente é apenas um único genótipo, em milhares de hectares de terra.”

Soja, trigo, arroz e milho são ótimos exemplos. Somente estas quatro culturas ocupam quase 50% das terras agrícolas do mundo, enquanto as restantes 152 cobrem o resto.

É amplamente assumido que a maior mudança na diversidade agrícola global tomou parte durante a chamada troca de Columbia dos séculos XV e XVI, onde espécies de plantas comercialmente importantes estavam sendo transportadas para diferentes partes do mundo.

Mas os autores descobriram que na década de 1980 houve um aumento maciço na diversidade de culturas globais, já que diferentes tipos de culturas estavam sendo cultivadas em novos lugares em escala industrial pela primeira vez. Na década de 1990, essa diversidade se estabilizou, e o que aconteceu desde então é que a diversidade entre as regiões começou a declinar.

A falta de diversidade genética nas culturas individuais é bastante óbvia, diz Martin. Por exemplo, na América do Norte, seis genótipos individuais compreendem cerca de 50% de todas as culturas de milho plantadas.

Esse declínio na diversidade global de culturas é um problema por vários motivos. Por um lado, afeta a soberania alimentar regional. “Se a diversidade de culturas regionais está ameaçada, isso realmente reduz a capacidade das pessoas de comer ou comprar comida que é culturalmente significativa para elas”, diz Martin.

Há também uma questão ecológica; acho que a fome da batata, mas em escala global. Martin diz que, se há um crescente domínio de algumas linhagens genéticas de culturas, o sistema agrícola global torna-se cada vez mais suscetível a pragas ou doenças. Ele aponta para um fungo mortal que continua a devastar as plantações de banana ao redor do mundo como um exemplo.

Ele espera aplicar a mesma análise em escala global para analisar os padrões nacionais de diversidade de culturas como um próximo passo para a pesquisa. Martin acrescenta que há um ângulo político a ser considerado, já que as decisões do governo que favorecem o cultivo de certos tipos de culturas podem contribuir para a falta de diversidade.

“Será importante observar o que os governos estão fazendo para promover tipos diferentes de culturas sendo cultivadas, ou a nível de políticas, eles estão favorecendo as fazendas a cultivar certos tipos de culturas de rendimento”, diz ele.

 

Referência:

Martin AR, Cadotte MW, Isaac ME, Milla R, Vile D, Violle C (2019) Regional and global shifts in crop diversity through the Anthropocene. PLoS ONE 14(2): e0209788. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0209788

 

Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 08/02/2019

"Um pequeno número de culturas está dominando globalmente e isso é uma má notícia para a agricultura sustentável," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 11/02/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/02/11/um-pequeno-numero-de-culturas-esta-dominando-globalmente-e-isso-e-uma-ma-noticia-para-a-agricultura-sustentavel/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top