Telemedicina, a polêmica, artigo de Montserrat Martins

 

Telemedicina
Imagem: Por Miriam Doerr Martin Frommherz / Shutterstock.com

[EcoDebate] Uma polêmica inédita, entre o Conselho Federal de Medicina (CFM) e os Conselhos Estaduais e grande parte dos médicos, surgiu quando o CFM publicou resolução a favor da Telemedicina, ou seja, de consultas médicas não-presenciais, feitas por videoconferência.

Essencial para o diagnóstico e o acompanhamento médico dos pacientes, o exame físico não pode ser substituído pela consulta à distância. O CFM teve de reabrir a discussão, dando prazo agora de 60 dias para todos os Conselhos Regionais se posicionarem sobre o assunto.

Grande parte da classe médica estranhou a medida do seu Conselho Federal, sem maiores discussões com a categoria, como se comprovou com a reação unânime de todos Conselhos Regionais e ampla polêmica no meio médico. Circulam boatos que alguém poderia estar querendo se beneficiar por haver constituído grupos de atuação em telemedicina, por exemplo.

Seja qual for a razão do açodamento do CFM, que deveria representar a categoria a partir de consensos construídos em assuntos sérios como esse, o fato é que o assunto merece discussões mais amplas e pode ter consequências graves para a população.

Enquanto pacientes privados, mais instruídos, tem consciência da importância do exame médico presencial, a clientela do SUS pode imaginar estar sendo bem atendida por consultas à distância, pelo computador, numa forma de atendimento que sempre será mais superficial e menos seguro que o atendimento presencial.

Em sua defensiva, o CFM alega que a medida seria para pacientes que já tivessem sido atendidos pessoalmente alguma vez e que seria importante principalmente em áreas remotas.

Sim, novas tecnologias podem ser úteis em algumas situações e o assunto, em si, merece ser levantado, com propostas que regulem as melhores possibilidades de sua aplicação na prática. Mas as consequências para a qualidade da atenção médica aos pacientes é de grande impacto, podendo gerar na população a fantasia de que é possível um bom atendimento sem o exame clínico.

O SUS já tem esse problema no seu cotidiano, de pacientes que se queixam que o médico “nem olhou para mim, nem me examinou”. Pois essa resolução sobre a telemedicina viria a consolidar tal prática, de uma análise de dados (tais como exames e relatos de informações) sobre o paciente sem um exame mais acurado, que já vem sendo o grande problema do atendimento atual. Em vez de melhorarmos a medicina no atendimento público, estaríamos “regulamentando” a superficialidade.

 

Montserrat Martins, Colunista do EcoDebate, é Psiquiatra, autor de “Em busca da alma do Brasil”.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 11/02/2019

Telemedicina, a polêmica, artigo de Montserrat Martins, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 11/02/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/02/11/telemedicina-a-polemica-artigo-de-montserrat-martins/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Telemedicina, a polêmica, artigo de Montserrat Martins

  1. Parabéns pelo texto, porém, acredito que algumas certezas que são colocadas por você não são verdades absolutas. Existe sim a possibilidade de um atendimento adequado com o uso de tecnologias.Talvez o paciente chamado de mais instruído será o primeiro a utilizar, enquanto o paciente do SUS, esse já não acessa uma saúde de qualidade a tempo. Nesse caso a distância entre o médico e o paciente atualmente já existe, mas se chama acesso.

Comentários encerrados.

Top