Temperaturas Globais – 2018 foi o quarto ano mais quente, segundo a NASA

As temperaturas globais em 2018 foram 0,83 graus Celsius mais quentes do que a média de 1951 a 1980, segundo cientistas do Instituto Goddard de Estudos Espaciais (GISS) da NASA em Nova York. Globalmente, as temperaturas de 2018 estão aquém das de 2016, 2017 e 2015. Os últimos cinco anos são, coletivamente, os anos mais quentes do histórico moderno.

“2018 é mais uma vez um ano extremamente quente em cima de uma tendência de aquecimento global de longo prazo”, disse o diretor do GISS, Gavin Schmidt.

Por Steve Cole*, NASA

Desde a década de 1880, a temperatura média da superfície global subiu cerca de 2 graus Fahrenheit (1 grau Celsius). Esse aquecimento foi impulsionado em grande parte pelo aumento das emissões para a atmosfera de dióxido de carbono e outros gases causadores do efeito estufa causados pelas atividades humanas, segundo Schmidt.


A tendência de aquecimento a longo prazo da Terra pode ser vista nesta visualização do registro de temperatura global da NASA, que mostra como as temperaturas do planeta estão mudando ao longo do tempo, comparado a uma média de referência de 1951 a 1980. O registro é mostrado como uma média de cinco anos . Créditos: Scientific Visualization Studio da NASA / Kathryn Mersmann

A dinâmica climática freqüentemente afeta as temperaturas regionais, portanto nem todas as regiões da Terra experimentaram quantidades similares de aquecimento. A NOAA descobriu que a temperatura média anual de 2018 para os 48 estados contíguos foi a 14ª mais quente já registrada.

As tendências de aquecimento são mais fortes na região do Ártico, onde 2018 viu a contínua perda de gelo marinho. Além disso, a perda de massa das mantas de gelo da Groenlândia e da Antártida continuou a contribuir para o aumento do nível do mar. O aumento das temperaturas também pode contribuir para temporadas de fogo mais longas e alguns eventos climáticos extremos, de acordo com Schmidt.

“Os impactos do aquecimento global de longo prazo já estão sendo sentidos – em inundações costeiras, ondas de calor, precipitação intensa e mudanças nos ecossistemas”, disse Schmidt.

As análises de temperatura da NASA incorporam medições da temperatura da superfície de 6.300 estações meteorológicas, observações baseadas em navios e bóias das temperaturas da superfície do mar e medições de temperatura das estações de pesquisa da Antártida.

Este gráfico mostra anomalias de temperatura anuais de 1880 a 2018
Este gráfico mostra anomalias de temperatura anuais de 1880 a 2018, com relação à média de 1951-1980, registradas pela NASA, NOAA, Agência Meteorológica do Japão, grupo de pesquisa Berkeley Earth e o Centro Met Office Hadley (Reino Unido). Embora haja pequenas variações de ano para ano, todos os cinco registros de temperatura mostram picos e vales em sincronia entre si. Todos mostram um rápido aquecimento nas últimas décadas, e todos mostram que a década passada foi a mais quente. Créditos: Observatório da Terra da NASA

Essas medidas brutas são analisadas usando um algoritmo que considera o espaçamento variado de estações de temperatura ao redor do globo e os efeitos das ilhas de calor urbanas que poderiam distorcer as conclusões. Esses cálculos produzem os desvios da temperatura média global do período de referência de 1951 a 1980.

Como as localizações das estações meteorológicas e as práticas de medição mudam com o tempo, a interpretação de diferenças de temperatura médias globais ano a ano específicas tem algumas incertezas. Levando isso em conta, a NASA estima que a mudança média global de 2018 seja exata para 0,1 grau Fahrenheit, com um nível de certeza de 95%.

Os cientistas da NOAA usaram muitos dos mesmos dados de temperatura bruta, mas com um período de linha de base diferente e interpolação diferente nas regiões polares da Terra e de outras regiões pobres em dados. A análise da NOAA descobriu que as temperaturas globais de 2018 estavam a 0.42 graus Fahrenheit (0.79 graus Celsius) acima da média do século XX.

O conjunto completo de dados de temperatura da superfície da NASA de 2018 – e a metodologia completa usada para fazer o cálculo da temperatura – estão disponíveis em: https://data.giss.nasa.gov/gistemp

GISS é um laboratório dentro da Divisão de Ciências da Terra do Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland. O laboratório é afiliado ao Earth Institute e à Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas da Universidade de Columbia, em Nova York.

A NASA usa o ponto de vista exclusivo do espaço para entender melhor a Terra como um sistema interconectado. A agência também usa monitoramento aerotransportado e terrestre, e desenvolve novas formas de observar e estudar a Terra com registros de dados de longo prazo e ferramentas de análise computacional para melhor entender como o nosso planeta está mudando. A NASA compartilha esse conhecimento com a comunidade global e trabalha com instituições nos Estados Unidos e em todo o mundo que contribuem para a compreensão e proteção do nosso planeta.

Para mais informações sobre as missões de ciências da Terra da NASA, visite: https://www.nasa.gov/earth

O Relatório Global da NOAA está disponível em: http://bit.ly/Global201812

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 07/02/2019

"Temperaturas Globais – 2018 foi o quarto ano mais quente, segundo a NASA," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 7/02/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/02/07/temperaturas-globais-2018-foi-o-quarto-ano-mais-quente-segundo-a-nasa/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top