Incidência de câncer de colo do útero é alta no Brasil e se assemelha aos países com baixíssimo desenvolvimento

 

saúde

 

Para cada 100 mil mulheres, 14 terão câncer colo do útero no mundo. Em países menos desenvolvidos esse número cresce para 15,7 casos a cada 100 mil mulheres e, nos mais desenvolvidos, 9,9.

Por Carolina Pimentel

 

De acordo com o relatório estatístico do Instituto Nacional do Câncer (INCA), o Brasil possui uma taxa de 15,43 casos, bem próxima aos países menos desenvolvidos no mundo.

“A situação no Brasil é ainda mais preocupante quando analisamos os dados da Região Norte (25,62/100 mil), Nordeste (20,47/100 mil) e Centro-Oeste (18,32/100 mil), locais em que o aumento é significativo”, afirma o oncologista clínico de Campinas/SP David Pinheiro Cunha, do Grupo SOnHe – Sasse Oncologia e Hematologia.

O vírus Papiloma Vírus Humano, conhecido por HPV, é o responsável por cerca de 630.000 casos deste tipo de câncer por ano no mundo. Desde o lançamento da vacina contra o HPV, em 2006, mais de 200 milhões de doses foram aplicadas no mundo e diversos estudos – que monitoraram durante anos centenas de milhares de pessoas vacinadas na Austrália, Europa e América do Norte – excluíram a ocorrência de eventos adversos graves ou permanentes.

“Mesmo com todas as campanhas de vacinação realizadas nos EUA, em 2017 apenas 49% dos adolescentes receberam vacinação integral. Percentual ainda baixo quando comparado com outras vacinas para a mesma faixa etária. Sendo assim, no final de dezembro, foi enviado à Casa Branca, pela presidente do “Cancer Panel”, um relatório sobre a prevenção de câncer e o uso da vacina HPV, com ações de continuidade de campanhas direcionadas aos pais para fortalecer a vacinação. O objetivo é que, em 2020, 80% dos adolescentes estejam vacinados”, comenta o médico.

O cenário no Brasil é alarmante. Em 2017, somente 41,8% das meninas elegíveis à vacinação tomaram a segunda dose e este número é ainda pior nos meninos, chegando somente a 13%. Por isso, o Ministério da Saúde está convocando frequentemente os adolescentes para a vacinação.

“Importante destacar que para uma proteção eficaz é necessário receber duas doses da vacina. E, ainda, reforçar que a vacina utilizada no país é capaz de prevenir 70% cânceres do colo útero, 90% de cânceres anal, 63% do câncer de pênis, 70% dos cânceres de vagina, 72% dos cânceres de orofaringe e 90% das verrugas genitais. Além disso, as vacinas HPV protegem contra o pré-câncer cervical em mulheres de 15 a 26 anos, associados ao HPV16 /18. São vacinas seguras e não aumentam o risco de eventos adversos graves, aborto ou interrupção da gravidez”, explica Dr. David.

Prevenção

Janeiro foi o mês de conscientização do câncer de colo do útero, que dentre os tipos de tumor, é a neoplasia com altíssimo potencial de prevenção, atingindo a cura em mais de 80% dos casos quando diagnosticado em fases iniciais. Para o rastreamento e diagnóstico precoce é recomendado o exame citopatológico, conhecido popularmente como exame de Papanicolau. “Este exame permite a detecção das lesões precursoras da doença em estágios iniciais, antes mesmo do aparecimento dos sintomas. Deve ser feito em toda mulher que tem ou já teve atividade sexual, especialmente entre 25 e 64 anos. A prevenção também deve ser realizada com o uso de preservativos durante a relação sexual, uma vez que a prática de sexo seguro é uma das formas de evitar o contágio do HPV”, afirma o oncologista.

Outra forma de prevenção é a vacinação contra o HPV recomendada para meninas entre 9 e 14 anos e meninos entre 11 e 14 anos. Mulheres e homens fora dessa faixa etária também podem tomar a vacina no sistema privado, apesar da eficácia ser reduzida em caso de exposição prévia ao vírus.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 01/02/2019

"Incidência de câncer de colo do útero é alta no Brasil e se assemelha aos países com baixíssimo desenvolvimento," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 1/02/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/02/01/incidencia-de-cancer-de-colo-do-utero-e-alta-no-brasil-e-se-assemelha-aos-paises-com-baixissimo-desenvolvimento/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top