Temperaturas oceânicas recordes apontam para tendências do aquecimento global

 

Temperaturas oceânicas – 2018 é o ano mais quente já registrado para o oceano global

Uma equipe internacional divulgou as observações de conteúdo de calor oceânico de 2018 em Advances in Atmospheric Sciences em 16 de janeiro de 2019.

Institute of Atmospheric Physics, Chinese Academy of Sciences*

 

pesquisa

 

As novas observações disponíveis mostram que o ano de 2018 é o ano mais quente já registrado para o oceano global, como evidenciado pelo seu maior conteúdo de calor oceânico desde 1950 nos 2000m superiores. Em comparação com o valor médio medido de 1981 a 2010, a anomalia de calor do oceano em 2018 é de aproximadamente 19,67 x 10 22 Joules, uma medida unitária para o calor. Este aumento de calor em 2018 em relação a 2017é ~ 388 vezes mais do que a geração total de eletricidade pela China em 2017, e ~ 100 milhões de vezes mais do que a bomba de calor de Hiroshima.

Os anos de 2017, 2015, 2016 e 2014 ocorreram logo após 2018, em ordem decrescente de conteúdo de calor oceânico. Os valores são baseados em um produto de análise da temperatura do oceano conduzido pelo Instituto de Física Atmosférica (IAP) da Academia Chinesa de Ciências.

O novo estudo está lançando uma nova luz sobre quanto as temperaturas da água oceânica que está mudando ao longo dos anos. A mudança no conteúdo de calor do oceano é considerada uma das melhores – se não a melhor – maneira de medir a mudança climática causada por gases de efeito estufa emitidos pelas atividades humanas. Isso ocorre porque o aquecimento global é impulsionado pelo desequilíbrio de energia da Terra devido a mais gases de efeito estufa no ar, e a grande maioria (mais de 90%) do calor do aquecimento global é depositada nos oceanos do mundo. Além disso, o registro de calor nos oceanos é menos impactado por flutuações naturais e é um indicador robusto da mudança climática. Portanto, o recorde de recorde de calor oceânico serve como evidência direta para o aquecimento global e representa uma base para adaptação e mitigação da mudança climática.

“Os novos dados, juntamente com um rico corpo de literatura, servem como um aviso adicional para o governo e para o público em geral de que estamos experimentando o inevitável aquecimento global. O oceano e o aquecimento global já ocorreram e causaram sérios danos e perdas para tanto a economia e sociedade “, afirma o Dr. Lijing Cheng, o principal autor do relatório. Ele também recomenda ações adicionais a serem tomadas imediatamente para minimizar as tendências futuras de aquecimento.

Os pesquisadores também destacam que os aumentos no calor da água do oceano, que eles prognosticam continuarão a aumentar, são causas de preocupação adicional tanto para a comunidade científica como para o público em geral. Isso ocorre porque as temperaturas mais altas resultam em um aumento do nível do mar que vem com seu próprio conjunto de conseqüências.

Exemplos destes incluem água salgada contaminando poços de água doce que impactam a qualidade da água potável, uma infra-estrutura costeira comprometida, bem como um aumento na probabilidade de tempestades. Nessa linha, os aumentos no calor dos oceanos também têm consequências graves para o sistema meteorológico global, porque resultam em tempestades muito mais intensas e chuvas fortes.

Outras conseqüências do aumento da temperatura da água oceânica incluem o branqueamento e a morte de corais, derretimento do gelo marinho, aumento das ondas de calor marinhas, ou longos períodos de temperaturas extremas na superfície da mesa de guerra, bem como impactos na variabilidade natural. O aquecimento do oceano também foi associado ao aumento da intensidade da seca, às ondas de calor e ao risco de vida selvagem.

Os futuros objetivos dos pesquisadores se concentram em uma compreensão mais profunda dos efeitos das águas oceânicas mais quentes. Como tal, o IAP e os colaboradores continuarão monitorando as tendências, bem como se concentrarão em entender o sistema climático, bem como o papel do oceano nele.

Compreendendo melhor os perigos potenciais que o aumento do calor do oceano traz consigo, os pesquisadores esperam ser um recurso econômico valioso para as indústrias de pesca e turismo, por exemplo. “Essas atividades científicas acabarão servindo ao público em geral e ao governo, permitindo-lhes tomar decisões informadas e, assim, criar um futuro melhor e mais sustentável para todos”, acrescenta Cheng.

Referência:

2018 Continues Record Global Ocean Warming – Cheng, L., Zhu, J., Abraham, J. et al. Adv. Atmos. Sci. (2019) 36: 249. https://doi.org/10.1007/s00376-019-8276-x

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 17/01/2019

Temperaturas oceânicas recordes apontam para tendências do aquecimento global, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 17/01/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/01/17/temperaturas-oceanicas-recordes-apontam-para-tendencias-do-aquecimento-global/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top