O ‘aquecimento global’ significa que está aquecendo em todos os lugares? por Caitlyn Kennedy

 

Não, o “aquecimento global” significa que a temperatura média anual da Terra está aumentando, mas não necessariamente em todos os locais durante todas as estações do mundo. É como suas notas. Se em um semestre você obtiver todos os Bs e Cs, e no próximo você obter todos os As e Cs, sua média de notas aumentará, mesmo que você não tenha melhorado em todas as classes.

É assim que acontece com a temperatura próxima da superfície da Terra à medida que os níveis atmosféricos de gases de efeito estufa sobem. As tendências de temperatura em todo o mundo não são uniformes devido à geografia diversificada em nosso planeta – oceanos versus continentes, planícies versus montanhas, florestas versus desertos versus camadas de gelo – bem como variabilidade climática natural. Quando você aumenta o zoom em um lugar específico, pode não conseguir ver a tendência geral.

É somente quando os cientistas calculam a média das mudanças de temperatura de todos os lugares da Terra ao longo de um ano para produzir um único número, e então observam como esse número mudou ao longo do tempo que uma tendência muito clara de aquecimento global emerge. Em outras palavras, é somente quando “descemos” para a escala planetária que a tendência é óbvia: apesar de algumas raras áreas experimentarem uma tendência geral de resfriamento, a grande maioria dos lugares em todo o mundo está se aquecendo.

A razão pela qual uma visão de “zoom out” torna a tendência de longo prazo tão clara é que as temperaturas médias anuais da Terra de ano para ano são muito estáveis ​​quando nada está forçando a mudança. Hoje, porém, a cada década desde 1960 tem sido mais quente que a anterior, e as últimas três décadas foram as mais quentes já registradas. Em relação ao tempo geológico , o aquecimento ocorrido – 1,5 ° F (0,85 ° C) em um período de 100 anos – é uma mudança de temperatura extraordinariamente grande em um período relativamente curto de tempo.

No entanto, nem todas as massas terrestres e oceanos experimentaram ou terão uma taxa de aquecimento constante e idêntica. As variações naturais em nosso sistema climático fazem com que as temperaturas variem de região para região e de tempos em tempos, deixando impressões digitais esporádicas no registro de temperatura a longo prazo. Quando você considera o mapa global acima, você pode ver que em algumas partes do mundo as tendências de temperatura eram basicamente “planas” no último século.

Um desses “buracos de aquecimento”, como os cientistas os descreveram, aparece no sudeste dos EUA. A mais recente Avaliação do Clima Nacional descreve como a temperatura média anual durante o último século da região ciciou entre os períodos quente e frio, com um pico quente ocorrendo durante as décadas de 1930 e 40, seguido por um período frio nos anos 60 e 70 e aquecendo novamente 1970 até o presente por uma média de 2 ° F, com mais aquecimento em média durante os meses de verão. Algumas partes do Sudeste dos EUA sofreram pouca alteração líquida ou até mesmo uma tendência de resfriamento desde o início da 20 ª século, como visto no mapa abaixo. Outras áreas aqueceram mais que a média.

O clima do sudeste dos EUA, como o de qualquer região, é influenciado por muitos fatores, incluindo a latitude, a topografia e a proximidade de grandes massas de água, como o Oceano Atlântico e o Golfo do México. Seu clima varia consideravelmente ao longo das estações, anos e décadas, em grande parte devido a ciclos naturais como o El Niño-Oscilação Sul e Atlântico Norte e Oscilações do Ártico, que podem introduzir condições mais frias do que o habitual para a região durante certas fases.

Os pesquisadores também conectaram a tendência de resfriamento no sudeste dos Estados Unidos a períodos de nuvens espessas e umidade do solo excepcionalmente alta. Nuvens grossas podem diminuir a quantidade de luz solar que atinge a superfície da Terra, e o solo úmido permite altas taxas de evaporação, evitando que as temperaturas diurnas fiquem tão quentes quanto poderiam.

Apesar das tendências de resfriamento em alguns locais, as temperaturas em todo o sudeste dos EUA devem aumentar no próximo século, mesmo que oscilem anualmente e de década em década. Essa variabilidade climática natural é a razão pela qual, como a grande maioria do mundo aquece, alguns locais estão esfriando e muitos estão se aquecendo ainda mais rápido do que o resto do mundo. É também por isso que todos os anos, talvez até a cada década, não seja necessariamente mais quente que o anterior.

Quando você filtra todo o ‘ruído’ natural calculando a média em grandes áreas e longos períodos de tempo, a tendência de aquecimento global é alta e clara. E, claro, o aquecimento também é evidente em um conjunto de outros indicadores climáticos, incluindo a perda de gelo marinho , geleiras e lençóis de gelo; aumento do calor do oceano ; subida do nível do mar ; e mudanças geográficas nos intervalos de plantas e animais na terra e no oceano.

Caitlyn Kennedy*
Oficial do Programa Climático, Administração Nacional do Oceano e Atmosfera dos EUA (NOAA)

 

Referências:

Carter, L. M., J. W. Jones, L. Berry, V. Burkett, J. F. Murley, J. Obeysekera, P. J. Schramm, and D. Wear, 2014: Ch. 17: Southeast and the Caribbean. Climate Change Impacts in the United States: The Third National Climate Assessment, J. M. Melillo, Terese (T.C.) Richmond, and G. W. Yohe, Eds., U.S. Global Change Research Program, 396-417. doi:10.7930/J0NP22CB.

Climate.gov Global Warming FAQ

IPCC, 2013: Summary for Policymakers. In: Climate Change 2013: The Physical Science Basis. Contribution of Working Group 1 to the 5th Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change [Stocker, T.F., D. Qin, G.-K. Plattner, M. Tignor, S.K. Allen, J. Boschung, A. Nauels, Y. Xia, V. Bex and P.M. Midgley (eds.)]. Cambridge University Press, Cambridge, United Kingdom and New York, NY, USA.

IPCC, 2012: Managing the Risks of Extreme Events and Disasters to Advance Climate Change Adaptation. A Special Report of Working Groups I and II of the Intergovernmental Panel on Climate Change [Field, C.B., V. Barros, T.F. Stocker, D. Qin, D.J. Dokken, K.L. Ebi, M.D. Mastrandrea, K.J. Mach, G.-K. Plattner, S.K. Allen, M. Tignor, and P.M. Midgley (eds.)]. Cambridge University Press, Cambridge, UK, and New York, NY, USA, 582 pp.

Meehl, Gerald A., Julie M. Arblaster, and Grant Branstator, 2012: Mechanisms Contributing to the Warming Hole and the Consequent U.S. East–West Differential of Heat ExtremesJ. Climate25, 6394–6408.

Rogers, Jeffrey C. The 20th century cooling trend over the southeastern United States. Climate Dynamics. Volume 40, Issue 1-2 , pp 341-352

Walsh, J., D. Wuebbles, K. Hayhoe, J. Kossin, K. Kunkel, G. Stephens, P. Thorne, R. Vose, M. Wehner, J. Willis, D. Anderson, V. Kharin, T. Knutson, F. Landerer, T. Lenton, J. Kennedy, and R. Somerville, 2014: Appendix 4: Frequently Asked Questions (Question E). Climate Change Impacts in the United States: The Third National Climate Assessment, J. M. Melillo, Terese (T.C.) Richmond, and G. W. Yohe, Eds., U.S. Global Change Research Program, 790-820. doi:10.7930/J0G15XS3.

Walsh, J., D. Wuebbles, K. Hayhoe, J. Kossin, K. Kunkel, G. Stephens, P. Thorne, R. Vose, M. Wehner, J. Willis, D. Anderson, S. Doney, R. Feely, P. Hennon, V. Kharin, T. Knutson, F. Landerer, T. Lenton, J. Kennedy, and R. Somerville, 2014: Ch. 2: Our Changing Climate. Climate Change Impacts in the United States: The Third National Climate Assessment, J. M. Melillo, Terese (T.C.) Richmond, and G. W. Yohe, Eds., U.S. Global Change Research Program, 19-67. doi:10.7930/J0KW5CXT.

 

*Tradução de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 04/12/2018

"O ‘aquecimento global’ significa que está aquecendo em todos os lugares? por Caitlyn Kennedy," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 4/12/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/12/04/o-aquecimento-global-significa-que-esta-aquecendo-em-todos-os-lugares-por-caitlyn-kennedy/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top