Direitos Humanos x Humanos Direitos, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

 

artigo de opinião

 

Quando se relativiza a defesa dos direitos humanos aos humanos direitos, na verdade está relativizado o princípio fundamental de sua universalidade e indivisibilidade, a começar pelo direito de existir.

 

[EcoDebate] O Código dos Direitos Humanos foi proclamado pela ONU logo após a Segunda Guerra Mundial, em 1948. Vinha logo após as atrocidades dos nazistas. Sua finalidade principal era “defender o indivíduo das arbitrariedades do Estado”. Essa sempre será a regra número um dos direitos humanos do ponto de vista da sociedade civil. Depois os direitos humanos serão alargados em tratados e novas conquistas, como os Direitos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais. (DHESCAS)

Um dos pilares dos direitos humanos é que eles são “indivisíveis e universais”, isto é, extensíveis a todas as pessoas. No Brasil a defesa dos direitos humanos ficou associada à defesa dos criminosos e seus crimes por intenções ideológicas de seus adversários. Sim, quando estão sob responsabilidade do Estado, os criminosos também têm direitos, mas simplesmente porque são pessoas humanas e não por serem criminosos. São as regras jurídicas que definem esses direitos e o Estado tem que respeitá-las.

Aos poucos, nos meios avessos aos direitos humanos – e aos seus militantes -, começa a ganhar força a expressão restritiva “humanos direitos” para se contrapor à sua universalidade. Há um grupo de artistas brasileiros que tem um movimento chamado “Humanos Direitos”, mas eles são defensores dos direitos humanos.

Restringir os direitos humanos aos chamados humanos direitos é um jogo ideológico perigoso, que gera exclusões e abre brechas para os mais diversos linchamentos. A finalidade é abrir brecha para a eliminação pura e simples daqueles que não são considerados seres humanos direitos.

A Igreja Católica considera todos os seres humanos portadores de direitos inalienáveis, pelo simples fato de serem pessoas humanas. É que a Igreja dá aos direitos humanos uma dimensão teológica, isto é, fomos feitos à imagem e semelhança de Deus, portanto, é o próprio Deus que concedeu a cada ser humano sua dignidade inalienável. A Igreja defende a pessoa, não seus crimes. Quem os comete, deve pagar por eles.

Quando se relativiza a defesa dos direitos humanos aos humanos direitos, na verdade está relativizado o princípio fundamental de sua universalidade e indivisibilidade, a começar pelo direito de existir.

Os tempos são sombrios e a fala dos eleitos, desde o processo eleitoral, leva à concepção que os direitos humanos são apenas um privilégio dos que já são privilegiados.

Roberto Malvezzi (Gogó)*, Articulista do Portal EcoDebate, possui formação em Filosofia, Teologia e Estudos Sociais. Atua na Equipe CPP/CPT do São Francisco. Membro da Equipe de Assessoria da REPAM (Rede Eclesial Pan Amazônica)
www.robertomalvezzi.com.br

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 09/11/2018

Direitos Humanos x Humanos Direitos, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó), in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 9/11/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/11/09/direitos-humanos-x-humanos-direitos-artigo-de-roberto-malvezzi-gogo/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top