Tratar bandido como bandido? artigo de Montserrat Martins

 

artigo de opinião

 

[EcoDebate] Qual o “recado das urnas” das eleições 2018? Numa linguagem crua como a do vencedor do primeiro turno, eu diria que a mensagem é “tratar bandido como bandido”. O segundo colocado, Haddad, dá ênfase a programas sociais, mas uma avalanche de votos para Bolsonaro – que quase decidiram a eleição no primeiro turno – mostra que a população está mais interessada em aumentar o policiamento.

A maioria dos novos eleitos tem perfil conservador, em contraste com os governos eleitos nas 4 eleições anteriores. O eleitor deu um voto “à direita” em relação às eleições anteriores, por entender que o momento exige isso.

Há outras mudanças, claro, que expressam um desejo de renovação da política. Muitas figuras carimbadas da política não se elegeram (do Romero Jucá à Dilma, passando pela filha do Cunha) e nomes menos famosos estarão na Câmara, Senado e até em governos estaduais.

O discurso dos programas sociais, da educação e da saúde foi amplamente superado pelo demanda por segurança pública. Num momento em que o país chora mais de 60 mil mortes por ano, as pessoas dão absoluta prioridade ao fortalecimento das polícias. Afinal, 4 eleições sucessivas baseadas no discurso dos programas sociais não resolveu nem diminuiu de modo significativo a criminalidade, o povo decidiu que é hora de endurecer na repressão ao crime.

Não sabemos exatamente como isso será feito, nem qual será o resultado, mas não há outro modo de entender o chamado “recado das urnas”. As pessoas querem dizer algo com o seu voto e esse nos parece o melhor entendimento.

Vi no Facebook uma foto de perfil com uma legenda curiosa, “Coiso 17”, com quem postou ironizando o apelido dado ao seu candidato pelas esquerdas. Já vi petistas também assumirem o apelido de “Petralhas” como também muitos já se assumiram como “coxinhas”, “mortadelas”, etc. Na disputa ideológica as ofensas recíprocas de “corruptos” ou “fascistas” talvez um dia gerem memes mais irônicos e satíricos do que o atual grau de agressividade sugere, nas redes sociais.

A maioria dos eleitores, no entanto, estão pensando mais na sua vida prática, cotidiana, do que nas brigas entre direita x esquerda. As pessoas querem sobreviver e hoje em dia, parece, tem mais medo de levar tiro na rua do que qualquer outra coisa. As próprias escolas e postos de saúde, nas regiões mais populares, tem dificuldades em funcionar devido à falta de segurança.

Muitas “leituras” serão feitas dessas eleições, essa é uma delas, simplificada no que parece mais essencial aos eleitores. Muitos dizem, inclusive, que sabem que há “efeitos colaterais” mas não adianta, no momento, não tem outro jeito. No momento, parece, é o que a maioria acredita.

 

Montserrat Martins, Colunista do EcoDebate, é Psiquiatra, autor de “Em busca da alma do Brasil”

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/10/2018

Tratar bandido como bandido? artigo de Montserrat Martins, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 15/10/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/10/15/tratar-bandido-como-bandido-artigo-de-montserrat-martins/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

3 comentários em “Tratar bandido como bandido? artigo de Montserrat Martins

  1. É uma maioria infelizmente desinformada e despolitizada.
    Se assim não fosse saberia que a questão da Segurança Pública é complexa, multidisciplinar e que “bandido na cadeia” não vai ser possível porque as cadeias não cabem mais ninguém. E as que existem são depósitos humanos, escolas do crime e os presídios mais bem estruturados como os de São Paulo, são “universidades”.
    Para se construir presídios para todos os bandidos e fazer com que fiquem lá sem progressão de pena precisaria ter no orçamento bilhões de reais que os governos estadual e federal não tem.
    E dizer que a nossa polícia não é repressiva é um insulto à nossa inteligência. Temos uma polícia que mais mata no mundo, segundo dados estatísticos.
    O discurso do “coiso 17” é o mesmo do Alckmin. Marketing eleitoral e só.
    No mais, o artigo é muito bom e traz uma visão otimista de que nós, cidadãos brasileiros de todos os credos e ideologias e doutrinas poderemos conviver democraticamente, sem ódios e rancores e buscar juntos uma solução para os nossos problemas. Mesmo que isso dure décadas. Se assim for, só nos resta cultivar a paciência e sabedoria.

  2. Este boletim eletrônico não vai se manifestar sobre a proposta de Bolsonaro de extinguir o Ministério do Meio Ambiente, transferindo algumas das suas funções para o Ministério da Agricultura ?

  3. Prezado Paulo Sérgio,

    Nossa posição é clara e amplamente conhecida, não apenas em relação a isto como também a todas as potenciais ameaças às liberdades individuais, direitos humanos, indígenas, quilombolas, etc.

    Mas, ao contrário do EcoDebate e seus(suas) leitores(as), esse candidato e seus(suas) eleitores(as) pouco se importam com estas questões e com o nosso futuro comum.

    Att, EcoDebate

Comentários encerrados.

Top