Ambientalização de conflitos sociais, Parte 3/5, artigo de Roberto Naime

 

artigo

 

[EcoDebate] LOPES (2006) destaca a criação de uma série de instituições voltadas para novas atividades, inicialmente desencadeada pela conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre meio ambiente de Estocolmo, em 1972.

Embora o governo brasileiro tenha se pronunciado contra a preocupação e os controles ambientais da conferência, com receio de um cerceamento internacional do processo de industrialização levado a efeito no país desde os anos 1930 e 1940, e continuado pelo regime militar, que na ocasião vinha apostando tudo no efêmero milagre econômico brasileiro de então, embora em país de industrialização tardia.

No entanto, não deixou de criar logo no ano seguinte uma secretaria do meio ambiente, subordinada ao Ministério do Interior. Institucionalizada em 1973, a SEMA refletia a demanda de controles ambientais por parte de uma minoria advertida de técnicos governamentais e por outro lado a oportunidade da chancela institucional para a captação de financiamentos internacionais para os quais as garantias ambientais eram necessárias.

Ainda refletindo os efeitos desencadeados pela reunião de Estocolmo e dando vazão aos anseios profissionais de engenheiros e técnicos conexos de ampliarem sua área de atuação através de novas concepções teóricas e administrativas que significavam uma certa reconversão de suas atividades, ocorre a criação de novas instituições de controle ambiental em São Paulo e no Rio de Janeiro, a CETESB, em 1974, e a FEEMA, em 1975.

Cria-se a figura do “licenciamento ambiental” para atividades industriais, obras de construção civil, serviços, que possam causar “impactos” sobre a natureza, o patrimônio urbano ou a saúde pública.

Neste sentido elabora-se nesses anos na FEEMA, o SLAP (Sistema de Licenciamento de Atividades Poluidoras), catálogo de prescrições técnicas de atividades produtivas nos limites toleráveis para o licenciamento, com base na experiência da EPA (Environmental Protection Agency), agência federal de controle ambiental norte-americana, conforme LOPES (2006).

O SLAP é instituído por decreto do governo estadual em 1977, e em 1979 é publicado o “Manual do Meio Ambiente” (FEEMA, 1979), onde são consolidados os procedimentos, as normas e a legislação pertinentes.

Mas infelizmente até hoje, os licenciamentos não conseguiram se tornar participativos, dinâmicos e permanentes, e não transcenderam a normatizações burocráticas, com raras exceções para confirmar a regra.

LOPES (2006) assevera que parece haver uma reconversão de engenheiros sanitaristas (e de engenheiros químicos e industriais), para uma concepção mais ampla da profissão, junto com a criação progressiva de novas especialidades de profissões anteriores, tais como os economistas e os juristas ambientais (sem falar nos biólogos e geógrafos, e depois nos profissionais da saúde pública).

Mas se complementa que até hoje, o corporativismo endêmico de organizações e autarquias de exercício profissional criam conflitos por atribuições, como se não tivesse ocorrido revolução francesa há mais de dois séculos, e isto ainda atravanca a harmonia da multidisciplinaridade no país.

“A partir dos anos 1960 a ecologia deixou as faculdades de biologia das universidades e migrou para a consciência das pessoas. O termo científico transformou-se numa percepção do mundo”. (SACHS, W., 2000, p. 124).

Todo esse trabalho de normatização, utilizando-se da listagem e da classificação de substâncias nocivas e procedimentos perigosos, feito no nível de alguns estados como Rio de Janeiro e São Paulo, será depois transformado em normas federais, em resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) em 1996 e 1997.

Todo o trabalho de construção institucional em torno do meio ambiente está permeado por conflitos sociais (entre diferentes grupos sociais desiguais e entre diferentes grupos militantes ou técnico-administrativos).

Em 1981, ainda no regime militar, é sancionada lei passada no Congresso, que “dispõe sobre a Política Nacional de Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências”, promulgando um arcabouço institucional federal, com secretaria de meio ambiente ligada à presidência da república (a SEMA) e com um conselho nacional de meio ambiente (órgão consultivo e deliberativo).

Constitui-se no nível federal aquilo que vinha se estabelecendo no nível dos estados, como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e outros, e são criados mecanismos de articulação federal em um sistema nacional de meio ambiente. As demandas institucionais de ambientalistas e técnicos envolvidos na administração ambiental ganham força, segundo LOPES (2006).

Em 1985, ano da redemocratização, e refletindo os embates ambientais no nível de governos estaduais e municipais eleitos pelo sufrágio universal (eleições diretas para governador em 1982), é criada a lei de ação civil pública, que “disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valores artísticos, estéticos, históricos, turísticos, paisagísticos”.

Em 1986, o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), institui uma política nacional de avaliação de impactos ambientais, exigindo estudos e audiências públicas para o licenciamento de atividades potencialmente poluidoras.

Os EIA-RIMAs são introduzidos na mecânica do licenciamento, com toda a classificação de atividades ou empreendimentos sujeitos ao licenciamento ambiental (como extração mineral, indústrias, obras, serviços, transporte, atividades agropecuárias, uso de recursos naturais e outras).

Podia se observar que infelizmente estes mecanismos da maior relevância se tornaram burocratizados e incapazes de se apropriar das verdadeiras realidades. Mas melhor com estes instrumentos do que na situação anterior. Para não haver alongamento e perda do foco da dissertação.

Em 1988, há a promulgação da nova Constituição Federal, com um importante capítulo sobre o meio ambiente, reforçando as leis de 1981 e de 1985 (sistema nacional do meio ambiente e ação civil pública) e como que coroando esse processo de construção de uma institucionalidade ambiental, e articulando-o com outros domínios conexos que alimentaram reivindicações de movimentos sociais nos anos 1980.

Em 1992 realiza-se a conferência sobre Meio Ambiente da ONU, no Rio de Janeiro, 20 anos após a de Estocolmo, referida como Rio-92 ou Eco-92. No seu processo de preparação, grande atenção é dada à questão ambiental por ONGs não especializadas, movimentos sociais, associações de moradores, federações empresariais e instituições governamentais.

Em 1998 uma lei dispõe sobre os crimes ambientais e prevê fortes penalidades, aumentando o cerco às atividades devastadoras e poluidoras. Essa produção de leis e normas e essa construção institucional continuam ao longo do tempo.

Referências:

ALVIM, Rosilene e LEITE LOPES, J. S., Famílias operárias, famílias de operárias. Revista Brasileira de Ciências Sociais, ano 5, n. 14, p. 7-17, out. 1990.

BARREIRA, César e PALMEIRA, Moacir (Org.)., Política no Brasil. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2006. (Coleção Antropologia da Política).

BARRETTO FILHO, Henyo., Resenha do livro “A Ambientalização dos Conflitos Sociais; participação e controle público da poluição industrial”. Comunidade Virtual de Antropologia, n. 29, 2005. Disponível em: <http://www.antropologia.com.br>. Acesso em: 10 nov. 2005.

BECK, Ulrich., Risk society: towards a new modernity. London: Sage, 1992.

BEYNON, Huw., Protesto ambiental e mudança social no Reino Unido. Mana: Estudos de Antropologia Social, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 7-29, 1999.

CARVALHO, Isabel., A invenção ecológica: narrativas e trajetórias da educação ambiental. Porto Alegre: Editora da UFRGS; São Paulo: Cortez, 2001.

DAMATTA, Roberto., Em torno da representação de natureza no Brasil: pensamentos, fantasias e divagações. In: DAMATTA, Roberto. Conta de mentiroso: sete ensaios de antropologia brasileira. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 91-124.

DAMATTA, Roberto., Impacto da herança cultural brasileira nas atitudes para com a natureza. In: FELDMAN, Fábio; CRESPO, Samira; DRUMMOND, José Augusto (Ed..). Rio + 10: uma década de transformações. Rio de Janeiro: MMA, Iser: FBMC, 2002. p. 16-23.

DAVIS, Shelton., Emergence of community doubts at Plymouth, Massachusetts. In: SILLS, David L. et al. (Org.). Accident at Three Mile Island: the human dimensions: a special project of the Social Science Research Council. Boulder: Westview Press, 1981. p. 83-92.

DAVIS, Sheldon., Public involvement in environmental decision-making: some reflexions on the Western European experience. Washington: The World Bank, 1996.

DOUGLAS, Mary e WILDAWSKY, Aaron., Risk and culture: an essay on the selection of technical and environmental dangers. Berkeley: University of California Press, 1982.

ECKERT, Cornelia., Memória e identidade: ritmos e ressonâncias da duração de uma comunidade de trabalho, mineiros do carvão (La Grand-Combe, França). Cadernos de Antropologia, Porto Alegre: PPGAS, n. 11, 1993.

FERREIRA, Leila da Costa., Questão ambiental: sustentabilidade e políticas públicas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 1998.

GIDDENS, Anthony., Para além da esquerda e da direita: o futuro da política radical. São Paulo: Editora da Unesp, 1996.

LEITE LOPES, J. S. (Coord.); ANTONAZ, Diana e PRADO, Rosane, SILVA, Gláucia (Org.). A ambientalização dos conflitos sociais: participação e controle público da poluição industrial. Rio: Relume Dumará, 2004. (com a participação de Beatriz Heredia, Leandro Piquet Carneiro, Silvia Borges Correia, Myriam Mousinho F. Gomes e Ricardo Rosendo).

OLIVEIRA, Francisco Mesquita., Cidadania e cultura política no poder local. Fortaleza: Fundação Adenauer, 2004.

PÁDUA, José Augusto., Um sopro de destruição: a crítica da devastação ambiental no Brasil escravista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

PALMEIRA, Moacir et al., Participação e gestão municipal. Relatório de pesquisa apresentado à Fundação Ford. Rio de Janeiro: PPGAS Museu Nacional/Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

POLANYI, Karl., A grande transformação: as origens de nossa época. Rio de Janeiro: Campus, 1980.

POLLAK, Michael., Une identité blessée: études de sociologie et d’histoire. Paris: Métailié, 1993.

SACHS, Ignacy., Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. São Paulo: Vértice, 1986.

SACHS, Wolfgang., Dicionário do desenvolvimento. Petrópolis: Vozes, 2000.

SALES, Ivandro da Costa., Os desafios da gestão democrática. Recife: Editora da UFPE, 2005.

SILVA, Gláucia Oliveira da., Angra I e a melancolia de uma era: um estudo sobre a construção social do risco. Niterói: Editora da UFF, 1999.

VIEIRA, Liszt e BREDARIOL, Celso., Cidadania e política ambiental. Rio de Janeiro: Record, 1998.

VIEIRA, Paulo F., A problemática ambiental e as Ciências Sociais. Boletim Informativo e Bibliográfico das Ciências Sociais, Rio de Janeiro: Relume Dumará: Anpocs, n. 33, 1992.

VIOLA, Eduardo J., The Ecologist Movement in Brazil (1974-1986): From Environmentalism to Ecopolitics. International Journal of Urban and Regional Research, v. 12, n. 2, p. 211-228, 1988.

LOPES, José Sérgio Leite, Sobre processos de “ambientalização” dos conflitos e sobre dilemas da participação, Horiz. antropol. vol.12 no.25 Porto Alegre Jan./June 2006, http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832006000100003

 

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

Nota da Redação: Sugerimos que leia, também, a parte anterior desta série de artigos:

Ambientalização de conflitos sociais, Parte 1/5

Ambientalização de conflitos sociais, Parte 2/5

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 17/09/2018

[cite]

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “Ambientalização de conflitos sociais, Parte 3/5, artigo de Roberto Naime

  1. De um lado Conferências, Leis, etc., de outro a realidade. Não direi que está certa, nem quem não passa de um faz-de-conta. Não pretendo desagradar ninguém.

  2. Concordo que a realidade as vezes, é farsa…
    Grande abs….
    RNaime

Comentários encerrados.

Top