Nos EUA, uso de água para fraturamento hidraulico (fracking) aumentou 770% desde 2011

 

A quantidade de água usada por poço para fraturamento hidráulico (fracking) aumentou em até 770% entre 2011 e 2016 em todas as principais regiões produtoras de gás e óleo de xisto dos EUA, segundo um novo estudo da Duke University.

Por Tim Lucas* **, in EcoDebate

 

O volume de água usado para frear os recursos energéticos aumentou acentuadamente nos últimos anos, levantando preocupações sobre sua sustentabilidade em regiões onde os recursos hídricos são enfatizados. (Crédito: Duke University)
O volume de água usado para frear os recursos energéticos aumentou acentuadamente nos últimos anos, levantando preocupações sobre sua sustentabilidade em regiões onde os recursos hídricos são enfatizados. (Crédito: Duke University)

 

O volume de águas residuais carregadas de salmoura que fraturou poços de petróleo e gás gerados durante o primeiro ano de produção também aumentou em até 1440% durante o mesmo período, mostra o estudo.

Se essa rápida intensificação continuar, a pegada hídrica do fracking poderá crescer em até 50 vezes em algumas regiões até 2030 – aumentando as preocupações sobre sua sustentabilidade, particularmente em regiões áridas ou semi-áridas nos estados ocidentais, ou em outras áreas onde o fornecimento de água subterrânea estão estressados ou limitados.

“Estudos anteriores sugeriram que a fraturação hidráulica não usa significativamente mais água do que outras fontes de energia, mas essas descobertas foram baseadas apenas em dados agregados dos primeiros anos de fraturamento”, disse Avner Vengosh, professor de geoquímica e qualidade da água na Escola Nicholas de Duke. Meio Ambiente.

“Depois de mais de uma década de operação de fracking, agora temos mais anos de dados para extrair várias fontes verificáveis. Observamos claramente um aumento anual constante na pegada hídrica do fraturamento hidráulico, com 2014 e 2015 marcando um ponto de virada em que o uso da água e a geração de refluxo e água produzida começaram a aumentar a taxas significativamente mais altas ”, disse Vengosh.

“Enquanto a extração de shale gas e tight oil se tornou mais eficiente com o tempo, a produção líquida de gás natural e petróleo desses poços não convencionais aumentou, a quantidade de água usada para fraturamento hidráulico e o volume de esgoto produzido de cada poço aumentaram a taxas muito mais altas, tornando a pegada hídrica do fracking muito mais alta ”, acrescentou.

A equipe de Duke publicou seus resultados revisados por especialistas em 15 de agosto na Science Advances .

Para conduzir o estudo, eles coletaram e analisaram seis anos de dados sobre o uso de água e gás natural, petróleo e águas residuais da indústria, governo e organizações sem fins lucrativos para mais de 12.000 poços individuais localizados em todos os principais gás de xisto dos EUA e produtores de petróleo. regiões. Em seguida, eles usaram esses dados históricos para modelar o uso futuro da água e o volume de águas residuais do primeiro ano em dois cenários diferentes.

Os modelos mostraram que, se os atuais preços baixos do petróleo e do gás aumentarem e a produção atingir novamente os níveis observados durante o auge do fracking no início de 2010, o uso cumulativo da água e os volumes de esgoto poderiam aumentar em até 50 vezes nas regiões não convencionais até 2030, e até 20 vezes em regiões produtoras de petróleo não convencionais.

“Mesmo que os preços e as taxas de perfuração permaneçam nos níveis atuais, nossos modelos ainda prevêem um grande aumento até 2030 tanto no uso da água quanto na produção de águas residuais”, disse Andrew J. Kondash, aluno de PhD no laboratório de Vengosh.

As águas residuais de um poço são compostas principalmente por salmouras extraídas com o gás e o óleo do subsolo, misturados com parte da água inicialmente injetada no poço durante a fraturação hidráulica. Essas salmouras são tipicamente salgadas e podem conter elementos radioativos tóxicos e de ocorrência natural, tornando-os difíceis de serem tratados e descartados com segurança. Para acompanhar o crescente volume de águas residuais que estão sendo geradas atualmente, as empresas de perfuração estão cada vez mais injetando-as de volta no subsolo em poços de águas residuais. Esta prática ajuda a manter as águas residuais fora do abastecimento de água local, mas tem sido associada a terremotos de pequeno a médio porte em alguns locais.

“Novas tecnologias de perfuração e estratégias de produção estimularam o crescimento exponencial da produção não convencional de petróleo e gás nos Estados Unidos e, cada vez mais, em outras partes do mundo”, disse Kondash. “Este estudo fornece a linha de base mais precisa até o momento para avaliar os impactos ambientais de longo prazo que esse crescimento pode ter, particularmente na disponibilidade de água local e no gerenciamento de águas residuais”.

“Lições aprendidas com o desenvolvimento da produção nos Estados Unidos podem informar diretamente o planejamento e a implementação de práticas de fraturamento hidráulico em outros lugares, já que outros países, como China, México e Argentina, trazem suas reservas não convencionais de gás natural”, disse ele.

Nancy E. Lauer, graduada em doutorado em 2018 da Duke’s Nicholas School, que agora trabalha como especialista em política ambiental na Duke School of Law, é co-autora da nova pesquisa.

O financiamento veio da National Science Foundation.

The Intensification of the Water Footprint of Hydraulic Fracturing,” Andrew J. Kondash, Nancy E. Lauer, Avner Vengosh; Science Advances, August 17, 2018. DOI: 10.1126/sciadv.aar5982
http://advances.sciencemag.org/content/4/8/eaar5982

 

* Com informações da Duke University
** Tradução de Henrique Cortez

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 16/08/2018

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top