China pode enfrentar ondas de calor mortais devido a mudanças climáticas

 

Uma das regiões mais densamente povoadas do mundo pode empurrar os limites da habitabilidade até o final deste século, segundo o estudo.

Por David L. Chandler | MIT News Office*

 

China pode enfrentar ondas de calor mortais devido a mudanças climáticas

 

A pesquisa mostrou que, além de um certo limiar de temperatura e umidade, uma pessoa não pode sobreviver desprotegida a céu aberto por longos períodos – como, por exemplo, os fazendeiros devem fazer.

Agora, um novo estudo do MIT mostra que, a menos que sejam tomadas medidas drásticas para limitar as emissões que alteram o clima, a região mais populosa e agrícola da China poderá enfrentar repetidas vezes essas condições mortais, sofrendo os efeitos de calor mais prejudiciais, pelo menos no que diz respeito à vida humana, de qualquer lugar do planeta.

O estudo mostra que o risco de ondas de calor mortais é significativamente aumentado por causa da irrigação intensiva nesta região relativamente seca, mas altamente fértil, conhecida como Planície Norte da China – uma região cujo papel nesse país é comparável ao do Centro-Oeste nos EUA. Essa vulnerabilidade aumentada ao calor surge porque a irrigação expõe mais água à evaporação, levando a uma maior umidade do ar que de outra forma estaria presente e exacerbando as tensões fisiológicas da temperatura.

As novas descobertas, por Elfatih Eltahir, do MIT, e Suchul Kang, da Aliança de Pesquisa e Tecnologia de Cingapura-MIT, foram publicadas na revista Nature Communications . O estudo é o terceiro de um conjunto; os dois aumentos projetados anteriores de ondas de calor mortais na área do Golfo Pérsico e no sul da Ásia . Embora os estudos anteriores tenham encontrado sérios riscos, as novas descobertas mostram que a Planície Norte da China, ou NCP, enfrenta os maiores riscos para a vida humana devido ao aumento das temperaturas, de qualquer local na Terra.

“A resposta é significativamente maior do que a resposta correspondente nas outras duas regiões”, diz Eltahir, que é o Professor de Hidrologia e Clima de Breene M. Kerr e professor de Engenharia Civil e Ambiental. As três regiões estudadas pelos pesquisadores foram escolhidas porque os registros anteriores indicam que os níveis combinados de temperatura e umidade atingiram extremos maiores do que em qualquer outra massa terrestre. Embora alguns fatores de risco sejam claros – vales baixos e proximidade de mares quentes ou oceanos – “não temos uma teoria quantitativa geral através da qual poderíamos ter previsto” a localização desses hotspots globais, ele explica. Ao olhar empiricamente para dados climáticos passados, “a Ásia é o que se destaca”, diz ele.

Embora o estudo do Golfo Pérsico tenha encontrado alguns extremos de temperatura ainda maiores, esses foram confinados à área sobre a água do próprio Golfo, não sobre a terra. No caso da planície norte da China, “é aqui que as pessoas vivem”, diz Eltahir.

O índice chave para determinar a capacidade de sobrevivência em clima quente, explica Eltahir, envolve a combinação de calor e umidade, conforme determinado por uma medição chamada temperatura de bulbo úmido. Ele é medido literalmente por envolver um pano úmido ao redor do bulbo (ou sensor) de um termômetro, para que a evaporação da água possa resfriar o bulbo. A 100 por cento de umidade, sem evaporação possível, a temperatura do bulbo úmido é igual à temperatura real.

Essa medida reflete o efeito de extremos de temperatura em uma pessoa a céu aberto, que depende da capacidade do corpo de liberar calor através da evaporação do suor da pele. Em uma temperatura de bulbo úmido de 35 graus Celsius, uma pessoa saudável pode não ser capaz de sobreviver ao ar livre por mais de seis horas, mostraram pesquisas. O novo estudo mostra que, em cenários usuais para as emissões de gases de efeito estufa, esse limiar será atingido várias vezes na região do PCN entre 2070 e 2100.

“Este ponto será o ponto mais quente para ondas de calor mortais no futuro, especialmente sob a mudança climática”, diz Eltahir. E sinais desse futuro já começaram: houve um aumento substancial nas ondas de calor extremas no PCN já nos últimos 50 anos, mostra o estudo. O aquecimento nesta região nesse período foi quase o dobro da média global – 0,24 graus Celsius por década versus 0,13. Em 2013, as ondas de calor extremas na região persistiram por até 50 dias e as temperaturas máximas atingiram 38ºC em alguns locais. As principais ondas de calor ocorreram em 2006 e 2013, quebrando recordes. Xangai, a maior cidade do leste da China, quebrou um recorde de temperatura de 141 anos em 2013, e dezenas morreram.

Para chegar a suas projeções, Eltahir e Kang fizeram simulações detalhadas do modelo climático da área do PCN – que abrange cerca de 4.000 quilômetros quadrados – nos últimos 30 anos. Eles então selecionaram apenas os modelos que fizeram o melhor trabalho de combinar as condições reais observadas no período passado e usaram esses modelos para projetar o clima futuro ao longo de 30 anos no final deste século. Eles usaram dois cenários futuros diferentes: business as usual, sem novos esforços para reduzir as emissões; e reduções moderadas nas emissões, usando cenários padrão desenvolvidos pelo Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima. Cada versão foi executada de duas maneiras diferentes: uma incluindo os efeitos da irrigação e outra sem irrigação.

Uma das descobertas surpreendentes foi a contribuição significativa da irrigação para o problema – em média, acrescentando cerca de meio grau Celsius ao aquecimento global na região que ocorreria de outra forma. Isso porque, embora a umidade extra no ar produza algum efeito de resfriamento local ao nível do solo, isso é mais do que compensado pelo estresse fisiológico adicional imposto pela maior umidade, e pelo fato de que o vapor extra de água – um poderoso gás de efeito estufa – contribui para um aquecimento global da massa de ar.

“A irrigação agrava o impacto da mudança climática”, diz Eltahir. De fato, relatam os pesquisadores, o efeito combinado, conforme projetado pelos modelos, é um pouco maior na soma dos impactos individuais da irrigação ou da mudança climática, por razões que exigirão mais pesquisas.

A linha de fundo, como os pesquisadores escrevem no artigo, é a importância de reduzir as emissões de gases de efeito estufa, a fim de reduzir a probabilidade de tais condições extremas. Eles concluem: “A China é atualmente o maior contribuinte para as emissões de gases de efeito estufa, com implicações potencialmente sérias para sua própria população: A continuação do padrão atual de emissões globais pode limitar a habitabilidade da região mais populosa do país mais populoso da Terra. ”

Referência:
North China Plain threatened by deadly heatwavesdue to climate change and irrigation
Suchul Kang & Elfatih A.B. Eltahir
Nature Communications
DOI: 10.1038/s41467-018-05252-y
https://www.nature.com/articles/s41467-018-05252-y.epdf?author_access_token=t6nQp_IhfAfEhYGHD2PPiNRgN0jAjWel9jnR3ZoTv0OlNTCn7V3lS_xMUTRD84MrjLPQIdxJVNEj43qF8pmuzHrURlUJJ1plNunWPKFEIF5FMgB59U-OM2PmsPbpstkCN8UzzeGYu_Pe-XzAQg-YDA%3D%3D

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 01/08/2018

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top