Morar perto de turbinas eólicas afeta negativamente a saúde humana?

 

Parque eólico.
Credito: Água Clara

 

American Institute of Physics*

Algumas pessoas relatam distúrbios do sono pelo ruído audível e subaudível das turbinas eólicas; pesquisadores no Canadá reavaliaram as descobertas de um estudo anterior sobre a relação entre ruído e saúde

As turbinas eólicas são uma fonte de energia limpa e renovável, mas algumas pessoas que moram nas proximidades descrevem a oscilação da sombra, os sons audíveis e os níveis subaudíveis de pressão sonora como “irritantes”. Eles alegam que esse incômodo afeta negativamente sua qualidade de vida.

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Toronto e Ramboll, uma empresa de engenharia que financia o trabalho, começou a investigar como a distância residencial das turbinas eólicas – dentro de uma faixa de 600 metros (1.968,5 pés) a 10 quilômetros (6,2 milhas) – – afeta a saúde das pessoas.

Eles reanalisaram os dados coletados para o “Community Noise and Health Study” [“Estudo sobre Ruído e Saúde da Comunidade”], de maio a setembro de 2013, pelo Statistics Canada, o escritório nacional de estatística. A equipe relata sua nova análise no Journal of the Acoustical Society of America .

“O Estudo de Ruído e Saúde da Comunidade gerou dados úteis para estudar a relação entre a exposição de turbinas eólicas e a saúde humana – incluindo incômodos e distúrbios do sono”, disse Rebecca Barry, autora do estudo. “Seus resultados originais examinaram o ruído modelado da turbina eólica baseado em uma variedade de fatores – fonte de potência sonora, distância, topografia e meteorologia, entre outros.”

A nova avaliação da equipe confirmou as descobertas iniciais do Statistics Canada. “Os entrevistados que vivem em áreas com níveis mais altos de valores sonoros modelados (40 a 46 decibéis) relataram mais aborrecimentos do que os entrevistados em áreas com níveis mais baixos de valores sonoros modelados (<25 dB)”, disse Barry. Sem surpresa, os entrevistados da pesquisa que vivem mais perto das turbinas “tinham mais probabilidade de relatar estarem irritados do que os entrevistados que moram mais longe”.

O estudo anterior do Statistics Canada não encontrou ligação direta entre a distância dos residentes às turbinas eólicas e os distúrbios do sono (medidos pelas avaliações do sono e pelo Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh), pressão sangüínea ou estresse (auto-relatado ou medido pelo cortisol capilar). No entanto, o estudo mais recente mostrou que os respondentes da pesquisa mais próximos das turbinas eólicas relataram classificações mais baixas para sua qualidade de vida ambiental. Barry e seus co-autores observam que seu estudo transversal não consegue distinguir se esses entrevistados estavam insatisfeitos antes da instalação das turbinas eólicas.

“Turbinas eólicas podem ter sido colocadas em locais onde os moradores já estavam preocupados com sua qualidade de vida ambiental”, disse Sandra Sulsky, pesquisadora da Ramboll. “Além disso, como é o caso de todas as pesquisas, os entrevistados que escolheram participar podem ter pontos de vista ou experiências diferentes daqueles que escolheram não participar. Os entrevistados da pesquisa podem ter participado precisamente para expressar sua insatisfação, enquanto aqueles que não participaram poderiam não tem preocupações sobre as turbinas “.

O estudo mais recente da equipe não encontrou evidências de que a exposição às turbinas eólicas realmente afeta a saúde humana, mas no futuro, “medir as percepções e preocupações da população antes e depois da instalação das turbinas pode ajudar a esclarecer quais efeitos – se houver – a exposição às turbinas eólicas pode ter na qualidade de vida “, disse Sulsky.

Referência:

Using residential proximity to wind turbines as an alternative exposure measure to investigate the association between wind turbines and human health featured
Rebecca Barry, Sandra I. Sulsky, and Nancy Kreiger
The Journal of the Acoustical Society of America 143, 3278 (2018); https://doi.org/10.1121/1.5039840

Referências adicionais:

 

  • 1.Babisch, W., Ising, H., and Gallacher, J. E. J. (2003). “Health status as a potential effect modifier of the relation between noise annoyance and incidence of ischaemic heart disease,” Occup. Environ. Med. 60, 739–745https://doi.org/10.1136/oem.60.10.739Google ScholarCrossrefCAS
  • 2.Feder, K., Michaud, D. S., Keith, S. E., Voicescu, S. A., Marro, L., Than, J., Guay, M., Denning, A., Bower, T. J., Lavigne, E., Whelan, C., and van den Berg, F. (2015). “An assessment of quality of life using the WHOQOL-BREF among participants living in the vicinity of wind turbines,” Environ. Res. 142, 227–238https://doi.org/10.1016/j.envres.2015.06.043Google ScholarCrossrefCAS
  • 3.Jakobsen, J. (2001). “Danish guidelines on environmental low frequency noise, infrasound and vibration,” Low Freq. Noise, Vib. Act. Control 20(3), 141–148https://doi.org/10.1260/0263092011493091Google ScholarCrossref
  • 4.Jewell, N. (2003). “Goodness of fit tests for logistic regression models and model building,” in Statistics for Epidemiology ( CRC PressBoca Raton, FL), pp. 246–250Google Scholar
  • 5.Keith, S. E., Feder, K., Voicescu, S. A., Soukhovtsev, V., Denning, A., Tsang, J., Broner, N., Richarz, W., and van den Berg, F. (2016). “Wind turbine sound power measurements,” J. Acoust. Soc. Am. 139(3), 1431–1435https://doi.org/10.1121/1.4942405Google ScholarScitationISI
  • 6.Maschke, C., and Niemann, H. (2007). “Health effects of annoyance induced by neighbour noise,” Noise Control Eng. J. 55(3), 348–356https://doi.org/10.3397/1.2741308Google ScholarCrossref
  • 7.McCunney, R. J., Mundt, K. A., Colby, W. D., Dobie, R., Kaliski, K., and Blais, M. (2014). “Wind turbines and health: A critical review of the scientific literature,” J. Occup. Environ. Med. 56(11), e108–e130https://doi.org/10.1097/JOM.0000000000000313Google ScholarCrossref
  • 8.Michaud, D. S. (2015). “Wind turbine noise and health study: Summary of results,” in 6th International Meeting on Wind Turbine Noise, Glasgow. Google Scholar
  • 9.Michaud, D. S., Keith, S. E., Feder, K., and Bower, T. (2012). “Health impacts and exposure to wind turbine noise: Research design and noise exposure assessment,” in INTER-NOISE and NOISE-CON Congress and Conference Proceedings, pp. 10297–10304Google Scholar
  • 10.Michaud, D. S., Keith, S. E., Feder, K., Voicescu, S. A., Marro, L., Than, J., Guay, M., Bower, T., Denning, A., Lavigine, E., Whelan, C., Janssen, S. A., Leroux, T., and van den Berg, F. (2016). “Personal and situational variables associated with wind turbine noise annoyance,” J. Acoust. Soc. Am. 139(3), 1455–1466https://doi.org/10.1121/1.4942390Google ScholarScitationISI
  • 11.Onakpoya, I. J., O’Sullivan, J., Thompson, M. J., and Heneghan, C. J. (2015). “The effect of wind turbine noise on sleep and quality of life: A systematic review and meta-analysis of observational studies,” Environ. Int. 82, 1–9https://doi.org/10.1016/j.envint.2015.04.014Google ScholarCrossref
  • 12.SAS Institute (2013). The SAS System for Windows 9.4. Cary, NC. Google Scholar
  • 13.Shepherd, D., McBride, D., Welch, D., Dirks, K. N., and Hill, E. M. (2011). “Evaluating the impact of wind turbine noise on health-related quality of life,” Noise Health 13(54), 333–339https://doi.org/10.4103/1463-1741.85502Google ScholarCrossref
  • 14.Song, K., Di, G., Xu, Y., and Chen, X. (2016). “Community survey on noise impacts induced by 2 MW wind turbines in China,” J. Low Freq. Noise, Vib. Act. Control 35(4) 279–290https://doi.org/10.1177/0263092316676399Google ScholarCrossref
  • 15.The WHOQOL Group. (1998). “Development of the World Health Organization WHOQOL-BREF quality of life assessment,” Psychol. Med. 28(3), 551–558https://doi.org/10.1017/S0033291798006667Google ScholarCrossref

 

 

 

*Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 06/06/2018

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Morar perto de turbinas eólicas afeta negativamente a saúde humana?

  1. Se entendi bem o teor do artigo a pesquisa concluiu que não deveria ter sido realizada, pois seus dados nunca seriam confiáveis…
    É muito pra cabeça…

Comentários encerrados.

Top