Notícias falsas (fake news) ‘viajam’ mais rápido do que histórias verdadeiras

 

O projeto de pesquisa descobre que humanos, e não bots, são os principais responsáveis pela disseminação de informações enganosas.

MIT News Office*

Notícias falsas (fake news) 'viajam' mais rápido do que histórias verdadeiras
Fig. 1
Rumores em cascata – ( A ) Um exemplo de cascata de rumores coletada pelo nosso método, bem como sua profundidade, tamanho, largura máxima e virality estrutural ao longo do tempo. “Nodes” são usuários. ( B ) As funções de distribuição cumulativa complementares (CCDFs) de cascatas verdadeiras, falsas e misturadas (parcialmente verdadeiras e parcialmente falsas), medindo a fração de rumores que exibem um determinado número de cascatas. ( C ) Contas trimestrais de todas as cascatas de rumores verdadeiras, falsas e misturadas que se espalharam no Twitter entre 2006 e 2017, anotadas com rumores de exemplo em cada categoria. ( D ) Os CCDFs de cascatas políticas verdadeiras, falsas e misturadas. ( E) Contagens trimestrais de todas as cascatas de rumores políticos verdadeiros, falsos e mistos que se espalharam no Twitter entre 2006 e 2017, anotados com rumores de exemplo em cada categoria. ( F ) Um histograma do número total de cascatas de rumores em nossos dados nas sete categorias tópicas mais freqüentes.

 

Um novo estudo de três estudiosos do MIT descobriu que as notícias falsas se espalham mais rapidamente na rede social do Twitter do que as notícias reais – e por uma margem substancial.

“Descobrimos que a falsidade se distribui significativamente mais, mais rápido, mais profundo e mais amplamente do que a verdade, em todas as categorias de informação e, em muitos casos, por uma ordem de grandeza”, diz Sinan Aral, professor da Escola de Gestão de MIT Sloan e co-autor de um novo artigo detalhando as descobertas.

“Essas descobertas lançam novas luzes sobre os aspectos fundamentais do nosso ecossistema de comunicação on-line”, diz Deb Roy, professor associado de artes e ciências dos meios de comunicação no MIT Media Lab e diretor do laboratório de mídia social para máquinas sociais (LSM), que também é um co-autor do estudo. Roy acrescenta que os pesquisadores estavam “em algum lugar entre surpreso e atordoado” nas diferentes trajetórias de notícias verdadeiras e falsas no Twitter.

Além disso, descobriram os estudiosos, a disseminação de informações falsas não se deve essencialmente a bots programados para disseminar histórias inexatas. Em vez disso, a notícia falsa avança mais rápido em torno do Twitter, devido às pessoas que revezam notícias imprecisas.

“Quando removemos todos os bots em nosso conjunto de dados, [as] diferenças entre a propagação de notícia falsa e verdadeira”, diz Soroush Vosoughi, co-autor do novo artigo e pós-doutorado da LSM, cuja pesquisa de doutorado ajudou a dar origem para o estudo atual.

O estudo fornece uma variedade de formas de quantificar esse fenômeno: por exemplo, notícias falsas são 70 por cento mais propensas a serem retuitadas do que as histórias verdadeiras são. Também leva histórias verdadeiras cerca de seis vezes mais para chegar a 1.500 pessoas, como acontece com histórias falsas para alcançar o mesmo número de pessoas. Quando se trata de “cascatas” do Twitter, ou cadeias de retuítes intactas, as falsidades atingem uma profundidade em cascata aproximadamente 20 vezes mais rápida que os fatos. E as falsidades são retuitadas por usuários únicos mais amplamente do que declarações verdadeiras em cada profundidade de cascata.

Referência:

The spread of true and false news online
Soroush Vosoughi, Deb Roy, Sinan Aral
Science 09 Mar 2018:
Vol. 359, Issue 6380, pp. 1146-1151
DOI: 10.1126/science.aap9559
http://science.sciencemag.org/content/359/6380/1146.full

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 09/03/2018

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top