Modelo matemático determina a quantidade de Bisfenol A (BPA) que atinge o feto através da mãe

 

pesquisa

 

Universitat Rovira i Virgili*

Esta pesquisa pode ser extremamente útil para prever o risco de desenvolver distúrbios metabólicos, imunológicos ou reprodutivos e doenças neurológicas causadas por este produto químico

Bisfenol A (BPA) é um plastificante que está presente em uma grande variedade de alimentos, cosméticos, embalagens, pasta de dentes e brinquedos, entre outros produtos. É diferente de outros produtos químicos em que ele se degrada muito rapidamente e é facilmente descarregado do corpo. No entanto, a exposição é praticamente contínua e antes de ter sido totalmente degradada, mais foi consumido, o que significa que o corpo nunca o esvazia completamente. Além disso, o metabolismo dos fetos é mais lento e a função de degradação é menos desenvolvida. Isso significa que o bisfenol A permanece em seu organismo por mais tempo do que em adultos e representa um maior risco para a saúde.

Vários estudos mostraram que, quando o bisfenol entra em contato com o organismo das mulheres grávidas, pode atravessar a placenta e atingir o feto. Entre outras coisas, a exposição a esta toxina pode ter efeitos negativos sobre a fertilidade, o desenvolvimento do cérebro e mudanças comportamentais na idade adulta. Até agora, no entanto, nenhum método foi disponível para quantificar a quantidade de composto que pode atingir o feto através da mãe.

Agora, pesquisadores do Centro de Tecnología Ambiental Alimentaria y Toxicológica (TecnATox) criaram um modelo matemático que pode calcular essa quantidade e a usaram com uma amostra de 100 mulheres grávidas para determinar como o bisfenol A se comporta no organismo e quais as consequências pode ter sobre a futura saúde das crianças.

Os pesquisadores, liderados por Marta Schuhmacher, desenvolveram um modelo farmacocinético conhecido como P-PBPK, que é “feito sob medida” para cada pessoa no estudo: detecta o momento em que o bisfenol A entra em contato com o organismo por ingestão, inalação ou a pele. A partir deste ponto, o modelo o monitora e analisa os efeitos que tem durante sua jornada através do organismo até que ele seja descarregado do corpo.

Exatamente como o bisfenol A reage quando está no corpo, depende de cada pessoa e uma grande variedade de variáveis (tamanho, idade, tipo de respiração, se a medicação está sendo tomada ou não, etc.). O modelo que foi projetado na URV permite personalizar toda essa informação em tempo real, revela o momento em que o feto está mais exposto ao produto químico – neste caso, após seis meses de gravidez. Ele também fornece determinações mais precisas dos efeitos que a exposição a este composto pode ter sobre a saúde de um indivíduo.

Os pesquisadores monitoraram as mulheres no estudo após o primeiro período de gravidez, após o nascimento e depois durante a amamentação. Por enquanto, a pesquisa determinou quanto o bisfenol A atinge o feto através da mãe e agora eles estão estudando os efeitos que tem em cada caso particular. Isso significa que podem ser feitas recomendações personalizadas sobre mudanças de hábitos e dieta para reduzir o impacto desse produto químico.

O desafio agora é determinar quais as probabilidades que os pacientes têm de desenvolver distúrbios metabólicos, problemas reprodutivos, condições imunológicas ou doenças neurodegenerativas, como Parkinson ou Alzheimer, uma vez que a concentração deste composto no organismo pode afetar a ação de certos biomarcadores que predispõem a essas doenças .

Esta pesquisa faz parte do projeto europeu HEALS (Associações de saúde e meio ambiente através de grandes pesquisas populacionais), em que participam 29 escolas secundárias e centros de pesquisa.

Referência:

R.P. Sharma, M. Schuhmacher, V. Kumar . “The development of a pregnancy PBPK Model for Bisphenol A and its evaluation with the available biomonitoring data”. Science of the Total Environment 624 (2018) 55–68. DOI: https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2017.12.023

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 08/03/2018

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top