Repensando nossa visão sobre as florestas tropicais

 

Caros colegas,

De vez em quando, surge um artigo que sugere rever a nossa visão de mundo. Para aqueles que estudam as florestas tropicais do mundo, o anexo – que acabou de aparecer no PNAS – é um desses papéis.

Notavelmente, a distinção antiga entre as florestas tropicais “Velho Mundo” e “Novo Mundo” é uma falsa dicotomia.

Em vez disso, as florestas tropicais podem ser agrupadas em floras “americanas” e “africanas”, que são elas mesmas bastante alinhadas de forma evolutiva.

Muito distintivo dessss dois modelos é a flora “Indo-Pacífico”, que, notavelmente, inclui não apenas florestas tropicais da região da Ásia-Pacífico, mas também se estende até Madagascar e África Oriental.

Existem outras tendências notáveis: por exemplo, em todo o planeta, as florestas secas tropicais são praticamente um único modelo, em um nível amplo.

Essas descobertas manterão os biogeógrafo acordados à noite – tentando repensar como eles vêem o mundo. Em particular, a idéia de que as florestas tropicais africanas contém um elemento africano distintivo (na África Central e Ocidental) e um elemento Indo-Pacífico completamente diferente e altamente distinto (na África Oriental) é suficiente para motivar a mente, tudo por si só.

Recomendo a leitura do estudo [ ‘Phylogenetic classification of the world’s tropical forestshttps://doi.org/10.1073/pnas.1714977115 ], do qual sou apenas um co-autor menor. Ferry Slik liderou este estudo notável.

 

Phylogenetic classification of the world’s tropical forests
Mapas de classificação das florestas tropicais do mundo, mostrando dois (A), três (B), quatro (C) e cinco (D) clusters. O resultado do cluster representa uma árvore de consenso de regra da maioria, com a porcentagem de vezes que cada agrupamento foi observado nas 20 análises de cluster separadas mostradas em D. Somente locais que podem ser classificados com certeza (P <0,05) são mostrados (n = 392).

 

Referência:

Phylogenetic classification of the world’s tropical forests
Proceedings of the National Academy of Sciences Feb 2018, 201714977; DOI: 10.1073/pnas.1714977115
https://doi.org/10.1073/pnas.1714977115

 

Cordialmente

Bill

William F. Laurance, PhD, FAA, FAAAS, FRSQ
Distinguished Research Professor
Australian Laureate & Prince Bernhard Chair in International Nature Conservation (Emeritus)
Director of the Centre for Tropical Environmental and Sustainability Science (TESS)
Director of ALERT (ALERT-conservation.org)

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 09/02/2018

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top