20 por cento mais árvores em megacidades significariam ar e água mais limpas, menor consumo de energia

 

Floresta da Tijuca, RJ. Foto: EBC
Floresta da Tijuca, RJ. Foto: EBC

 

20 por cento mais árvores em megacidades significariam ar e água mais limpas, menor consumo de energia

Por Jason Awerdick, Elsevier*

Plantar 20% mais árvores em nossas megacidades dobraria os benefícios das florestas urbanas, como redução de poluição, sequestro de carbono e redução de energia, de acordo com um estudo publicado em Ecological Modelling .

Os autores do estudo, que foi realizado na Universidade Parthenope de Nápoles, na Itália, dizem que os planejadores das cidades, os moradores e outras partes interessadas devem começar a procurar dentro das cidades recursos naturais e conservar a natureza em nossas áreas urbanas plantando mais árvores. Seu trabalho foi selecionado por um comitê científico internacional para receber o prêmio Atlas.

Quase 10 por cento da população mundial vive em megacidades – cidades de pelo menos 10 milhões de pessoas. Enquanto essas pessoas geralmente dependem da natureza fora da cidade por sua alimentação e recreação, a natureza dentro da cidade sob a forma de florestas urbanas pode proporcionar enormes benefícios. Uma floresta urbana contém a única árvore no quintal de alguém, a fileira de árvores ao longo de uma rua ou uma área arborizada em um parque público; Juntar-se a essas áreas com árvores adicionais amplia o tamanho da floresta urbana.

Foram estudados muitos exemplos famosos de florestas urbanas nas megacidades, desde o Central Park em Nova York até o St. James Park em Londres e o Bosque de Chapultepec na Cidade do México. Em média, cerca de 20% da área de cada uma das megacidades do mundo é hoje a floresta urbana. Mas o novo estudo revela que outros 20% poderiam ser transformados em florestas – algo que mudaria a vida dos moradores para melhor.

“Ao cultivar as árvores dentro da cidade, os residentes e os visitantes recebem benefícios diretos”, explicou Theodore Endreny, Ph.D., PH, PE, autor principal do trabalho e agora professor do Departamento de Engenharia de Recursos Ambientais da Universidade Estadual de New York ESF campus. “Eles estão recebendo uma limpeza imediata do ar que está ao seu redor. Eles estão recebendo esse resfriamento direto da árvore, e até comida e outros produtos. Existe potencial para aumentar a cobertura das florestas urbanas em nossas megacidades, e isso faria elas mais sustentáveis, melhores lugares para viver “.

No estudo, a equipe usou uma ferramenta chamada i-Tree Canopy para estimar a atual cobertura arbórea nas cidades e o potencial para uma maior cobertura florestal urbana, e elaborou os benefícios que trariam. Eles estimaram a cobertura atual da árvore em dez megacidades nos cinco continentes, analisaram os benefícios das florestas urbanas – incluindo a remoção de poluição do ar, economia de energia e fornecimento de alimentos – e aproximou o valor atual desses benefícios em mais de US $ 500 milhões por ano.

Criando um modelo para cada megacidade, eles estimaram benefícios como reduções na poluição do ar, escoamento retardado de águas pluviais, energia de construção e emissões de carbono e avaliaram como esses benefícios mudaram à medida que a cobertura da árvore aumentou. O modelo levou em conta a cobertura da árvore local, população humana, poluição do ar, clima, uso de energia e poder de compra. A equipe ficou surpresa ao descobrir que cada cidade tem o potencial de hospedar uma cobertura adicional de 20 por cento da floresta urbana.

No entanto, os planejadores e as autoridades da cidade precisarão mudar sua percepção dos recursos naturais disponíveis para as cidades antes que os residentes possam aproveitar os benefícios de mais árvores: quanto menos cidades dependerem da natureza fora da área metropolitana e quanto mais se concentrem nas terras na conservação da natureza dentro da cidades, mais saudáveis e sustentáveis serão essas cidades.

“Todos podem agir para aumentar as áreas da floresta urbana em nossas cidades, não apenas os planejadores da cidade”, acrescentou o Dr. Endreny. “Você pode visitar o recurso gratuito itreetools.org para descobrir quanta cobertura há em sua cidade agora, descubra onde você poderia plantar mais árvores em sua área e ver como os benefícios da floresta urbana aumentam à medida que mais árvores são plantadas. ”

 

Referência:

Implementing and managing urban forests: A much needed conservation strategy to increase ecosystem services and urban wellbeing
Ecological Modelling
Volume 360, 24 September 2017, Pages 328-335
https://doi.org/10.1016/j.ecolmodel.2017.07.016

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 23/01/2018

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “20 por cento mais árvores em megacidades significariam ar e água mais limpas, menor consumo de energia

  1. Estimular o cidadão individualizado a plantar mais árvores em sua cidade, tudo bem, mal não fará. Mas há que se entender que sem uma política pública voltada especificamente à criação de bosques urbanos florestados, com recursos e instrumentos legais para tanto, pouco se terá de efetivo na intenção de aumentar a massa verde florestada de nossas metrópoles. Uma boa meta seria termos ao menos 12% da área de cada sub-bacia hidrográfica urbana coberta por bosques florestados. Esses seriam nossos piscinões verdes, que além da melhoria na qualidade ambiental cumpririam fundamental papel na redução das enchentes urbanas.

  2. Belo Horizonte sempre teve uma política de respeito ao verde e já foi chamada de Cidade Jardim.
    Os habitantes plantam árvores nos locais onde as velhas árvores plantadas pela Prefeitura já morreram. Os próprios pássaros ajudam a semear as sementes. Não é raro nos depararmos com uma goiabeira em passeios públicos.

Comentários encerrados.

Top