Com aumento da temperatura e secas extremas, Amazônia pode ter incêndios mais intensos nas próximas décadas

 

queimada

 

Por Bianca Paiva, da Radioagência Nacional

O Brasil registrou neste mês o maior número de queimadas de todos os tempos. Foram mais de 90 mil focos em pouco mais de 20 dias. E o cenário para o futuro não é nada animador, principalmente, para a floresta amazônica.

 

 

Um estudo feito por pesquisadores brasileiros e publicado recentemente em uma revista internacional científica criou um modelo que avaliou como ficaria a situação na região em 50 anos levando em consideração o crescente aumento da temperatura, das queimadas e uma seca extrema.

É o que explica um dos autores da pesquisa, o estudante de doutorado da Universidade Federal de Viçosa (UFV) Bruno Lopes.

“No futuro a intensidade do fogo tende a ser muito mais forte do que atualmente. As secas mais intensas vão fazer o solo ficar mais seco, vai forçar a perda de folhas e galhos, e esse material, que a gente chama de material combustível, vai se acumular no solo da floresta e vai fazer com que a floresta fique muito mais vulnerável a incêndios de alta intensidade. Grandes áreas vão ficar extremamente vulneráveis se tiver uma fonte de ignição. Então, no futuro, grande áreas da floresta podem se tornar inflamáveis.”

A pesquisa prevê que, caso ocorra uma seca na Amazônia entre os anos de 2040 e 2069, como as históricas registradas em 2005 e em 2010, uma área de cerca de 550 mil quilômetros quadrados, maior que a França, poderá ser impactada por incêndios florestais intensos.

O resultado disso, segundo o pesquisador, é que as emissões de carbono podem aumentar em até 90%.

“Considerando o mesmo fogo que teve em 2005, se ele ocorresse no futuro na atmosfera, com esse cenário, com a temperatura um pouco mais alta e com seca, esse fogo seria mais intenso e até mais letal para as árvores. Poderia aumentar as emissões de carbono devido a mortalidade de árvores por fogo. As árvores da Amazônia não estão preparadas para isso. Chegando a uma certa intensidade, pode matar uma quantidade maior de árvores”.

De acordo com Bruno Lopes, a ideia da pesquisa foi traçar um cenário para o futuro e, a partir dos resultados, estimular o desenvolvimento de políticas públicas que ajudem a prevenir um desastre ambiental.

O estudo foi desenvolvido em uma área de floresta, no município de Querência (MT), onde o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) realiza experimentos. Pesquisadores da entidade também participaram do trabalho.

** Nota da redação EcoDebate: O estudo, publicado na revista Environmental Research Letters dentro da edição especial Focus on Changing Fire Regimes, considera o aumento da temperatura e a diminuição da precipitação como os principais fatores para a frequente intensidade de fogo no futuro.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 26/09/2017

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

3 comentários em “Com aumento da temperatura e secas extremas, Amazônia pode ter incêndios mais intensos nas próximas décadas

  1. Puxa, e qual é a revista científica? Qual o nome do estudo? Nem todo mundo pode ouvir o áudio (como é o meu caso, não sei se ele revela o que perguntei), por favor, não deixem esses dados básicos fora da descrição em texto.

  2. Mariana,

    Sua crítica é absolutamente correta. O estudo, publicado na revista Environmental Research Letters dentro da edição especial Focus on Changing Fire Regimes, considera o aumento da temperatura e a diminuição da precipitação como os principais fatores para a frequente intensidade de fogo no futuro. O link para o estudo é http://iopscience.iop.org/article/10.1088/1748-9326/aa69ce

    A matéria foi editada. Atenciosamente, redação da EcoDebate

Comentários encerrados.

Top