O clima extremo tem um efeito limitado nas atitudes em relação às políticas climáticas

 

Furacão Irma sobre o Caribe, o mais forte registrado no Oceano Atlântico
Furacão Irma sobre o Caribe, o mais forte registrado no Oceano Atlântico. Foto: Divulgação/Nasa

 

Indiana University*

As pessoas que recentemente sofreram eventos climáticos severos, como inundações, tempestades e secas, são mais propensas a apoiar políticas para se adaptarem aos efeitos das mudanças climáticas, de acordo com um novo estudo coautor de um pesquisador da Universidade de Indiana.

Mas a relação entre a exposição ao clima extremo e o apoio às políticas climáticas é pequena, conclui o estudo. E desaparece rapidamente; um mês após um evento climático extremo, não houve efeito.

“As pessoas respondem ao clima recente, seja picos de temperatura, tempestades severas ou outros eventos”, disse David Konisky, professor associado da Escola de Assuntos Públicos e Ambientais e autor do estudo. “Mas os efeitos são pequenos. O tempo extremo é muito menos significativo do que outros fatores quando se trata de atitudes em relação ao clima”.

Um clima de aquecimento está aumentando a frequência e severidade de eventos climáticos extremos, de acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. Parece seguir-se que experimentar um clima extremo tornaria as pessoas mais favoráveis ??às políticas para se adaptar às mudanças climáticas. O estudo sugere que isso pode acontecer, mas apenas para o curto prazo e não na medida em que possa ser esperado.

Konisky disse que o efeito da experiência de climas extremos ao lado de outros fatores que influenciam as atitudes em relação às políticas climáticas, como as convicções políticas e a filiação partidária.

“As pessoas estão bastante seguras de onde estão em relação à mudança climática e o clima extremo não move muito a agulha”, disse ele.

Os pesquisadores examinaram as respostas da pesquisa do estudo de eleição do Congresso Cooperativo e correlacionaram-nos com os dados do banco de dados de eventos de tempestade do Serviço Meteorológico Nacional. Eles se concentraram em três políticas de adaptação climática: restrições ao desenvolvimento costeiro, limites ao uso residencial de água residencial e regulação do escoamento de águas pluviais de propriedades residenciais.

As três políticas beneficiaram de um apoio considerável, mas os entrevistados que experimentaram um clima recente e extremo expressaram um apoio modestamente mais forte do que outros entrevistados.

Os pesquisadores também buscaram correlações entre eventos climáticos extremos e apoio a políticas para se adaptar a esses eventos particulares – por exemplo, inundações costeiras e restrições ao desenvolvimento costeiro. Lá também, eles encontraram apenas correções modestas.

O estudo incluiu uma grande variedade de eventos climáticos severos, disse Konisky, e suas descobertas não se aplicam inteiramente aos eventos de captação de títulos como as inundações do Texas causadas pelo furacão Harvey ou a ameaça à Flórida pelo furacão Irma. Mas isso sugere que mesmo o clima catastrófico pode não mudar as atitudes tanto quanto muitas pessoas esperam.

O estudo, “Extreme weather exposure and support for climate change adaptation“, está na revista Global Environmental Change . Outros autores são Aaron Ray da Universidade Americana, Llewelyn Hughes da Universidade Nacional Australiana e Charles Kaylor da Universidade Temple.

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/09/2017

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top