Regiões áridas podem enfrentar aquecimento de 4°C sob o objetivo do Acordo de Paris

 

O objetivo do acordo de Paris, de limitar o aquecimento global médio a menos de dois graus Celsius, é insuficiente para proteger as terras secas do mundo, diz um novo estudo.

Por Madhukara Putty*, SciDev.Net

 

Regiões áridas podem enfrentar aquecimento de 4°C sob o objetivo do Acordo de Paris
O Acordo de Paris visa limitar o aquecimento médio global da superfície a menos de 2 ° C em relação aos níveis pré-industriais1, 2, 3. No entanto, mostramos que esse objetivo é aceitável somente para terras úmidas, enquanto que As terras secas terão maiores riscos de aquecimento. Ao longo do século passado, o aquecimento superficial das terras secas globais (1,2-1,3 ° C) foi 20-40% maior que o das terras úmidas (0,8-1,0 ° C), enquanto as emissões de CO2 antropogênicas geradas a partir de terras secas (~ 230 Gt) Foi apenas ~ 30% daquelas geradas a partir de terras úmidas (~ 750 Gt). Para o século XXI, o aquecimento de 3,2-4,0 ° C (2,4-2,6 ° C) sobre as terras secas (terras úmidas) pode ocorrer quando o aquecimento global atinge 2,0 ° C, indicando um aumento de 44% sobre as terras secas do que as terras úmidas. Diminuição da produção de milho e escorrência, aumento da seca duradoura e condições mais favoráveis para a transmissão da malária são maiores em áreas secas se o aquecimento global subisse de 1,5 ° C a 2,0 ° C. Nossas análises indicam que ~ 38% da população mundial que vive em terras secas sofreria os efeitos das mudanças climáticas devido a emissões principalmente de terras úmidas. Se o limite de aquecimento de 1,5 ° C fosse atingido, o aquecimento médio em áreas secas poderia estar dentro de 3,0 ° C; Portanto, é necessário manter o aquecimento global dentro de 1,5 ° C para evitar efeitos desastrosos sobre as terras secas.

 

O estudo, publicado on-line em Nature Climate Change, também sugere que reduzir o objetivo do aquecimento global a 1,5 graus Celsius é benéfico tanto para as terras áridas como para as regiões úmidas.

Essas descobertas são importantes para a Ásia-Pacífico, uma região com terras secas e úmidas. As regiões que cercam o deserto de Thar no oeste da Índia estão secas, enquanto o nordeste está entre as áreas mais úmidas do mundo. Os países do Sudeste Asiático são extremamente úmidos.

“A maioria dos países com terras secas são países em desenvolvimento com pouca representação”, diz Jianping Huang, diretor e cientista-chefe do Laboratório Chave de Mudanças Climáticas Semi-Áridas na China, que concebeu o estudo. Ele acredita que reduzir o objetivo do aquecimento para 1,5 graus Celsius pode reduzir a carga sobre as terras secas e também beneficiar os países úmidos. O aumento de temperatura resultante do objetivo do Acordo de Paris pode resultar em rendimentos de milho reduzidos, secas mais longas e criar condições climáticas favoráveis à transmissão da malária . Além disso, os países com terras secas não são suficientemente considerados nos diálogos climáticos globais, como o Acordo de Paris.

Shalander Kumar, cientista principal do Instituto Internacional de Pesquisa de Culturas para os Trópicos Semi-áridos na Índia, afirma que o estudo proporciona uma melhor compreensão das contribuições regionais e dos impactos das mudanças climáticas nas regiões úmidas e secas.

Kumar, no entanto, diz que a variação do rendimento das culturas é muito mais complexa. “As mudanças na distribuição das chuvas são susceptíveis de afetar os rendimentos das culturas de forma significativa, enquanto o aumento dos níveis de dióxido de carbono pode ter um impacto positivo nas produções da safra”.

Referência:

Drylands face potential threat under 2°C global warming target
Jianping Huang, Haipeng Yu, Aiguo Dai, Yun Wei & Litai Kang
Nature Climate Change 7, 417–422 (2017) doi:10.1038/nclimate3275
http://www.nature.com/nclimate/journal/vaop/ncurrent/full/nclimate3275.html

 

*Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 17/08/2017

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Regiões áridas podem enfrentar aquecimento de 4°C sob o objetivo do Acordo de Paris

  1. Seria bacana, mas já estamos com aquecimento de 1,2C observado, e como há uma inércia de cerca de 10 anos entre as emissões e o seu efeito (é como se cobrir com um cobertor. Não se fica instantaneamente quente, mas em alguns minutos o frio passa), e os níveis de CO2eq em que estamos agora já são compatíveis com um aquecimento de 1,5C, essa meta já foi. A menos que parássemos todas as emissões agora neste instante, o objetivo de + 1,5C já não é mais alcançável. O que não significa que se deva parar de lutar (pois +2C é melhor que +3C, que é melhor que +4C, etc… ), mas se esses problemas estão previstos para um aquecimento de 2C, seria inteligente começarmos a nos preparar para isso (temos áreas secas no Brasil, na Caatinga) pois o problema já está ali na esquina.

Comentários encerrados.

Top