Aquecimento causado por humanos provavelmente causou a recente tendência de temperaturas recordes

 

pesquisa

 

American Geophysical Union*

É “extremamente improvável” que 2014, 2015 e 2016 teriam sido os anos consecutivos mais quentes registrados sem a influência da mudança climática causada pelo homem, de acordo com os autores de um novo estudo.

Os registros de temperatura foram quebrados pela primeira vez em 2014, quando esse ano se tornou o ano mais quente desde que os registros de temperatura global começaram em 1880. Essas temperaturas foram superadas em 2015 e 2016, fazendo o ano passado o ano mais quente já registrado. Em 2016, a temperatura média global em terra e áreas de superfície do oceano foi de 0,94 graus Celsius (1,69 graus Fahrenheit) acima da média do século 20 de 13,9 graus Celsius (57,0 graus Fahrenheit), de acordo com a NOAA.

Combinando dados históricos de temperatura e simulações de modelos climáticos de última geração, o novo estudo indica que a probabilidade de sofrer temperaturas globais consecutivas de 2014 a 2016 sem que os efeitos das mudanças climáticas fossem causados pelo homem não seriam superiores a 0,03% ea probabilidade de três anos recordes consecutivos acontecer a qualquer momento desde 2000 não é mais de 0,7%. Quando o aquecimento antropogênico é considerado, a probabilidade, de três anos consecutivos temperaturas recordes, vir a ocorrer, a qualquer momento desde 2000, spbe até 50%, de acordo com o novo estudo.

Isso significa que as mudanças climáticas causadas pelo ser humano são muito susceptíveis de responsabilidade para os três anos consecutivos de registros recordes, de acordo com o novo estudo aceito para publicação em Geophysical Research Letters , uma publicação da American Geophysical Union.

“Com as mudanças climáticas, este é o tipo de coisa que esperamos ver. E, sem mudanças climáticas, realmente não esperamos ver isso”, disse Michael Mann, cientista climático da Pennsylvania State University, em State College, Pensilvânia, e principal autor do novo estudo.

Um planeta aquecido

Os gases de efeito estufa, como o dióxido de carbono e o metano, acumulam-se na atmosfera e atraem o calor que, de outra forma, escaparia para o espaço. O excesso de gases de efeito estufa de atividades industriais, como a queima de combustíveis fósseis, captura calor adicional na atmosfera, fazendo com que as temperaturas da Terra aumentem. A temperatura média da superfície do planeta aumentou cerca de 1,1 graus Celsius (2,0 graus Fahrenheit) desde o final do século 19, e os últimos 35 anos viram a maioria do aquecimento, com 16 dos 17 anos mais quentes registrados desde 2001, De acordo com a NASA.

Os cientistas agora estão tentando caracterizar a relação entre altas temperaturas anuais e o aquecimento global causado pelo homem.

Em resposta às últimas temperaturas, de três anos, os autores do novo estudo calcularam a probabilidade de observar uma série de três anos de temperaturas recordes, já que os registros de temperatura global anualmente começaram no final do século 19 e a probabilidade de ver tal registro desde 2000, quando grande parte do aquecimento foi observado. Os autores do estudo determinaram a probabilidade de que esse tipo de evento acontecesse tanto com e sem a influência do aquecimento causado pelo homem.

O estudo considera que, a cada ano, não é independente dos que vêm antes e depois, em contraste com as estimativas anteriores que assumiram que os anos individuais são estatisticamente independentes uns dos outros. Há eventos naturais e humanos que fazem com que as mudanças de temperatura se agrupem, como padrões climáticos como El Niño, o ciclo solar e as erupções vulcânicas, de acordo com Mann.

Quando essa dependência é levada em consideração, a probabilidade de esses três anos consecutivos de gravação ocorrerem desde 1880 é de cerca de 0,03% na ausência de alterações climáticas causadas pelo homem. Quando a tendência de aquecimento a longo prazo das mudanças climáticas causadas pelo homem é considerada, a probabilidade de 2014-2016 serem os anos consecutivos mais quentes registrados desde 1880 eleva-se entre 1 e 3%, de acordo com o estudo.

A probabilidade de que esta série de anos recordes seja observada em algum ponto desde 2000 seria inferior a 0,7% sem a influência da mudança climática causada pelo homem, mas entre 30 e 50% quando a influência das mudanças climáticas causadas pelo homem é considerada.

Se as mudanças climáticas causadas pelo homem não forem consideradas, o aquecimento observado em 2016 teria cerca de uma chance em um milhão, em comparação com uma chance de quase 1 em 3, quando o aquecimento antropogênico é levado em consideração, de acordo com o estudo.

Os resultados tornam difícil ignorar o papel que a mudança climática causada pelo homem está influenciando as temperaturas ao redor do mundo, de acordo com Mann. O aumento das temperaturas globais está relacionado a eventos climáticos mais extremos, como ondas de calor, inundações e secas, que podem prejudicar humanos, animais, agricultura e recursos naturais, disse ele.

“As coisas que provavelmente nos impactarão mais sobre mudanças climáticas não são as médias, são os extremos”, disse Mann. “Se é uma seca extrema, ou inundações extremas, ou ondas de calor extremas, quando se trata de impactos nas mudanças climáticas … muitos eventos climáticos mais impactantes são eventos extremos. Os eventos estão sendo mais frequentes e mais extremos por causa das mudanças climáticas de origem antropogênica”.

Referência:
Mann, M. E., S. K., Miller, S., Rahmstorf, B. A., Steinman, and M., Tingley (2017), Record Temperature Streak Bears Anthropogenic Fingerprint, Geophys. Res. Lett., 44, doi:10.1002/2017GL074056.

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/08/2017

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top