Os quatro anos mais quentes estão na atual década, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

“Na ausência de um ajuste significativo da maneira como bilhões de seres humanos
vivem, partes da Terra provavelmente se tornarão próximas a inabitáveis
e outras partes terrivelmente inóspitas, antes do final deste século”
David Wallace-Wells (09/07/2017)

 

os qautro anos mais quentes da série 1880-2017

 

[EcoDebate] Apesar do frio que atingiu diversas regiões do Brasil e da América do Sul nos meses de junho e julho, o ano de 2017 deve ficar entre os quatro mais quentes da série histórica que começou em 1880. O mundo convive com grandes contrastes dos efeitos climáticos extremos. Enquanto várias regiões do hemisfério Norte marcaram altas recordes de temperatura (como Phoenix no Arizona e Ahvaz no Irã), houve baixas temperaturas em diversas localidades do hemisfério Sul. Ou seja, o aquecimento global não apresenta uma tendência de elevação continua e uniforme, mas sim uma espiral que flutua e varia, mas com inclinação ascendente no longo prazo, como mostra a curva de Keeling (ALVES, 16/11/2016).

A novidade é que os quatro anos mais quentes já registrados estão na atual década. Pela primeira vez, os quatro últimos anos cronológicos também serão os anos mais quentes da série divulgada pela NOAA. No passado, anos de recorde de temperatura como 1998, 2005 e 2010 eram seguidos de anos bem mais frios. Porém, desde 2014, o piso se elevou e as temperaturas entraram em um outro patamar de aquecimento, com 0,74º C acima da média do século XX em 2014, 0,90º C em 2015, 0,94º C em 2016 e algo entre 0,74º e O,90º C em 2017.

O mês mais frio dos últimos quatro anos foi fevereiro de 2014, com 0,48º C acima da média do século XX. O mês de junho de 2017 foi o mais frio do ano até aqui, mas apresentou anomalia de 0,82º C acima da média do século XX e foi o terceiro mês de junho mais quente dos 137 anos da série.

O primeiro semestre de 2017 foi o segundo mais quente da série histórica para o período de janeiro a junho, conforme mostra o gráfico abaixo. O primeiro semestre mais quente já registrado foi em 2016, com anomalia de 1,07º C acima da média do século XX. O segundo mais quente, com 0,91º C. acontece agora em 2017. Em 2015 foi de 0,86º C e em 2014 foi de 0,72º C. A linha de tendência entre 1970 e 2017 mostra com o aumento da temperatura tem sido 0,17º C por década. A continuar essa tendência a temperatura irá aumentar mais 1,4º C até o final do século XXI. Acrescentando o que já subiu, o mundo ultrapassaria, com folga, o limite de 2º C estabelecido no Acordo de Paris.

 

global land and ocean temperature anomalies

 

Os dados do primeiro semestre de 2017 confirmam que o mundo está batendo todos os recordes de temperatura antes de 2014 e o ritmo está se acelerando. O gráfico abaixo mostra que o mundo ruma para a temperatura mais alta dos últimos 5 milhões de anos. Nota-se que poucas vezes na história, nos últimos 5 milhões de anos, a temperatura ficou acima da média do século XX. O Antropoceno está rompendo com o equilíbrio climático que houve no Holoceno e que possibilitou o florescimento da civilização humana.

 

global mean temperature

 

Se o aquecimento global continuar no ritmo atual, a civilização estará no caminho de uma catástrofe. Como mostrou o jornalista David Wallace-Wells, no artigo “The Uninhabitable Earth”, na revista New York Magazine (09/07/2017): “Na ausência de um ajuste significativo da maneira como bilhões de seres humanos vivem, partes da Terra provavelmente se tornarão próximas a inabitáveis e outras partes terrivelmente inóspitas, antes do final deste século”.

Um estudo das universidades de New South Wales, na Austrália, e de Purdue, nos Estados Unidos, publicado na “Proceedings of the National Academy of Sciences”, em 2010, afirma um aumento de apenas 4ºC medidos por um termômetro úmido levaria metade da população mundial a enfrentar um calor equivalente a máximas registradas em poucos locais atualmente. Embora seja improvável que isso aconteça ainda neste século, é possível que já no próximo, várias regiões estejam sob calor intolerável para humanos e outros mamíferos. O estudo também ressalta que o calor já é uma das principais causas de morte por fenômenos naturais e que muitos acreditam, erroneamente, que a humanidade pode simplesmente se adaptar a temperaturas mais altas. A fisiologia humana não suporta temperaturas acima de 50º C. Ou seja, o aquecimento global pode deixar até metade do planeta inabitável.

Em artigo de abril de 2017, “Communicating the deadly consequences of global warming for human heat stress”, publicado também na PNAS, os autores consideram a temperatura média global do ar está relacionada de forma não linear ao estresse térmico, o que significa que o mesmo aquecimento futuro, tal como realizado até o momento, pode desencadear aumentos maiores nos impactos sociais do que historicamente experimentados. Esta não-linearidade é maior para as métricas de estresse térmico que integram o efeito do aumento da umidade. O artigo mostra que, mesmo em um clima mantido abaixo da meta de 2º C do Acordo de Paris, as alterações climáticas podem se tornar estressadas por calor, expondo mais de 350 milhões de pessoas a um calor mortal até 2050.

Sem dúvida, acompanhando o aumento da temperatura global, durante os últimos 50 anos, as ondas de calor ficaram cada vez mais frequentes. A duração, a frequência e a intensidade das mesmas provavelmente aumentarão na maioria das zonas terrestres ao longo deste século antecipando o “cenário de Mad Max” em diversas regiões do Planeta. Artigo de Emily Atkin (20/07/2017) mostra que as ondas mortais de calor são a maior ameaça desse século.

E o mais grave é que uma Terra inabitável e inóspita levará a autodestruição humana, mas também pode levar junto milhões de espécies que nada tem a ver com os erros egoísticos dos seres terrestres que se julgam superiores e os mais inteligentes. A humanidade pode estar rumando para o suicídio, podendo também gerar um ecocídio e um holocausto biológico de proporções épicas.

A última vez que a temperatura ultrapassou os 2º C, no Planeta, foi no período Eemiano (há cerca de 120 mil anos) e provocou o aumento do nível dos oceanos em algo como 5 a 9 metros. Tudo indica que a temperatura no século XXI vai ultrapassar os 2º C em relação ao período pré-industrial. Os prejuízos poderão ser incalculáveis.

De fato, estamos entrando em um período de emergência climática. Ao invés de recuar como fez Donald Trump, o mundo precisa ir além do Acordo de Paris e acelerar o processo de descarbonização da economia. Caso não haja uma reorientação do estilo de produção e consumo, a catástrofe climática pode gerar um cenário de Armagedon antes do final do século XXI e algo muito pior no século XXII.

Referências:

ALVES, JED. A concentração de CO2 ultrapassou definitivamente as 400 ppm, Ecodebate, RJ, 16/11/2016
https://www.ecodebate.com.br/2016/11/16/a-concentracao-de-co2-ultrapassou-definitivamente-as-400-ppm-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. A maior temperatura em 5 milhões de anos, Ecodebate, RJ, 19/09/2016
https://www.ecodebate.com.br/2016/09/19/a-maior-temperatura-em-5-milhoes-de-anos-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

David Wallace-Wells. The Uninhabitable Earth, Annotated Edition. The facts, research, and science behind the climate-change article that explored our planet’s worst-case scenarios, 14/07/2017
http://nymag.com/daily/intelligencer/2017/07/climate-change-earth-too-hot-for-humans-annotated.html

EMILY ATKIN. Climate Change Is Killing Us Right Now, New Republic, July 20, 2017
https://newrepublic.com/article/143899/climate-change-killing-us-right-now

Matthewsa,TKR et. al. Communicating the deadly consequences of global warming for human heat stress, Proceedings of the National Academy of Sciences, vol. 114 no. 15, abril 2017
http://www.pnas.org/content/114/15/3861.abstract?sid=a0fda1f5-278f-40e0-810e-22ed01aed8d6

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/07/2017

"Os quatro anos mais quentes estão na atual década, artigo de José Eustáquio Diniz Alves," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/07/2017, https://www.ecodebate.com.br/2017/07/24/os-quatro-anos-mais-quentes-estao-na-atual-decada-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top