Nitrato x Urbanização, artigo de Carlos Augusto de Medeiros Filho

 

[EcoDebate] A deterioração da qualidade das águas subterrâneas de Natal pela contaminação de nitrato é um assunto que sempre revejo com amargura. Uma reportagem da Tribuna do Norte de outubro de 2014 informava que Natal tinha 179 poços de água perfurados, dos quais 52, quase um terço, estavam desativados por conta da alta concentração de nitrato. Caso esses poços estivessem ativados, eles gerariam cerca de 40% da água produzida diariamente pelos poços em operação.

Entre as atividades impactantes causadoras da contaminação de nitrato destaca-se a infiltração no solo de águas servidas das fossas e sumidouros (Righetto & Rocha, 2005; Cabral et al., 2007). No processo de contaminação por nitrato nos aquíferos Dunas/Barreiras de Natal é essencial considerar fatores como o adensamento e histórico populacional, em conjunto com a qualidade do saneamento praticado (Cabral et al., 2009).

Essa correspondência direta entre urbanização e contaminação de água é, infelizmente, um processo comum. Na China, a ocorrência de graves poluições de nitrato nas águas subterrâneas tem crescido junto com o rápido desenvolvimento econômico do país. (Fu et al., 2007).

Zhang et al. (2015) desenvolveram pesquisa sobre o comportamento de nitrato em poços de água na região do Pearl River Delta (PRD), que tem sido submetido a acelerada urbanização e crescimento econômico nas últimas duas décadas. O abastecimento de água desta região dependia quase inteiramente de águas superficiais, devido à abundante precipitação e a rede de rios bem desenvolvida. No entanto, o rápido crescimento da população e da economia levou à deterioração da qualidade das águas superficiais por poluição e ao declínio da descarga do corpo de água (Cheung et al., 2003). Dessa forma, as águas superficiais sozinhas não podem mais satisfazer as necessidades da região, e a população está usando as águas subterrâneas como uma fonte alternativa.

Um total de 899 amostras de águas subterrâneas foram coletadas, principalmente entre janeiro-maio e outubro-dezembro em 2007 e 2008 (Zhang et al., 2015). Os resultados para nitrato (NO3) registraram uma mediana de 23.82 mg/L (variando de 0 a 1683.46 mg/L) e apresentando 238 amostras (26% do total) com concentrações excedendo o limite estabelecido pela Organização Mundial de Saúde de 50 mg/L. Esses dados indicam que as águas subterrâneas no PRD estão sendo seriamente afetadas por atividades humanas e podendo limitar sua sustentabilidade como recurso de água potável. Os resultados de tratamento por análise de regressão mostraram que as águas residuais domésticas e industriais foram as principais fontes de contaminação por nitratos nas áreas rapidamente urbanizadas (Zhang et al., 2015).

 

Figura 1 - diagrama de distribuição da densidade populacional (eixo X) e concentrações de nitrato em poços do Pearl River Delta (eixo Y) (Zhang et al., 2015).
Figura 1 – diagrama de distribuição da densidade populacional (eixo X) e concentrações de nitrato em poços do Pearl River Delta (eixo Y) (Zhang et al., 2015).

 

Zhang et al. (2015) comentam que os níveis de nitratos nas águas subterrâneas aumentaram gradualmente com a rápida urbanização e o desenvolvimento económico. Conforme ilustrado na Fig. 1, a concentração de nitrato foi positivamente correlacionada com a densidade populacional. Os autores afirmam, ainda, que é importante estudar as forças que impulsionam a geração de poluição por nitratos, a fim de ajudar a conceber formas de regular a contaminação das águas subterrâneas.

Referências Bibliográficas

Cabral, N.T. 2007. Teores de nitrato (NO3-) e amônio (NH4+) nas águas do aqüífero Barreiras nos bairros do Reduto, Nazaré e Umarizal – Belém/PA. Quím. Nova vol.30 no.8 São Paulo.

Cabral, N. T.; Righetto, A. M.; Queiroz, M. A. 2009. Comportamento do nitrato em poços do aquífero Dunas / Barreiras nas explotações Dunas e Planalto, Natal, RN, Brasil. Eng Sanit Ambient | v.14 n.3 | jul/set 2009 | 299-306.

Cheung, K., Poon, B., Lan, C.,Wong, M., 2003. Assessment ofmetal and nutrient concentrations in river water and sediment collected from the cities in the Pearl River Delta, south China. Chemosphere 52, 1431–1440.

Fu, B.-J., Zhuang, X.-L., Jiang, G.-B., Shi, J.-B., Lu, Y.-h., 2007. Feature: environmental problems and challenges in China. Environ. Sci. Technol. 41, 7597–7602.

Righetto, A.M.; Rocha, M. Exploração sustentada do aqüífero Dunas/Barreiras na Cidade de Natal, RN. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 10, n. 2, p. 27-38, 2005.

Tribuna do Norte. 2014. Nitrato inutiliza 29% dos poços. Repórteres Fernando Domingo e Itaércio Porpino. Publicado em 22 de outubro de 2014.

Carlos Augusto de Medeiros Filho, geoquímico, graduado na faculdade de geologia da UFRN e com mestrado na UFPA. Trabalha há mais de 30 anos em Pesquisa Mineral.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 05/05/2017

Nitrato x Urbanização, artigo de Carlos Augusto de Medeiros Filho, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 5/05/2017, https://www.ecodebate.com.br/2017/05/05/nitrato-x-urbanizacao-artigo-de-carlos-augusto-de-medeiros-filho/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top