ONU lança iniciativa global para eliminar grandes fontes de lixo marinho até 2022

 

Campanha #CleanSeas foi lançada nesta quinta-feira em Bali; iniciativa busca eliminar grandes fontes de lixo marinho até 2022, como microplásticos em cosméticos e desperdício de plásticos descartáveis; se nada for feito estimativas são que em 2050 oceanos tenham mais plásticos que peixes.

 

Em alguns lugares do mundo a poluição por plásticos é simplesmente catastrófica, como nesta praia em Mumbai, na Índia
Em alguns lugares do mundo a poluição por plásticos é simplesmente catastrófica, como nesta praia em Mumbai, na Índia, Foto: UN Environment – Divulgação / ABr

 

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

A ONU Meio Ambiente lançou nesta quinta-feira uma iniciativa global para eliminar grandes fontes de lixo marinho até 2022: microplásticos em cosméticos e o desperdício e uso excessivo de plásticos descartáveis.

A campanha #CleanSeas, ou mares limpos, lançada na Cúpula Mundial dos Oceanos, em Bali, está pedindo a governos que aprovem políticas de redução do material.

Danos irreversíveis

A ação também é voltada à indústria, para que minimize embalagens plásticas e redesenhe produtos. A campanha pede ainda a consumidores que mudem seus hábitos de produção de lixo antes que eles causem “danos irreversíveis” aos mares.

Segundo a ONU Meio Ambiente, mais de 8 milhões de toneladas de plástico acabam nos oceanos, causando grande prejuízo a animais marinhos, à pesca e ao turismo, custando pelo menos US$ 8 bilhões em danos aos ecossistemas marinhos.

A agência alerta que até 80% de todo o lixo nos oceanos é feito de plástico. De acordo com algumas estimativas, no ritmo em que itens como garrafas, sacolas e copos de plástico estão sendo jogados fora após terem sido usados apenas uma vez, até 2050, os oceanos terão mais plástico do que peixe.

A agência da ONU calcula que neste prazo, 99% das aves marinhas terão ingerido plástico.

Medidas ambiciosas

Durante este ano, a campanha #CleanSeas anunciará “medidas ambiciosas” por países e empresas para eliminar microplásticos de produtos de cuidado pessoal, banir ou colocar impostos sobre sacolas descartáveis e reduzir “dramaticamente” outros produtos de plástico de uso único.

Dez países já se uniram à campanha para reverter o uso do produto, incluindo o Uruguai que irá taxar sacolas plásticas descartáveis neste ano.

O músico Jack Johnson e o ator Adrian Grenier apoiam a campanha. Segundo a ONU Meio Ambiente, “grandes anúncios” são esperados para a Assembleia Ambiental da ONU, em dezembro no Quênia, e Conferência dos Oceanos, em junho, em Nova Iorque.

Um encontro preparatório para a Conferência foi realizado em 15 e 16 de fevereiro, na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque.

Na ocasião, o embaixador de Portugal junto à organização, Álvaro Mendonça e Moura, que foi um dos organizadores do evento, conversou com a ONU News e fez um alerta sobre a situação da poluição com plásticos nos mares e oceanos.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/02/2017

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top