Ministério Público Federal no Pará acusa madeireiras de certificação socioambiental enganosa

 

Por Graziele Bezerra, da Radioagência Nacional

O Ministério Público Federal no Pará briga na Justiça Federal, em Brasília, contra uma decisão do Judiciário de Santarém que negou a suspensão de certificação socioambiental concedida a duas madeireiras da região.

 

Estrada construída pelas madeireiras dividiu lago importante para sobrevivência das famílias (foto: Ítala Tuanny Rodrigues Nepomuceno, em relatório feito para o MPF)
Estrada construída pelas madeireiras dividiu lago importante para sobrevivência das famílias (foto: Ítala Tuanny Rodrigues Nepomuceno, em relatório feito para o MPF)

 

As madeireiras Ebata e Golf receberam do Imaflora – o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola, o selo FSC. As empresas que tem esse selo são consideradas socioambientalmente corretas. Mas nesse caso, o MPF diz que a certificação é “enganosa”, porque as madeireiras estariam provocando uma série de impactos ambientais e sociais nas áreas próximas às empresas.

Entre os impactos apontados estão obras que reduziram a trafegabilidade de um rio considerado vital para o oeste paraense e a poluição dessas águas, utilizadas para uso doméstico.

O MPF pediu a suspensão da certificação sociambiental das madeireiras, mas a Justiça em Santarém negou. Por isso, o caso veio parar em Brasília.

A secretária executiva do Imaflora Laura Prada reconhece a existência de impactos a 26 comunidades que vivem da exploração madeireira. Os certificados das madeireiras chegaram a ser suspensos em 2014, mas foram retomados em 2015. Laura Prada afirma que são constantes os diálogos para a resolução de conflitos.

Sonora: “Desde então uma série de trabalhos foram feitos pelas empresas inclusive a criação desse comitê de resolução de conflitos que foi um ponto chave nesse processo todo pra encaminhar esses problemas e rabir rabrir um diálogo de comunicação e resolução de conflitos entre as empresas e as comunidades.”

O Imaflora garante ainda que toda certificação obedece as regras estabelecidas pelo selo FSC. Ainda de acordo com o instituto, as certificações das empresas podem ser retiradas a qualquer momento, com ou sem ação judicial.

A nossa equipe não conseguiu contato por telefone com as madeireiras. Nós também encaminhamos e-mails para as empresas, mas ainda não obtivemos retorno.

 

Da Radiogância Nacional, in EcoDebate, 27/01/2017

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top