Agricultura deve ser mais sustentável para combater fome e mudanças climáticas, diz FAO

Em evento em Brasília com o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) pediu adaptação da produção e do consumo de alimentos, diminuição do desperdício e melhorias na gestão dos solos e recursos naturais.

 

Agricultura deve ser mais sustentável para combater fome e mudanças climáticas, diz FAO
Foto: Agência Brasília / Dênio Simões

 

Em evento na semana passada (18) em Brasília para comemorar o Dia Mundial da Alimentação — celebrado em 16 de outubro —, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) pediu adaptações das práticas produtivas da agricultura para garantir a segurança alimentar da população num futuro marcado pela ameaça das mudanças climáticas.

O representante nacional da agência da ONU, Alan Bojanic, alertou que são as pessoas mais pobres do mundo, entre elas, muitos agricultores e pescadores, as mais afetadas pela elevação das temperaturas e pelo aumento da frequência de desastres naturais ligados às transformações do clima.

“Por isso, precisamos mudar nossas posturas atuais, o que inclui novas formas de praticar a agricultura, alterar os padrões de consumo, diminuir o desperdício e as perdas de alimentos. Cabe a nós implementar a gestão sustentável dos recursos naturais, melhorar a gestão e fertilidade dos solos, melhorar a captação de CO? em florestas, entre outros”, afirmou o especialista.

Realizado em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, o encontro contou com a participação do chefe da pasta, Osmar Terra, que ressaltou que a segurança alimentar não deve sair da pauta dos governos.

“Todos esses compromissos de fortalecer a segurança alimentar já estão no novo Plano de Segurança Alimentar e Nutricional para o período 2016/2019”, afirmou.

Também presente, o diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, Raimundo Deusdará Filho, destacou a necessidade de promover uma gestão adequada dos recursos naturais.

“Floresta em algum momento é plantar e colher. Isso tem todo um simbolismo e relevância quando se fala em mudanças climáticas. Somos solidários com esse dia e reafirmamos o compromisso com a FAO, com a qual realizamos vários projetos em conjunto, desenvolvendo estratégias para o uso sustentável da floresta”, disse.

Todos os alimentos oferecidos aos convidados durante a comemoração eram da agricultura familiar e os lanches valorizaram os produtos típicos do cerrado.

O presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), Maurício Lopes, lembrou do Programa ABC Agricultura de Baixo Carbono, uma das maiores iniciativas do planeta, segundo ele, voltadas para a promoção da sustentabilidade na agricultura.

O representante do organismo iniciativa também chamou atenção para o Sistema Integração, Lavoura e Pecuária — estratégia que une aumento da produtividade com conservação de recursos naturais em áreas já desmatadas que passam por uma intensificação de seus usos.
Mulheres no campo

O evento também celebrou o Dia Internacional das Mulheres Rurais e contou com a participação da oficial da ONU Mulheres no Brasil, Ana Carolina Querino, que lembrou que o público feminino representa quase metade da força de trabalho agrícola no mundo.

“A segurança alimentar passa necessariamente pelas mulheres rurais e todos os países devem fortalecer e criar políticas de apoio ao trabalho dessas agricultoras”, enfatizou.

 

in EcoDebate, 28/10/2016

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top