Nauru: o fim de um país e um alerta para o mundo, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

160923a

 

[EcoDebate] O crescimento demoeconômico do mundo foi realizado à base da queima de combustíveis fósseis. Quanto mais cresciam a economia e o padrão de consumo, mais aumentavam as emissões de gases de efeito estufa. Desta forma, a temperatura da Terra já subiu mais de 1º C, desde o início da Revolução Industrial e Energética. Este aumento da temperatura provoca o derretimento do gelo do Ártico, da Groenlândia, da Antártica e dos glaciares, o que provoca a elevação do nível dos oceanos. No século XX o aumento foi de 20 cm. Mas algo pior está para acontecer no século XXI, pois a temperatura pode ultrapassar os 2º C e o nível do mar pode subir entre 1 e 2 metros. No século XXII não é nem bom pensar.

A área costeira de muitos países pode ficar ameaçada pela subida das marés. Muitas praias e construções litorâneas vão desaparecer. Poderá haver uma retirada da população para o interior como nos casos do Brasil, China, Estados Unidos, etc.

Porém, pequenos países insulares podem desaparecer totalmente, como é o caso de Nauru, que é uma ilha da Oceania, com uma área de apenas 21 quilômetros quadrados e uma população de cerca de 13 mil habitantes. No início do século XX a ilha passou a fazer parte do Império alemão, que passou a ser usada como ponto turístico e fornecedora de fosfato. Os depósitos de fosfato da ilha são o resultado do acúmulo dos excrementos de aves, que durante milhares de anos frequentavam a ilha, tornando-a rica em material essencial para a fertilização dos solos.

 

160923b

 

A ilha de Nauru foi descoberta pelo navegador inglês capitão John Fearn, em 1798 e foi designada colônia alemã em 1888. Logo após teve início a extração de fosfato. Depois da Primeira Guerra Mundial, Nauru ficou como um protetorado da Liga das Nações e administrada pela Austrália desde 1920. A ilha foi ocupada pelo Japão durante a Segunda Guerra Mundial e depois da Guerra ficou sobre o controle das Nações Unidas. Nauru obteve a independência em 1968. Em 1970 passou a controlar a exploração do fosfato, mas em 2000 esgotam-se as reservas e a ilha, sem recursos naturais, passa a depender da Austrália.

 

160923c

 

Mas o que ameaça a existência de Nauru é o aquecimento global e a elevação do nível do mar. O país pode perder seu litoral em pouco tempo e todo o seu território até o final do século. E Nauru não é um caso isolado. Somente no Pacífico Sul, diversas ilhas estão ameaçadas pelo aquecimento, tais como Samoa, Samoa Americana, Cook Islands, Fiji, Kiribati, Nova Caledônia, Niue, Pitcaim, ilhas Salomão, Tahiti e Polinésia Francesa, Tokelau, Tonga, Tuvalu, Vanuatu e Wallis e Futuna.

Essas ilhas e países insulares são representados pela AOSIS (Aliança dos Pequenos Estados Insulares) com 44 países-membros e foram elas que pressionaram a COP-21 para colocar o limite de 1,5º C no Acordo de Paris. Contudo, será muito difícil que o aquecimento global não ultrapasse esse limiar em pouco tempo. Mais difícil ainda será evitar o desaparecimento de Nauru e dos 44 membros da AOSIS. Estes países vão pagar um alto preço pelas consequências nefastas das emissões de gases de efeito estufa. São países na lista de extinção.

Mas o drama não para aí. Uma investigação conduzida pelo jornal britânico The Guardian descobriu mais de 2 mil casos de violência no centro de detenção de refugiados e solicitantes de asilo controlado pela Austrália e instalado na ilha de Nauru, no Pacífico. Este centro, informou o jornal, custa 1,2 bilhão de dólares por ano aos contribuintes australianos e é administrado pelas empresas Broadspectrum e Wilson Security. Apelidada de “Nauru Files” (Arquivos Nauru), a investigação apurou casos de abuso sexual e infantil, automutilação e as más condições em que refugiados que tentam chegar à Austrália por barco enfrentam ao serem enviadas para esse centro.

Embora o governo da Austrália negue, existem investigações que mostram em detalhes o trauma e o desespero que vivem muitas pessoas que buscaram proteção e uma vida melhor em um outro país que não será extinto pelo aquecimento global.

Referências:

Government of the Republic of Nauru http://www.naurugov.nr/

Nauru: Um país ilha destruído pela mineração de fosfato
https://edukavita.blogspot.com.br/2015/10/nauru-um-pais-ilha-destruido-pela.html

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, 23/09/2016

Nauru: o fim de um país e um alerta para o mundo, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 23/09/2016, https://www.ecodebate.com.br/2016/09/23/nauru-o-fim-de-um-pais-e-um-alerta-para-o-mundo-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “Nauru: o fim de um país e um alerta para o mundo, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. Pergunta que não quer calar: e o que é que cada indivíduo, cada cidadão, pode fazer para minimizar os efeitos aqui previstos? Se o coletivo não “funciona”, o que pode fazer o indivíduo?

  2. “Em 2000 …os recursos naturais esgotam-se e passam a depender da Austrália”, diz o texto. Parece que sem natureza não há negócios. Quanto temos de recursos naturais, até estarem esgotados, no resto do mundo?

Comentários encerrados.

Top