Visão ambiental da produção orgânica, Parte 1/3, artigo de Roberto Naime

 

orgânicos

 

[EcoDebate] O grande desafio da atualidade é garantir a segurança alimentar, com alimentos saudáveis sem comprometer o meio ambiente e as gerações futuras.

Com as características de sustentabilidade e produtos de qualidade com certificação de origem, a agricultura orgânica se apresenta como alternativa em ampla expansão em nível mundial.

Esse aumento é consequência do alto do custo da agricultura convencional, da degradação do meio ambiente e da crescente exigência dos consumidores por produtos livres de agrotóxicos (DAROLT, 2002).

A agricultura orgânica vai muito além da simples troca de insumos químicos por insumos orgânicos e biológicos.

O manejo orgânico privilegia o uso eficiente dos recursos naturais não renováveis, aliado ao melhor aproveitamento dos recursos naturais renováveis e dos processos biológicos, à manutenção da biodiversidade, à preservação ambiental, ao desenvolvimento econômico, bem como, à qualidade de vida humana.

São pressupostos da agricultura orgânica o respeito à natureza, a diversificação de culturas, os policultivos e tratamento dos solos como sendo um organismo vivo.

O agricultor deve primeiramente reconhecer sua dependência em relação aos recursos e as suas limitações.

O policultivo propicia uma maior abundância e diversidade de espécies e maior equilíbrio do ambiente. A resistência de um ecossistema é constituída pelo somatório das resistências de seus elementos constituintes.

Também o manejo deve adotar práticas que garantam um fornecimento constante de matéria orgânica, para estimular os vivos e favorecer os processos biológicos.

Os insumos agroindustriais oneram os custos e comprometem a sustentabilidade.

Em termos técnicos, as características da atividade incluem a escolha de variedades adaptadas às condições ecológicas locais, a manutenção e aumento gradativo da fertilidade do solo por meio de adubos verdes, compostos orgânicos, restos culturais, estercos curtidos, tortas e farinhas de materiais devidamente preparados.

Podem ser utilizados ainda, adubos minerais de baixa solubilidade e resíduos agroindustriais, desde que isentos de agentes químicos e biológicos com potencial de contaminação.

O fornecimento de nutrientes considera a interação entre plantas e microrganismos do solo, que disponibilizam os nutrientes e fertilizam o solo como um todo.

O esterco pode ser utilizado puro e na produção de compostos e biofertilizantes, como o super-magro, que fornecem nutrientes e aumenta a resistência contra pragas e doenças.

O conteúdo nutricional dos fertilizantes orgânicos é baixo em comparação ao dos adubos minerais, por isso as quantidades aplicadas são mais elevadas e com antecedência.

Os fertilizantes minerais pouco solúveis (fosfatos naturais, farinha de osso, calcário, cinza vegetal, sulfato de potássio) entram como complemento à matéria orgânica, disponibilizando fósforo, potássio e micronutrientes a longo prazo.

A adubação verde é recomendada por ser fonte de nitrogênio e trazer benefícios como a reestruturação do solo, incorporação de matéria orgânica, ativação da vida microbiana, controle de pragas, redução de ervas invasoras por abafamento e ação alelopática, reciclagem de nutrientes e disponibilização de fósforo.

Podem ser usados adubos verdes com alta capacidade de cobertura do solo, como feijão-de-porco, crotalária, mucuna-preta e guandu.

No preparo para plantio é importante não haver intensa movimentação do solo para não interromper as atividades microbianas e manter a estrutura do solo, sendo recomendados, o plantio direto e o cultivo mínimo.

DAROLT, M. R., Agricultura Orgânica: inventando o futuro. Londrina: IAPAR, 2002, 250p.
PENTEADO, S.R. Manual prático de agricultura orgânica: fundamentos e técnicas. Campinas: Edição do autor. 2009. 213p.

SANTOS, Neli Cristina Belmiro dos e MATEUS, Gustavo Pavan, VISÃO AMBIENTAL DA PRODUÇÃO ORGÂNICA DE ALIMENTOS, ISSN 2316.5146, Pesquisa & Tecnologia, vol. 9, n. 2, Jul-Dez 2012

http://www.aptaregional.sp.gov.br/acesse-os-artigos-pesquisa-e-tecnologia/edicao-2012/julho-dezembro-2/1300-visao-ambiental-da-producao-organica-de-alimentos/file.html

 

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Celebração da vida [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

in EcoDebate, 06/09/2016

Visão ambiental da produção orgânica, Parte 1/3, artigo de Roberto Naime, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 6/09/2016, https://www.ecodebate.com.br/2016/09/06/visao-ambiental-da-producao-organica-parte-13-artigo-de-roberto-naime/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top