Crescem os investimentos em energia renovável, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

“Você não pode mudar o vento,
mas pode ajustar as velas do barco para chegar onde quer”
Confúcio (551 a.C. – 479 a.C)

 

160812a

 

[EcoDebate] O relatório da ONU “Tendências globais em investimento em energia renovável 2016”, mostra que houve um recorde de investimentos na produção de energia renovável em 2015, alcançando US$ 286 bilhões, enquanto o investimento global em combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás) somou US$ 130 bilhões no mesmo período.

Este processo está em conformidade com o Acordo de Paris, da COP-21 (a conferência do clima realizada em Paris em dezembro de 2015) e representa um passo importante no sentido de mitigar o aquecimento global e seus efeitos, com a elevação do nível dos oceanos e os consequentes danos nas regiões costeiras do mundo.

As fontes renováveis tomaram a frente e representaram 53,6% do acréscimo da capacidade de produção de gigawatts de energia. Os Estados Unidos (EUA) e a Europa estavam na frente dos investimentos em novos tipos de energia. Mas o maior crescimento ocorreu na China, que a partir de 2015 investiu mais do que os EUA e a Europa em conjunto. A Índia, mesmo estando muito atrás da China, tem investido mais do que o Brasil.

Estes dados são importantes para mostrar que o mundo segue um caminho inverso do Brasil, que, infelizmente, fez uma escolha equivocada de investimento nas jazidas abissais do pré-sal e nas hidrelétricas da Amazônia, como Jirau, Belo Monte e São Luís do Tapajós, verdadeiros crimes ambientais.

Até 2011, a maior parte dos investimentos globais em energia renovável acontecia nos países desenvolvidos (como vimos a liderança cabia aos EUA e à Europa). Mas em 2015, os países em desenvolvimento superaram os países mais ricos. Esta é uma boa notícia, pois a demanda energética cresce mais nos países emergentes. Se a maior demanda for atendida por energias renováveis, o mundo poderá mitigar o aquecimento global. Porém, a redução de custos e o aumento dos investimentos precisam continuar subindo de maneira rápida para que a mudança da matriz energética seja efetiva.

 

160812b

 

O crescimento da energia renovável é uma boa notícia, mas não pode ser considerada uma panaceia para todos os problemas do desenvolvimento. O caminho para mitigar a atual crise ambiental e o aquecimento global não está livre de obstáculos e armadilhas. Promover um salto científico e tecnológico é, sem dúvida, uma necessidade, mas a tecnologia não resolve tudo. Se a tecnologia for usada apenas para aumentar a eficiência econômica e incentivar o consumo, pode-se cair no Paradoxo de Jevons (ou efeito bumerangue), que é uma expressão usada para descrever o fato de que o aperfeiçoamento tecnológico, ao aumentar a eficiência com a qual se usa um recurso ou se produz um bem econômico, tende a aumentar a demanda desse recurso.

Portanto, os investimentos em energia eólica e solar devem vir acompanhados de uma mudança no modelo de produção e consumo que degrada a natureza e aumenta a pegada ecológica. O mundo precisa se livrar dos combustíveis fósseis, mas também precisa caminhar rumo ao decrescimento das atividades antrópicas, renovando o estilo de desenvolvimento consumista que tem gerado degradação do meio ambiente e perda da biodiversidade.

Referências:

ALVES, J. E. D. 100% energia renovável, Rio de Janeiro, Cidadania & Meio Ambiente, n. 54, v. X, p. 6-10, 2015. (2177-630X)

ALVES, JED. Energia renovável com baixa emissão de carbono, RJ, Cadernos Adenauer 3, 2014

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, 12/08/2016

Crescem os investimentos em energia renovável, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/08/2016, https://www.ecodebate.com.br/2016/08/12/crescem-os-investimentos-em-energia-renovavel-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Crescem os investimentos em energia renovável, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. Se houvesse um mínimo de possibilidade de os defensores do desenvolvimento econômico infinito acatarem as proposições apresentadas no último parágrafo do artigo, teríamos chance de escapar à destruição total das condições de vida neste planeta que habitamos.

    Mas sabemos que o capitalismo é um “ser” absolutamente irracional, e que é guiado, apenas, pela obtenção de lucro.

Comentários encerrados.

Top