Consumo consciente, Parte 3/4, artigo de Roberto Naime

 

consumo infantil na contramão da sustentabilidade

 

[EcoDebate] ALENCASTRO et. al. (2014) registra que a canalização de importantes recursos econômicos para promover o consumo e a venda de mercadorias gera uma produção ideológica de necessidades, desencadeando um desejo insaciável e uma demanda inesgotável por mercadorias.

É uma verdadeira “manipulação das necessidades por interesses adquiridos” na qual os indivíduos perdem sua autonomia, tornando-se “incapazes de ser autônomos, enquanto forem doutrinados e manipulados (até seus próprios instintos)” (MARCUSE, 1973. p. 24 e 27).

É uma situação que exige uma retomada de consciência no que diz respeito à adoção de padrões de qualidade de vida que impliquem perspectiva de valores relacionados à restrição do consumo.

Numa humanização do consumo, que implica necessariamente na conscientização dos indivíduos a respeito da importância de se tornarem consumidores responsáveis, agentes que são da transformação do modelo econômico em vigor, já que têm em suas mãos o poder de exigir um padrão de desenvolvimento socialmente justo e ambientalmente equilibrado (LEFF, 2001, p.321).

Trata-se do “consumo responsável” ou “consumo consciente”. Representado iconicamente pela figura do “consumidor verde”, influenciado por questões ecológicas e sociais.

ALENCASTRO et. al. (2014) manifesta que o consumo consciente significa, por exemplo, adquirir produtos a partir de uma avaliação prévia sob o ponto de vista ético, ou seja, cuja elaboração não envolva a exploração de seres humanos, animais e não provoque danos ao meio ambiente.

O consumidor consciente é aquele que tem a capacidade de decidir o que vai consumir, como e qual a origem do produto ou serviço a ser consumido.

Cabe a ele buscar a justa medida entre sua satisfação pessoal e os ditames da sustentabilidade, sempre avaliando o impacto de suas ações de consumo sobre a natureza e a sociedade.

Desta forma seu posicionamento ético se inclinará pela adoção de atitudes que evitem o desperdício ou o gasto desnecessário de um material, utilizando assim os recursos de forma sustentável.

O consumidor, consciente das implicações dos seus atos de consumo, passa a compreender que o seu papel é o de exigir que as dimensões sociais, culturais e ecológicas sejam consideradas pelos setores produtivo, financeiro e comercial, em seus modelos de produção, gestão, financiamento e comercialização.

Por que tipo de transporte se deve optar para se cobrir as distâncias percorridas na execução de atividades cotidianas, de forma a causar menos agressão à qualidade do ar? Que tipo de transporte sustentável está disponível em sua cidade ou região? Que tipo de produção agropecuária pode garantir uma alimentação saudável com o menor nível possível de agressão ao meio ambiente?

Ou que tipo de produção de artigos de vestuário pode garantir a menor agressão possível no meio ambiente? Que tipo de fonte energética garante o menor impacto possível sobre o meio ambiente? Como agir enquanto consumidores para induzir as empresas a levarem em conta as dimensões sociais, culturais e ecológicas no seu modo de produção e gestão?

E finalmente como reduzir o consumo de bens supérfluos e o acúmulo e descartes excessivos de materiais? Como estabelecer uma estratégia educativa que promova a nova ética do consumo? E como identificar um produto ou serviço ambientalmente sustentável?

Apesar da onda de otimismo que acompanha os adeptos do “consumo consciente”, seus críticos apontam para uma fragilidade que merece consideração.

A questão apontada por eles é contundente: será mesmo possível dar crédito a esta concepção, visto que o consumo ocupa um lugar central na vida cotidiana transformando-se na “principal força operativa da sociedade” (BAUMANT, 2008).

ALENCASTRO et. al. (2014) asseveram um complicado problema teórico, pois, ao lado do discurso da sustentabilidade coexiste todo um sistema que se alimenta e vive em função do consumo de massa.

Um olhar em direção ao cotidiano já desvela as dificuldades a serem enfrentadas pelos defensores do consumo consciente. O incentivo à aquisição de bens de consumo é imenso, haja vista o crescimento do número de carros vendidos anualmente no Brasil, um exemplo bastante ilustrativo da situação.

Para LIPOVETSKY (2009) a expansão das necessidades de consumo é mantida sob a lei da obsolescência, da sedução e da diversificação.

Referências: BAUMANT, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BERTÉ, Rodrigo. Gestão Socioambiental no Brasil: uma análise ecocêntrica. Editora Intersaberes, 2013: Curitiba – PR

DE ARAÚJO, Geraldino Carneiro et al. Sustentabilidade empresarial: Conceito e indicadores. Anais do 3 Congresso virtual brasileiro de administração. 2006. 3 Ver http://adbusters.org/home/

DE OLIVEIRA CLARO, Priscila Borin; CLARO, Danny Pimentel; AMÂNCIO, Robson. Entendendo o conceito de sustentabilidade nas organizações. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, v. 43, n. 4, 2008.

DUPAS, Gilberto. Ética e poder na sociedade da informação: de como a autonomia das novas tecnologias obriga a rever o mito do progresso. 2.ed. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

GORZ, André. Metamorfoses do trabalho: crítica da razão econômica. São Paulo: Annablume, 2003.

LEFF, Enrique. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

LIPOVETSKY, G. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

MONTIBELLER FILHO, Gilberto. O mito do desenvolvimento sustentável: meio ambiente e custos sociais no moderno sistema produtor de mercadorias. Florianópolis: Ed. UFSC, 2004.
SEM, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ALENCASTRO, Mario Sergio Cunha. EBERSPACHER, Aline Mara Gumz. KRAETZ, Guisela Kraetz. BERTÉ, Rodrigo. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E CONSUMO CONSCIENTE: ALGUMAS REFLEXÕES Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade. Ed. Especial, vol. 7, n. 3, p. 738 – 752 jul – dez 2014

** Artigos anteriores desta série:

Consumo consciente, Parte 1/4

Consumo consciente, Parte 2/4

 

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

in EcoDebate, 12/07/2016

Consumo consciente, Parte 3/4, artigo de Roberto Naime, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/07/2016, https://www.ecodebate.com.br/2016/07/12/consumo-consciente-parte-34-artigo-de-roberto-naime/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top