Aquecimento global, gentrificação e o fim da praia de Ponta Negra em Natal, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

Ponta Negra, Natal, RN
Ponta Negra, Natal, RN

 

[EcoDebate] A praia de Ponta Negra, em Natal, foi estreitada pela ganância e a especulação imobiliária, visando ampliar o espaço do lucro da construção de hotéis, bares, restaurantes e demais malfeitorias que enfeiam e poluem a praia do Morro do Careca, ponto turístico mais famoso da capital Potiguar.

A praia de Ponta Negra ganhou muitos investimentos imobiliários nacionais e estrangeiros a partir de 1990, depois da construção da Via Costeira. A faixa de areia entre o mar e o calçadão ficou muito estreita e as pessoas e os turistas precisam se amontoar para curtir o calor e o espaço de lazer propiciado pelo vai e vem das ondas do oceano Atlântico. Há construções feitas em cima da praia e ao lado do Morro do Careca que foi espremido e sufocado pela burra e mesquinha avareza humana.

Acontece que enquanto os natalenses avançavam sobre o mar, o mar também avança sobre a praia e a costa devido ao aquecimento global provocado pelo aumento dos gases de efeito estufa e que provoca derretimento das geleiras e glaciares, elevando o nível dos oceanos. Neste confronto, quem vai perder, no longo prazo, evidentemente, é o egoismo humano.

Em 2012, um forte avanço do mar destruiu boa parte do calçadão da praia. O famoso ponto turístico ficou todo danificado e houve muitos protestos contra a ineficiência e o descaso da prefeitura. O acesso à praia ficou parecendo um campo minado e cheio de erosões. O acesso das pessoas (principalmente idosos) foi prejudicado por escadarias que cederam à força das marés, causando acidentes.

As fotos abaixo mostram os danos causados pelo avanço do mar que exige de volta as áreas tomadas pelas construções feitas para aproveitar a beleza do oceano e o aconchego da praia.

 

Ponta Negra, Natal, RN
Ponta Negra, Natal, RN

160212c 160212d 160212e

 

Atendendo aos interesses da elite que investiu suas riquezas e mora ou arrenda imóveis nos arredores da praia de Ponta Negra, a prefeitura de Natal gastou alguns milhões de reais para recuperar o calçadão e conter o avanço do mar (em detrimento dos investimentos na população mais pobre da cidade que nem tem esgoto sanitário e nem proteção contra a Dengue, a Chikungunya, o vírus Zika, etc.). O projeto foi progamado para ser entregue antes da Copa do Mundo de 2014. O resultado das obras, ao estilo farônico, foi encher a praia de pedras estreitando ainda mais a faixa de areia e dificultando o acesso à praia, conforme mostrado na foto abaixo.

 

160212f

 

Porém, mesmo com todo o esforço de gentrificação da praia de Ponta Negra, as obras foram mal executadas e os danos não foram sanados. A foto abaixo mostra que as pedras não foram colocadas no tamanho projetado e o novo calçadão milionário já está danificado.

 

160212g

 

As novas obras para amenizar o processo de erosão do calçadão deverão ter início apenas em 2016, com prazo para finalização antes das eleições municipais de outubro. Vão tentar recuperar o que já havia sido recuperado. Evidentemente é um trabalho de Sísifo. Na mitologia grega Sísifo foi condenado a rolar uma grande pedra com suas mãos até o cume de uma montanha, sendo que toda vez que ele estava quase alcançando o topo, a pedra rolava novamente montanha abaixo até o ponto de partida por meio de uma força irresistível, invalidando completamente o duro esforço despendido e obrigando-o a começar de novo.

Da mesma forma vai acontecer com o calçadão da praia de Ponta Negra. Com o aquecimento global e o aumento do nível dos oceanos, o mar vai reclamar de volta seu espaço e vai avançar impiedosamente sobre os interesses da especulação imobiliária. Não só o calçadão vai desaparecer, mas a própria praia vai desaparecer nos períodos de maré alta e a faixa de areia vai ficar tão estreita que inviabilizará o lazer e o turismo.

Este é um cenário inexorável. A dúvida é somente quando acontecerá, o que vai depender do ritmo de emissões de gases de efeito estufa e do aquecimento global, dos eventos extremos, dos furacões, dos tsunamis e da elevação do nível do mar. Infeliz Natal!

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, 12/02/2016

[cite]

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “Aquecimento global, gentrificação e o fim da praia de Ponta Negra em Natal, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. “Infeliz Natal” e infelizes seres vivos de todo o planeta Terra.

  2. Que pena!!! Passei por essa praia, quando ainda era natureza e fotogênica. Como em tantos outros lugares, violentaram a galinha dos ovos de ouro. Agora, lentamente, agoniza…

Comentários encerrados.

Top