A crise vira um ciclo! Veja como ela atinge você, artigo de Adrimauro Gemaque

 

[EcoDebate] Como não falar da crise? É crise demais para um só país. Tem crise econômica, financeira, política, de credibilidade, de cultura, de educação, de saúde, de segurança e outras. É só escolher.

É certo que você tem escutado comentários nos últimos meses sobre a crise econômica e financeira que ronda o Brasil. É a conversa de toda roda, seja no bar, nas casas dos amigos ou no trabalho. Ela está sempre em destaque nos telejornais, jornais, revistas especializadas, rádio e nas mídias sociais.

Tempos de vacas magras virão por aí. Apertem os cintos”. Esta frase temos ouvido com frequência por aí atualmente, porém, as pessoas enxergam a nossa atual situação de maneira diferente. Para muitos, é um bicho de sete cabeças, pronto para roubar a últimas moedinhas do seu cofrinho, para outras pessoas, como diria o ditado, “tiram leite de pedra”, fazem da crise uma fonte de oportunidades.

O principal fator que alimenta a crise econômica é a completa falta de credibilidade do governo e sua equipe econômica. Por que as medidas de ajuste fiscal não passaram? Simples, ninguém vai colocar dinheiro na mão de um governo que não sabe como aplicá-lo em prol do desenvolvimento da nação e que não tem a credibilidade dos investidores. È só observamos a última pesquisa feita pelo Ibope, sobre a avaliação do governo da presidente Dilma Rousseff (PT), divulgada no último dia 15 dezembro. Vejamos o gráfico.

160104a

Fonte: Portal G1 (15/12)2015)

Agora combine os números do gráfico com a notícia divulgada no último dia 16 de dezembro dando conta do rebaixamento da nota dada pela agência de classificação de risco Fitch, retirando do Brasil o selo de “bom pagador”, gerando maiores incertezas e uma queda no grau de investimento externo no país. Em nota, a Fitch aponta que essas constantes mudanças na meta de superávit primário (a economia do governo para pagar os juros da dívida) minaram a credibilidade da política fiscal, sugerindo um enfraquecimento ainda maior da posição do ministro Joaquim Levy, que não resistiu e teve que deixar o governo sem nenhum resultado positivo com sua proposta de ajuste fiscal.

Diante destes cenários o desemprego vai continuar subindo. Quanto mais a economia encolhe mais pessoas são demitidas. As que continuam empregadas não conseguem aumento de salário suficiente para repor a inflação, ou até ter o salário reduzido. Com isso a renda global cai, cai o consumo das famílias, diminuem os impostos, reduzem os investimentos. Este é o ciclo da economia, comentado mais detalhadamente adiante.

O governo entra em cena e corta gastos. Continua perseguindo as metas do ajuste fiscal tentar reequilibrar as contas públicas que estão desarrumadas. O governo corta investimentos e por conseguinte passa a comprar menos produtos e serviços das empresas.

Como no Brasil, muitos preços que são controlados pelo governo estão contidos no IPCA (IBGE). Para os economistas são eles os vilões para o aumento da inflação. Veja o gráfico a seguir (Folha de São Paulo, 23/11/2015).

160104b

Como podemos ver, o governo sobe impostos e tarifas sobre alimentos e bebidas, habitação, energia elétrica, transportes, combustíveis domésticos e despesas pessoais. Estes aumentos de preços feito pelo governo pressionam para cima a inflação. Para os economistas, quando um país está em recessão, a inflação costuma cair porque cai também o consumo. O Brasil, porém, vive um quadro de recessão acompanhado de inflação em alta, acima do teto da meta. Os preços mais altos desestimulam o consumo. Caindo o consumo, o desempregado com a renda menor, ou com medo de perder o emprego, passa a gastar menos.

Com as famílias comprando menos a indústria produz menos. A produção diminui e parte da mão de obra é demitida e com o consumo menor os serviços e comércios são afetados e começam a demitir.

Está realidade é possível constatarmos aqui no Amapá. Em outubro, as vendas no varejo variaram -0,2% no volume de vendas e 0,5% na receita nominal, ambas com relação a setembro, ajustadas sazonalmente. Nas demais comparações, obtidas das séries originais (sem ajuste), o varejo amapaense obteve, em termos de volume de vendas, decréscimo da ordem de 20,9% sobre outubro de 2014.

Vendas no varejo: outubro de 2015 atingiu o menor volume em 15 anos, no Amapá

Período

Varejo

Varejo Ampliado

Volume de vendas

Receita nominal

Volume de vendas

Receita nominal

Outubro 2015/Setembro 2015 (com ajuste sazonal)

-0,2

0,5

Outubro 2015/ Outubro 2014

-20,9

-14,2

-20,8

-15,4

Acumulado 2015

-9,0

-2,4

-9,8

-4,5

Acumulado 12 meses

-5,3

0,9

-7,0

-1,8

Fonte: PMC/outubro-2015 (IBGE)

Este foi o pior mês da série iniciada em janeiro de 2000. O volume de vendas do Amapá foi o pior entre todas as Unidades da Federação. Em termos acumulados, as variações foram de -9,0% no ano e de -5,3% nos últimos 12 meses. A receita nominal de vendas apresentou taxas de variação de -14,2% na comparação outubro 2015/outubro/2014, de -2,4% no acumulado do ano e de 0,9% nos últimos 12 meses.

Depois de anos de consumo fácil, custo de vida relativamente estável e expansão econômica, o Brasil entrou em um período de inflação acima do limite de tolerância, queda do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todas as riquezas geradas em um ano, e aumento do desemprego. Guardadas as devidas proporções, esse cenário lembra as crises dos anos 1980 e 1990, antes da implementação do Plano Real. O cenário atual, porém, não tem um único vilão. Observando esta cadeia da economia que nos envolve, passamos a ter clareza das dificuldades que cada trabalhador enfrenta para gerenciar a sua vida, mantendo os bens de consumo e a sua qualidade de bem-estar que já estavam acostumados.

O certo é que vamos iniciar 2016 como começamos 2015, sem nenhuma perspectiva de melhora na nossa economia. Tudo indica que será mais uma década perdida.

Adrimauro Gemaque, é articulista e Analista do IBGE, que apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal (adrimaurosg@gmail.com).

Referências:

http://g1.globo.com/politica/noticia/2015/12/governo-dilma-tem-aprovacao-de-9-e-reprovacao-de-70-diz-ibope.html

www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/comercio/pmc/

 

in EcoDebate, 04/01/2016

A crise vira um ciclo! Veja como ela atinge você, artigo de Adrimauro Gemaque, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 4/01/2016, https://www.ecodebate.com.br/2016/01/04/a-crise-vira-um-ciclo-veja-como-ela-atinge-voce-artigo-de-adrimauro-gemaque/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “A crise vira um ciclo! Veja como ela atinge você, artigo de Adrimauro Gemaque

  1. Parabéns ao articulista! Muito bem exposta a nossa realidade trágica. Pior ainda, que os responsáveis não assumem e e continuam dispostos a adotar as mesmas políticas maléficas e superadas! O pior, evidentemente, sobra para os pobres, utilizados como sempre, como massa de manobra dos corruptos deste desgoverno!

  2. O capitalismo vive uma crise global, que continuará se agravando a cada dia que passa, até quando todo o sistema entrar em colapso, ainda nesta década ou na próxima. Olhar esse cenário de miséria e só enxergar o Brasil, evidencia a miopia disfarçada da direita brasileira, que tem necessidade de apontar a esquerda daqui como a responsável pela decadência capitalista planetária.

Comentários encerrados.

Top