A água de cocô do Bill Gates e os ricos que não param de enricar, artigo de Beatriz Carvalho Diniz

 

151022
Foto { Moradia numa calçada do Estácio, Rio de Janeiro, 2015, de Beatriz Carvalho Diniz [Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Brasil]

[EcoDebate] A ideia é ótima: transformar cocô em água potável, boa de beber! O investimento do Bill Gates na máquina que faz fezes humanas virarem água foi super divulgado no início de 2015, quando estava funcionando um protótipo que ainda seria enviado para o Senegal. Bacana. Mas, o que me chamou atenção mesmo foi, no vídeo de divulgação, a cena em que o dono da Microsoft parece beber a água que era cocô 5 minutos antes de cair no copo. Ele não dá um golão, só encosta o copo na boca, fazendo de conta que bebe a bendita água. Sim, fazendo de conta…

O mundo é dividido entre ricos e pobres, e seus recursos são também assim distribuídos ou acessados. São poucos os ricos e muitos os pobres, convivendo na dinâmica de manter luxo e miséria em seus, quase estáticos, lugares. Um bilionário bebe água mineral engarrafada, de marca tida como chique, e paga caro. Ele não precisa beber água de cocô, mas, pode usar um pouco do dinheiro que acumula para ajudar os pobres a terem acesso a uma água que possam beber. É uma bondade meio que compensatória, faz diferença para quem precisa, só que não muda a dinâmica, continua cada um no seu quadrado. E o quadrado dos ricos não deixa de ser imenso.

No caso de ricaços da Europa e dos Estados Unidos, essa compensação ainda tem os pesos de responsabilidades pela exploração econômica por séculos de recursos naturais e de pessoas. Numa linha do tempo resumidíssima, desde as colonizações e daí com a Revolução Industrial e a construção da sociedade de consumo que somos [medíocres em adoração a coisas feitas para serem jogadas fora], tem muita culpa na história da civilização. Os norte-americanos, aliás, prezam por uma cultura de doação espetacular, talvez na medida da culpa, com certeza na medida das distâncias seguras.

Afinal, mesmo com todas as bondades dos ricos, ainda persistem concentração de riquezas e desigualdades. Os grandes e variados esforços para combater a miséria, a sede e a fome dos pobres parecem pequenos diante dos gigantescos investimentos para os ricos ganharem mais dinheiros, entretendo toda a gente com uma mistura de consumo e diversão para um pretenso bem estar para a geral.

Também no início de 2015, a Liga inglesa de clubes de futebol fechou o contrato com dois canais de televisão para transmissão de seus jogos por 5 bilhões de libras. É muito dinheiro! Deve ser suficiente para…os donos dos canais faturarem mais que essa dinherama para transmitir 188 jogos de 2016 a 2019. Ah, e para os clubes ingleses dominarem o futebol europeu, como divulgado à época. E isso, claro, é muito mais importante que reduzir a miséria, garantir acesso à água, universalizar a educação, tratar diarreias, combater o ebola, acabar com a fome.

Então, entre os contrastes da nossa vida neste mundo, temos aí uma água extraída de cocô, que pode ser bebida por qualquer pessoa mas só serve para matar a sede dos pobres, e um contrato bilionário para transmissão de jogos de futebol na televisão, que rende outros contratos e garante mais dinheiros para alguns que já acumulam muito dinheiros.

Alguém vai morrer se não passar uma partida de futebol na televisão?

Os problemas do mundo são aliviados com generosas doações, isso é lindo e faz parte das soluções. No entanto, não deixa de ser também parte do faz de conta sistemático, em que dinheiros servem para gerar mais dinheiros acima de tudo, inclusive de ampliar condições mínimas de vida digna.

Fazemos de conta que um bilionário que parece beber água de cocô está bebendo água de cocô, como se a promoção pessoal do investimento altruísta não rendesse para o negócio dele a cada compartilhamento. O Bill Gates não está menos rico nem vai ficar pobre por ajudar a levar uma solução a quem precisa tanto, por isso mesmo que não é suficiente a caridade. Gente que sofre com escassez de água vai continuar com sede, lá no Senegal ou aqui no Brasil, porque redistribuir a oferta de água de forma menos desigual não é uma questão de filantropia ou bondade, é uma decisão econômica. Água é negócio lucrativo e tem uns poucos donos, é claro.

Temos bilhões para fazer as pessoas verem jogos de futebol, consumirem produtos associados, endeusarem atletas e jornalistas [que faturam mais servindo ao mercado para nos vender mais produtos associados ou não], acreditarem na normalidade desse exagero e gerarem outros bilhões para os que estão no jogo de manter a sociedade de consumo mais ativa que nunca. Fazemos de conta que investimentos bilionários nessa combinação de sucesso entre esporte e entretenimento é extremamente imprescindível para todo mundo, ainda que seja transformador por vários motivos outros que não o negócio e o consumo. Fazemos de conta que é louvável atores ganharem 50, 60, 80 milhões de dólares num ano para fazerem filmes que custam outros milhões e rendem mais milhões com bilheteria, pipoca, refrigerante, produtos de personagens. E dá-lhe etc.

Não, não é, meu bem. Assim você paga, cordeiramente, para enricar os ricos que nem precisam de milhões para viver, como qualquer pessoa não precisa. Apenas 0,7% da população mundial é dona de 45,2% por cento da riqueza total. Entre esse grupo seleto, pouco mais de 123 mil ultra ricos com 500 milhões de dólares ou mais. Os dados são do relatório do banco Crédit Suisse, divulgado em 13 de outubro desse ano. É a primeira vez nesta série histórica que a riqueza de 1% da população mundial alcança a metade do valor total de ativos, com tanto dinheiro líquido e investido quanto o 99% restante de gente.

A desigualdade entre os privilegiados e o resto da humanidade continua aumentando desde o início da crise econômica de 2008. Ricos garantem suas riquezas até na crise braba, e com ou sem suas doações necessárias, pobres seguem pobres ou mais pobres. E fica cada um no seu quadrado, quer dizer, seguimos sendo mantidos nos nossos quadradinhos, consumidores felizes por ostentar marcas dessa pobreza de espírito que a economia forja com sua moral mercantil.

Beatriz Carvalho Diniz, Criativa de Eco Lógico Sustentabilidade [conteúdo produzido com amor, sem fins lucrativos, desde 2009], Consultora de Comunicação e Sustentabilidade

 

in EcoDebate, 22/10/2015

[cite]


[ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

7 comentários em “A água de cocô do Bill Gates e os ricos que não param de enricar, artigo de Beatriz Carvalho Diniz

  1. Beatriz, gostaria de fazer um reparo sobre seu artigo.
    Bill Gates financiou um projeto de aproveitamento do lodo do tratamento de esgoto sanitário, em que são obtidos adubo, energia e água potável.
    O objetivo da pesquisa não foi o de fornecer água de caráter duvidoso à população pobre. Aliás, uma das maiores estações de potabilização de esgoto do planeta situa-se na Califórnia e abastece não somente a população do condado, mas todos os ricos visitantes da Disneylândia.
    A pesquisa a que nos referimos tem por objetivo dar uma destinação ao lodo do esgoto. Aqui no Brasil, eles vão para o aterro, ocupando áreas enormes e podendo comprometer o lençol freático.
    O que a pesquisa indica é que, ao invés de ser enterrado, o lodo resultante do tratamento de esgoto pode ser uma fonte de lucro.

  2. Água retirada literalmente da merda humana, cocô humano, fezes humanas, excremento humano, etc. Uma excelente ideia para amenizar a sede daquela população que não serve mais ao capitalismo neoliberal, principalmente o capitalismo da terceira revolução industrial. Agora é só os governos subservientes, como o Brasil, comprar as fantásticas máquinas inventadas por um dos donos do mundo e integrante da N.O.M para amenizar a sede da população excedente gratuitamente. Um brinde com água de cocô para os pobres sedentos e água mineral para os integrantes da N.O.M., que irão ficar um pouquinho mais ricos.

  3. AONDE NOS LEVARÃO AS CONDIÇÕES ATUAIS?

    O planeta Terra, com uma população superior a sete bilhões de seres humanos, está sendo tão intensamente explorado e contaminado pelas atividades desenvolvidas com a finalidade de manter e expandir as fortunas das grandes empresas e dos Estados-nação capitalistas – extração de recursos naturais, produção agropecuária e industrialização – que, em muito pouco tempo ( na 3ª ou 4ª década deste século XXI ) todo o sistema planta Terra poderá entrar em colapso total.
    Para os defensores do regime capitalista, as atuais grandes ocorrências produzidas pela degradação ambiental e causadoras da crise hídrica, da acidificação dos oceanos, da morte dos rios, da desertificação e contaminação de muitas e extensas áreas de terras, e as alterações climáticas, que causam ocorrências pluviométricas extremas, as quais, em conjunto, impedem a produção de alimentos, têm importância irrelevante, mas os estudiosos do meio ambiente e da climatologia nos têm alertado para o fato de que o processo que levará a Terra ao colapso total já se encontra em andamento.
    A determinação do tempo para que esse processo será finalizado depende depende de uma quantidade “infinita” de variáveis, mas uma coisa se sabe: pensar em duas décadas é, sem dúvida, tempo demais.

  4. Caro J. Vilsemar Silva
    Você está tomando água que já foi xixi de um camelo, cocô de um presidiário ou pus de um morfético.
    A água circula livremente na natureza desde que o mundo é mundo.
    O preconceito contra água que foi esgoto não existe mais nem mesmo entre os países desenvolvidos. Leia meu comentário sobre a estação de potabilização de esgoto que abastece a Disneylândia.

  5. Cara Beatriz, é muito fácil criticar o sistema. Podemos dar as mãos e xingar juntos, lamentar juntos, condenar juntos. Como deveria ser mesmo? Não vale dizer que as pessoas tinham que ser diferentes… Tem que sugerir um sistema diferente com os seres humanos deste mundo e sem ditadura. O Bill Gates vende software, que eu me lembre. Ele é condenável por isso? Ou quem compra produtos Microsoft é condenável? Ou a informática é um absurdo? Ou o grande problema é a Internet? Essa mesma que me permite ler o seu artigo e comentar.

  6. “Não tome água, peixes f0%&+ nela” é uma boa piada para camisa de bêbado, mas o argumento não passa disso.

    Reutilização da água de esgoto é uma medida básica que precisa ser tomada para a sociedade avançar, para se ter:

    –> mais água potável (para todos, ricos e pobres, pois na boa, o sistema de abastecimento de água é um só. E quanto às águas minerais, bem, se alguém só toma Perrier vai se dar pior que quem tomar água reciclada do esgoto. Usada como fonte única de água potável a Perrier, por ser um pouco mais radioativa do que o recomendado para consumo direto, ela acaba aumentando as chances de cancer de tireóide astronomicamente.),

    –> se precisar de menos mineração por fósforo e nitrogênio (uso do adubo feito com lodo, valiosíssimo e muito melhor para o meio ambiente que as alternativas) e

    –> se ter melhor sanidade ambiental (tratar o esgoto 100% = menos doenças. Aliás esse fator vai beneficiar desproporcionalmente os pobres, pois em toda a história da humanidade foram eles quem precisaram enfrentar as ruas sujas e as valas de esgoto, nunca os ricos).

    O artigo diz ter sido produzido pelo amor, porém… olha, o nojinho e a raiva de classes estão mais aparentes. Bill Gates tem muitos defeitos, mas investir em saneamento básico não é um deles. Não jogue o bebê fora com a água de banho.

    O Paulo Afonso acertou no alvo com os comentários dele, mas só queria deixar mais este em apoio.

Comentários encerrados.

Top