Rumo à COP21: o desmatamento na Amazônia continua a ser um desafio, artigo de Sucena Shkrada Resk

 

Evolução do desmatamento entre os Estados da Amazônia Legal de agosto de 2013 a julho de 2014 e agosto de 2014 a julho de 2015 (Fonte: Imazon/SAD). *Os dados do Maranhão não foram analisados.

 

Dados recentes divulgados pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) apontam que houve um aumento de 63% no desmatamento na Amazônia Legal, no período de agosto a julho (2014-2015), com 3.322 km2 comparativamente ao mesmo período entre 2013-2014, com 2.044 km2. O levantamento foi feito por meio do Sistema SAD, que cobriu 87% da área florestal. Com a proximidade da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP 21), este dado se torna relevante e abre um questionamento: como o Brasil pode garantir o cumprimento de acordos internacionais no campo da mitigação às mudanças climáticas, com essa instabilidade na área de preservação de cobertura florestal, que representa um terço das emissões do país? Uma das propostas a serem firmadas é justamente a de desmatamento ilegal zero até 2030 e recuperar 12 mi hectares (120 mil km2) de florestas degradadas.

No mês de julho, a maior parte do desmatamento foi constatada no MT (85%), seguido pelos estados do Pará, de Roraima, do Amazonas e de Rondônia. Os maiores focos foram encontrados em propriedades privadas, assentamentos e em menor proporção em unidades de conservação e em terras indígenas. Pecuária e agriculturas extensivas são as principais causas em grande parte dos casos.

Mais um aspecto a considerar é a crescente insegurança de ambientalistas no país, como o caso recente do assassinato de Raimundo Santos Rodrigues, conselheiro da comunidade da Reserva Biológica (Rebio) Gurupi, no Maranhão, sob coordenação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Segundo a organização Global Witness, o Brasil é o país onde ocorre o maior número de assassinatos deste tipo no mundo, sendo 29 mortes no ano passado.

A incidência de focos de incêndio e de queimadas, que são crimes ambientais, nesta época de período proibitivo também é assustadora. Cheguei a ver, ao longo das rodovias e estradas, entre Cuiabá e Cotriguaçu, MT, vários trechos destruídos ou com as chamas ainda presentes. Segundo o Monitoramento de Incêndios e Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o bioma amazônico representa 48,5% dos focos, com destaque recente para municípios como São Felix do Xingu, Altamira e Novo Progresso (PA), Apuí (AM) e Colniza (MT), entre outros.

Apesar de ao longo dos anos, a área desmatada na Amazônia ter diminuído em 82%, de 27,7 mil km2 anuais para 5.015 km2, entre 2004 e 2014, de acordo com levantamento do INPE, que mantém o sistema Prodes de monitoramento (baseado em outros satélites com diferentes precisões em relação aos utilizados para análise do Imazon), quando os dados são isolados em períodos menores (como os citados acima do Imazon), a situação se torna preocupante.

A redução de unidades de conservação (UCs), que está ocorrendo nos últimos anos, é mais um aspecto que traz vulnerabilidade à cobertura florestal. Neste ano, já foram 1,5 mil km2, em função da construção de hidrelétricas. No ano de 2012, por exemplo, o plano de construção de seis no Sistema Tapajós, PA, excluiu 91 mil hectares de UCs, na região do rio. Outras mudanças também atingiram a classificação de uso de mais restritiva para menos restritiva. Isso ocorreu com o Parque Estadual Nhamundá, AM, que se transformou em Área de Proteção Ambiental Guajuma, no ano de 2009. Um estudo foi realizado a esse respeito pelo Imazon e a Universidade Federal de Pernambuco, em 2014, advertindo sobre o papel de serviços ambientais destas áreas na redução de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs). Uma nova análise foi publicada, neste ano, sobre a Redução de Áreas Protegidas para Produção de Energia.

* Sucena Shkrada Resk é jornalista, formada há 23 anos, pela PUC-SP, com especializações lato sensu em Meio Ambiente e Sociedade e em Política Internacional, pela FESPSP, e autora do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk (http://www.cidadaosdomundo.webnode.com), desde 2007, voltado às áreas de cidadania, socioambientalismo e sustentabilidade.

in EcoDebate, 02/09/2015

[cite]


[ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

3 comentários em “Rumo à COP21: o desmatamento na Amazônia continua a ser um desafio, artigo de Sucena Shkrada Resk

  1. TALVEZ AGORA, OU NUNCA MAIS.

    Enquanto houver capitalismo e grande população humana no Brasil e no planeta Terra, o que resta de floresta não será poupado. Dizendo melhor: o que resta de vida não será poupado.
    A produção agropecuária brasileira é exportada e gera lucro para as empresas e crescimento do PIB.
    Para aumentar a produção, mais florestas são derrubadas, causando a morte de muitos rios e de muitas espécies, animais e vegetais, e contribuindo para ocorrência de alterações climáticas cada vez maiores, que promovem a falta de água.
    Há um evidente contrassenso em se pretender aumentar a produção e o crescimento da economia e da população humana, ao mesmo tempo em que se deseja condições climáticas e ambientais, com abundância de água e tudo mais que é necessário para manutenção da vida com qualidade.
    Quando as lideranças políticas, econômicas, religiosas, etc., forem forçadas a admitirem que é inevitável realizarem mudanças profundas para salvar da destruição alguma coisa que reste, talvez seja tarde demais.

  2. É muito triste! Isso é um crime contra a humanidade! Quem estará sendo julgado na corte de Haia? Quantos políticos, empresários, donos de mídia serão julgados pela história? Quantos netos e bisnetos terão vergonha de seus sobrenomes que está nos deixando essa herança maldita? E nós o que podemos fazer? O quanto somos também responsáveis por isso tudo? Nos hábitos de consumo, de alimentação, de transporte, de uso dos recursos naturais e até mesmo da nossa ignorância em relação ao poder que temos. Banalidade do Mal… essa ideia criada pela Hannah Arendt explica porque tantos e até nós somos coniventes com esse estado de devastação.

  3. O poder do capitalismo, que inclui o poder das religiões, da política e da mídia, é quem determina, em última instância, como todo o sistema deve funcionar. Na verdade, a grande maioria da população vive travando a batalha diária da sobrevivência. Não têm poder de decisão. A tão propalada democracia capitalista não passa de um instrumento do Estado que é utilizado para iludir a grande maioria da população. As eleições são um jogo de cartas marcadas, e quando os resultados não são, exatamente, os que correspondem aos interesses do capitalismo, os donos do poder encontram formas de alterar esses resultados “absurdos”, seja através do afastamento do governo indesejado, seja por meio de um golpe militar.
    E, assim, tudo volta à “normalidade”.

Comentários encerrados.

Top