Geração 3D: transformando seu desenho favorito em um bichinho de verdade, artigo de Marta Luciane Fischer

Pintinho para ser presenteado em Guapé, MG. (Foto: Reprodução/ Facebook/ G1)

 

[EcoDebate] Essa semana os usuários das redes sociais se depararam com uma imagem intrigante: um pintinho, com a cabeça exposta e o corpo dentro de uma minúscula caixinha de madeira, um cartão com a ilustração da galinha pintadinha e sua trupe e os dizeres: lembrancinha do meu aniversário (*). A denúncia rendeu os virais compartilhamentos do momento e os mais enfáticos comentários.

A empatia das crianças por animais é bem conhecida, denominada cientificamente de teoria da biofilia, isso é, todos os humanos possuem gravada em seu DNA a necessidade de interagir com a natureza, sendo que a falta desse convívio pode causar distúrbios atualmente investigados pela psicologia ambiental e incorporada em processos pedagógicos. O mercado já sabe disso há séculos, por isso usou e abusou dos animais em brinquedos, literatura e desenhos, cuja espontaneidade da relação é utilizada inclusive em intervenções terapêuticas.

Desde a enorme ave amarela Garibaldo, passamos pelo sapinho simpático do Muppets, a popular pig e a tão famosa galinha pintadinha – essa em especial encanta aos bebês! O mercado de olho no consumo da marca e os pais se sentindo felizes em proporcionar aos filhos algo como que se identificam, incorporaram o personagem às festas infantis. A ânsia de inovação do competitivo mercado de eventos e de se destacar socialmente, retomou uma antiga prática: oferecer como lembrancinha um pintinho vivo! Que fofo!, diriam as crianças, que na sua imaginação iriam criá-los em seus apartamentos, até se tornarem uma linda galinha azul cheia de bolinhas brancas que poderia ser ligada e desligada conforme seu desejo.

Os leitores que tiveram o privilégio de viver no milênio passado podem ponderar que tiveram seus pintinhos. Alguns morriam naturalmente, outros eram mortos comprimidos ou degolados e muitos, ainda, se tornavam adultos, assumindo o personagem principal dos almoços de domingo. A justificativa era a necessidade da criança interagir com ser vivo, saber como cuidar e acompanhar as demandas e etapas do desenvolvimento, o qual sob a orientação de pais atenciosos, apreendia os valores para todos os segmentos de sua vida a posteriori.

A ética animal, que está em um momento de mudança de concepções antropocêntricas utilitaristas para visões biocêntricas e libertacionistas, visa a superação de condutas culturais que não consideravam o bem-estar e o respeito aos animais. A legislação tem acompanhado a demanda que veio da própria sociedade e cada vez mais percebemos posicionamentos contra os maus-tratos, inclusive tramita um projeto de lei em São Paulo que proíbe a distribuição de animais vivos como brinde. O que se vê nessa situação além de um retrocesso, é um sinal de que muitas pessoas ainda não compreenderam a magnitude da vida animal. Fóruns na internet desmotivam mães duvidosas se distribuem ou não o pintinho vivo nos aniversários de seus filhos, argumentando que os pais não gostarão, e até levarão para casa diante do apelo das crianças, mas que os descartarão na primeira oportunidade.

Para as crianças, é passada a imagem que o animal vale a mesma coisa que seus brinquedos chineses, aliás o pintinho é muito mais barato. Assim como qualquer brinquedo, chama a atenção enquanto é novidade, joga-se fora quando não corresponde mais às expectativas. É importante aproximar as crianças dos animais, de fato não saber de onde vem o leite e nem que a carne do prato diário era um animal, distancia o futuro cidadão dos seres com os quais compartilha o planeta. Contudo, o momento da sociedade é de se orientar as crianças para estabelecerem uma relação mais madura com a natureza e reverter tudo que ruim que a humanidade tem feito até agora.

Marta Fischer, bióloga, é doutora em Zoologia, coordenadora do Ceua-PUCPR e professora titular do mestrado em Bioética da PUCPR.

Referência:
* Pintinhos dados como lembrança de aniversário causam polêmica na web

Publicado no Portal EcoDebate, 30/04/2015

Geração 3D: transformando seu desenho favorito em um bichinho de verdade, artigo de Marta Luciane Fischer, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/04/2015, https://www.ecodebate.com.br/2015/04/30/geracao-3d-transformando-seu-desenho-favorito-em-um-bichinho-de-verdade-artigo-de-marta-luciane-fischer/.


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

3 comentários em “Geração 3D: transformando seu desenho favorito em um bichinho de verdade, artigo de Marta Luciane Fischer

Comentários encerrados.

Top