Os 450 anos do Rio de Janeiro, a especulação imobiliária e a imobilidade urbana, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Rio 40 graus
Cidade maravilha
Purgatório da beleza
E do caos…”

Fernanda Abreu (1992)

[EcoDebate] A cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, também conhecida como “Cidade Maravilhosa” foi fundada por Estácio de Sá no dia 1° de março de 1565 (evidentemente, contra a vontade dos índios Tamoios e Tupinambás que habitavam a região). O município do Rio de Janeiro foi a capital do Brasil entre 1763 e 1960 e vai comemorar seus 450 anos em 2015. Atualmente é a segunda cidade do país em termos populacionais e econômicos, ficando atrás apenas da capital paulista.

A população do Rio de Janeiro era de 275 mil habitantes em 1872 (data do primeiro censo brasileiro), chegou a 811 mil pessoas em 1900, ultrapassou um milhão de habitantes em 1920, estava com 3,3 milhões de pessoas quando perdeu o posto de capital do país para Brasília (em 1960) e alcançou 6,3 milhões de habitantes em 2010 (data do último censo demográfico). A população da Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ) era de 11,8 milhões de habitantes em 2010, representando quase três quartos do total fluminense. Para 2015, as estimativas apontam para 6,5 milhões de pessoas na cidade do Rio de Janeiro e 13 milhões de habitantes na RMRJ.

Em uma cidade tão grande e densamente povoada, era de se esperar a existência de um bom transporte coletivo de massa. Porém, o Metrô do Rio de Janeiro, que começou a ser construído no início da década de 1970 e teve a inauguração de suas operações quando a cidade fez 414 anos (em março de 1979), possui atualmente apenas duas linhas, com 36 estações e 42 km de extensão, transportando cerca de 700 mil passageiros diariamente. Em 15 de março de 2014 foi inaugurada a Estação Uruguai, terminal da Linha 1. Nos próximos anos, planeja-se o acréscimo de 38 quilômetros, totalizando 4 linhas e 55 estações. A linha 3, de 22 quilômetros, deverá ser um monotrilho, ligando os municípios de São Gonçalo e Niterói. A linha 4, de 16 quilômetros, ligará a estação General Osório, em Ipanema, à estação Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca e está prevista para ser inaugurada em 2016.

Esperava-se uma “Revolução nos Transportes” no Rio de Janeiro em função do grande volume de recursos previstos para os megaeventos da atual década: Conferência Rio+20 (2012), Jornada Mundial da Juventude (2014), Copa do Mundo de Futebol (2014) e as Olimpíadas (2016). Porém, pouco se avançou em relação a outras grandes cidades do mundo.

Comparando com o metrô de Xangai (2ª maior cidade da China, com cerca de 19 milhões de habitantes na Região Metropolitana) as diferenças são espetaculares. O Rio de Janeiro estava bem à frente de Xangai em 1993, pois a cidade chinesa não tinha nenhuma linha em operação naquele ano. Mas em apenas duas décadas, enquanto a “Cidade Maravilhosa” construiu 12 estações em suas 2 linhas, Xangai passou a ter o maior sistema de metrô do mundo, com mais de 500 quilômetros de extensão em 2014, capaz de transportar mais de 7 milhões de passageiros por dia, tendo cerca de 250 estações em 15 linhas e mais 3 planejadas até 2020. Lá funciona o Xangai Transrapid, que é a primeira linha de trem de alta velocidade comercial do mundo: Maglev (Magnetic levitation transport). Sua construção iniciou em março de 2001 e começou a operar em 1° de janeiro de 2004. O trem pode atingir uma velocidade de 350 km/h em apenas 2 minutos e uma velocidade máxima de 431 km/h. Faz um trajeto que vai da estação Longyang Road em Pudong até o Aeroporto Internacional de Xangai, em um percurso de aproximadamente 30 km, demorando menos de 8 minutos para fazer o percurso.

Ou seja, enquanto o metrô do Rio de Janeiro transporta diariamente cerca de 5% da população da RMRJ, o metrô de Xangai transporta cerca de 40% da população da megalópole chinesa. As tarifas do Metrô do Rio de Janeiro foram apontadas, proporcionalmente, como uma das mais altas do mundo. Os empregos são concentrados no Centro e na Zona Sul – áreas regidas pela especulação imobiliária desenfreada – enquanto a maior parte da população vive na Zona Norte e nas periferias sem infraestrutura (mas não livres da especulação imobiliária em uma escala menor).

O Observatório das Metrópoles, em parceria com o Comitê Popular Rio Copa e Olimpíadas, divulgou estudo em que mostra a precariedade da mobilidade urbana no Rio de Janeiro – nos aspectos relacionados a preço, qualidade e transparência de gestão – mostrando a falta de um transporte público de qualidade, democrático e seguro. O estudo ressalta: “Nos últimos anos, pode-se afirmar que os preços das passagens no Rio de Janeiro não vêm sofrendo apenas reajustes, ou correções tarifárias. Têm ocorrido, na verdade, aumentos abusivos acima de qualquer índice de inflação. Além disso, como ocorreu com as passagens de ônibus no dia 1º de janeiro de 2012, esses aumentos não são previamente anunciados, configurando verdadeiras manobras por parte do poder público em conluio com as empresas de transportes para evitar que qualquer tipo de manifestação fosse previamente realizada”.

Outra dimensão abordada pelo estudo foi a baixa integração intermodal. O Poder Público prometeu a “revolução nos transportes”, construindo as vias Transcarioca, Transolímpica e Transoeste (todas BRTs), e o metrô Lagoa-Barra (alongamento da Linha 1) todos ligados à realização da Copa e dos Jogos Olímpicos. Mas, “Por outro lado, a população clama por serviços de transporte de massa em outras direções e para outras regiões da cidade. Ou seja, enquanto hoje o serviço de transporte coletivo oferecido à população se configura como caro, precário e insuficiente para a demanda existente, o cenário que se desenha é o de investimentos em transporte no Rio de Janeiro que, em vez de atenderem à demanda existente, tornam possível a ocupação de áreas vazias ou pouco densas, visando a valorização imobiliária e a expansão irracional da malha urbana”.

O estudo conclui: “A chamada ‘revolução nos transportes’ propagandeada pelo Poder Público no contexto dos megaeventos não é, portanto, solução para a crise da mobilidade, um problema que decorre das enormes dificuldades de deslocamento diário das pessoas para trabalhar em um mercado de trabalho cada vez mais organizado na escala metropolitana”.

Todos estes aspectos mostram que a propaganda dos sucessos da “Cidade Maravilhosa” é muito mais um mito do que uma realidade cotidiana. No que diz respeito à mobilidade urbana, nos aspectos históricos e na comparação internacional, o Rio de Janeiro está longe de ser uma maravilha. O transporte público tem que ser pensado para a totalidade da Região Metropolitana, buscando soluções para os principais problemas, tais como a superlotação do metrô nos horários de pico, a lentidão dos trens, o alto custo da passagem, as constantes falhas e acidentes – como o ocorrido entre dois trens no ramal Japeri da Supervia que deixou 160 pessoas feridas, dia 05 de janeiro de 2015.

Talvez os problemas do transporte público de massa possam ser resolvidos antes do Rio de Janeiro completar 500 anos. A cidade de Xangai construiu uma rede de metrô dez vez maior do que a do RJ em apenas 20 anos. Quem sabe o exemplo chinês possa inspirar os dirigentes públicos cariocas, fluminenses e nacionais no sentido de construir um sistema de transporte que seja eficiente, democrático e, minimamente, ecologicamente sustentável.

Uma nota especial dos 450 anos refere-se à escassez de água potável em meio a recordes de temperatura. A marchinha de carnaval de Vitor Simon e Fernando Martins (1954) voltou a ficar atual: “Rio de Janeiro, cidade que me seduz: de dia falta água e de noite falta luz! Abro o chuveiro, oi, não cai um pingo, desde segunda até domingo“. Os reservatórios de Paraibuna e Santa Branca, fundamentais para o abastecimento da “Cidade Maravilhosa” atingiram o volume morto em janeiro de 2014. As usinas hidrelétricas foram desligadas. Já a Represa do Funil, em Resende e Itatiaia, atingiu em janeiro o nível mais baixo da história. Embora as chuvas tenham aumentado em fevereiro, a situação geral é grave e as autoridades públicas apenas procrastinam as soluções necessárias. A cidade e a região metropolitana do Rio de Janeiro podem ficar em situação crítica um ano antes das Olimpíadas de 2016, sem perspectivas de solução definitiva para a época do grande evento internacional.

Como diz a música, o clima é de 40 graus e de caos. Com o adensamento da RMRJ e a manutenção das desigualdades sociais, a imobilidade urbana, a especulação, a violência e a críse hídrica e energética houve uma mudança no sentimento de convivência dos cariocas entre si e com a natureza. Há cerca de 50 anos, Vinicícus de Moraes escreveu a letra da música “Carta ao Tom”, lembrando de forma saudosista a “Cidade Maravilhosa” antes dos seus 400 anos:

Rua Nascimento Silva, 107
Você ensinando pra Elizete
As canções de canção do amor demais

Lembra que tempo feliz
Ah! que saudade
Ipanema era só felicidade
Era como se o amor doesse em paz

Nossa famosa garota nem sabia
A que ponto a cidade turvaria
Esse Rio de amor que se perdeu
Mesmo a tristeza da gente era mais bela
E alem disso se via da janela
Um cantinho de céu e o Redentor

É, meu amigo, só resta uma certeza
É preciso acabar com essa tristeza
É preciso inventar um novo amor

Mais recentemente, Chico Buarque fez uma nova versão que parece a mais adequada para a comemoração dos 450 anos da “Cidade Maravilhosa”:

Rua Nascimento Silva, 107
Eu saio correndo do pivete
Tentando alcançar o elevador

Minha janela não passa
De um quadrado
A gente só vê cimento armado
Onde antes se via o Redentor

É, meu amigo, só resta uma certeza
É preciso acabar com a natureza
É melhor lotear o nosso amor”

Referências:

ALVES, JED. Réquiem para o Rio Carioca, Ecodebate, RJ, 01/03/2012

http://www.ecodebate.com.br/2012/03/01/requiem-para-o-rio-carioca-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

VOX. 38 maps that explain the global economy, 2014

http://www.vox.com/2014/8/26/6063749/38-maps-that-explain-the-global-economy

Observatório das Metrópoles. Rio olímpico e mobilidade urbana: qual será o legado?, RJ, 09/05/2012

http://www.observatoriodasmetropoles.net/index.php?option=com_k2&view=item&id=247%3Amobilidade-urbana-no-rio&Itemid=164&lang=pt

Chico Buarque. Carta Ao Tom (paródia) http://letras.mus.br/chico-buarque/85945/

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

Publicado no Portal EcoDebate, 27/02/2015

"Os 450 anos do Rio de Janeiro, a especulação imobiliária e a imobilidade urbana, artigo de José Eustáquio Diniz Alves," in Portal EcoDebate, ISSN 2446-9394, 27/02/2015, https://www.ecodebate.com.br/2015/02/27/os-450-anos-do-rio-de-janeiro-a-especulacao-imobiliaria-e-a-imobilidade-urbana-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

3 thoughts on “Os 450 anos do Rio de Janeiro, a especulação imobiliária e a imobilidade urbana, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. Prezado professor,
    Como morador da Zona Norte que estuda e trabalha na Zona Sul, sinto diariamente os efeitos do péssimo sistema de transporte de que o senhor trata e tenho críticas muito parecidas às suas embora claramente sem um parecer de especialista como o seu. Minha única reserva a seu (ótimo) texto é a seguinte: comparar o Rio a Xangai sem levar em conta as diferenças políticas e geográficas de cada lugar não seria um pouco forçado? Sabemos quão falha é a democracia brasileira, mas ela existe, e torna todo processo de intervenção urbana mais lento devido à necessidade de diálogo com a sociedade civil, processo de licitação, prestação de contas, etc. Na China, em que iniciativas do tipo são reservadas ao poder público, esse processo inexiste. A sociedade civil conta com pouquíssimos recursos para resistir, como mostrado pelos preparativos para as Olimpíadas de 2008 em Pequim. Por outro lado, sabemos também que o Rio tem uma geografia bastante peculiar, com seus morros de rocha maciça que dividem a cidade, seu terreno originalmente pantanoso em boa parte das planícies e seu “centro” ironicamente localizado no extremo leste. Tudo isso dificulta bastante a integração subterrânea de nossa cidade partida (em mais de um sentido). O senhor concorda que podemos fazer essa ressalva para então atribuir o resto do problema (senão, na verdade, a maior parte dele) à má fé de nossos governantes?

  2. Ola Diego,

    Obrigado pelos comentários.
    Realmente a China tem um sistema político mais centralizado (e também mais eficiente). Mas a principal diferença é que o governo chinês é proprietário do solo e do subsolo, o que aumenta muito o “poder de fogo” das administrações governamentais chinesas.

    A comparação com Xangai foi para aproveitar o gráfico publicado no site da Vox que mostra um contraste muito grande entre as duas cidades. Realmente Xangai é uma cidade plana cortada por um grande rio, enquanto o Rio de Janeiro é uma cidade com relevo bastante recortado. Talvez o mais apropriado seria comparar o RJ com Hong Kong que também tem um sistema de transporte público muito eficiente e a cidade tem um relevo parecido com a “Cidade Maravilhosa”, inclusive ficando às margens de uma baia.

    Também concordo que os governantes brasileiros estão mais preocupados com o processo de gentrificação e com a especulação imobiliária do que com o bem-estar da população mais pobre e mais da “periferia”.

    Abs, JE

  3. Os 450 anos de uma cidade nem tão maravilhosa

    Milton Corrêa da Costa

    O Rio chega aos seus 450 anos de fundação. Sinceramente, no auge dos meus 66 anos de puro carioca da gema, sem querer dar uma de estraga festa, não sei o que há pra comemorar, a não ser as belezas naturais e a hospitalidade, irreverência, calor humano e alegria do carioca. Que o Rio continua lindo, do centro à Zona Sul, do Leme ao Pontal e da subida do Alto à Grumari, também não há dúvida.

    Em contrapartida a cidade não é tão maravilhosa assim em sua maior parte. A entrada da cidade pela Avenida Brasil ou pela Linha Vermelha nada tem a ver com o célebre ‘Samba do Avião’ do genial Tom Jobim. O cheiro de mangue assusta e a mal acabada Avenida Brasil também. Até ultrapassar os túneis de entrada para Zona Sul, não se vê a beleza tão decantada em prosa e verso sobre a cidade. Quem passa, por exemplo, pela entrada da Favela do Jacarezinho, na Avenida Dom Helder Câmara, se constrange pela degradação e pobreza do local. Lembra os países mais pobres e sofridos da África. Assusta qualquer turista ou carioca.

    O Rio completa 450 anos e hoje é também uma das mais violentas cidades do mundo -não que não haja violência em Paris, Londres ou Moscou-, onde cidadãos e policiais podem ser as próximas vítimas das balas perdidas e certeiras, em qualquer hora, em qualquer lugar. O que comemorar numa cidade em que crianças são vítimas de balas perdidas, onde bandidos atacam policiais com fuzis de guerra, circulando em morros e favelas, onde os tiroteios são diários e onde um turista alemão, ao lado da esposa, é vítima de um latrocínio, à luz do dia, morto à facadas, em pleno centro da cidade, numa terça-feira de carnaval, gerando péssima repercussão em mídias sociais de todo mundo. Como carioca me senti um fracassado anfitrião, apesar de todos os constantes esforços das autoridades e seus agentes em busca de melhores níveis de segurança e mesmo sabendo que a polícia não é onipresente. Tive pena da viúva do turista. Veio ver a alegria da maior festa popular do mundo e levou de volta, para seu país, o corpo sem vida do marido. Profundamente triste e lamentável.

    O que comemorar quando um jovem estudante de biologia, de 24 anos, é morto brutalmente num assalto num ponto de ônibus em Botafogo, Zona Sul do Rio, ao retornar da faculdade á noite? O que comemorar, nos 450 anos da cidade maravilhosa, quando uma jovem, ao retornar da noite de réveillon, na orla de Copacabana, é morta na manhã do dia primeiro de janeiro, num assalto já próximo de sua residência na Baixada Fluminense ? A dor e o luto também poderiam se abater sobre minha família. Poderia ter sido uma de minha filhas, porém a lei penal brasileira continua protegendo e beneficiando bandidos e bandidos-mirins e desprotegendo a sociedade.

    Não, essa cidade não é tão maravilhosa assim. Uma cidade para ser maravilhosa, em seu sentido amplo, em toda a sua essência, tem que proporcionar qualidade de vida. Não há mobilidade urbana, há embates mortais em torcidas organizadas de futebol, mijões deseducados nos blocos de carnaval, motoristas imprudentes e estressados, carros demais em congestionamentos de trânsito, gente porca sujando as ruas, entupindo boeiros e galerias pluviais. Que cidade maravilhosa é essa? As belezas inigualáveis do Pão de Açúcar, do Cristo Redentor, do Jockey Club, da Pedra da Gávea, da Vista Chinesa, da Praia de Copacabana, da Barra da Tijuca e da Pedra do Arpoador não nos bastam.

    Desculpem-me, nada tenho a comemorar nesses 450 anos do Rio, a não ser parabenizar algumas autoridades, alguns servidores e abnegados policiais e em especial o jovem prefeito Eduardo Paes, que ainda tentam, com resiliência, transformar o Rio de Janeiro numa cidade verdadeiramente maravilhosa. Que ao completar 500 anos, as próximas gerações possam relatar uma comemoração nem tão pessimista. Rio, este texto é só porque eu gosto de você.

    Milton Corrêa da Costa é carioca e ama sua cidade natal

Comments are closed.

Top