E tome cana! crônica de Paulo Sanda

cortador de cana

 

trabalho no canavial

[EcoDebate] Um dia eu estava em uma padaria pela manhã, quando dois jovens aparentemente pedreiros entraram e pediram:

– Dá duas branquinha.

O balconista está servindo e ia espremer o famoso limãozinho quando o mais novo diz:

– Limão não! Tá me dando uma queimação danada no estômago….

Caracas, o sujeito toma um copão de cachaça as 8 da manhã e o que está queimando o que está fazendo mal é o limão?

Hoje a mais de 600km de distância das salas em que lecionava ainda me lembro com saudades de algumas aulas.

A primeira aula de história de cada turma por exemplo, quando eu pedia para os alunos algumas definições de história. Não descarta nenhuma, apenas dizia que história também era a versão do opressor. Nisto eles faziam aquela cara de dúvida. “Ah?”.

Então para exemplificar eu perguntava:

– Como se chamou o evento acontecido no último ano do século XV, quando aportaram no continente americano as caravelas de Pedro Álvares Cabral?

Alguns ficavam em dúvida; “último ano do século XV?”. Pois é 1500 foi o último ano do século XV, 1501 já é século XVI.

Mas quando falava sobre Pedro Álvares Cabral, muitos para meu alívio se tocavam, e outros para meu desespero continuavam sem entender chongas, até que alguém responde:

– A descoberta do Brasil!

Concordava com eles, este evento é mais conhecido por este título, mas emendava que também pode ser visto como a “Invasão do Brasil”. Afinal de contas quantos índios vieram com Cabral?

Mas este artigo não tema ver com este tema, então vamos voltar a Cana.

Quando algum assunto esbarrava na questão da cana, como por exemplo os ciclos econômicos do Brasil colônia, para variar eu contextualizava, e entre as várias formas eu perguntava se eles notaram como os alimentos vem subindo. E para aqueles que costumavam viajar pelo interior do estado, o que eles viam em geral.

Pois o que temos assistido nas últimas décadas é o avanço da cana. Nem pasto, nem café, nem laranja, feijão, área de preservação ambiental então; piada. Bom acontece que ao pensar sobre o que plantar, a lógica do capital leva obviamente o produtor a escolher a cultura de menor risco e maior resultado financeiro, levando a uma competição direta entre a mesa e o tanque de combustível, quem pagar mais leva.

Mas isto é o que eu via até então morando na grande metrópole, agora vivendo no interior constato que a realidade é ainda pior.

Em uma palestra realizada para alunos do ensino médio, notei que apesar de a cana ocupar quase que a totalidade das terras, menos de 20% dos alunos tinham o sustento de suas famílias vindo dela, seja nas lavouras, nas usinas ou em outros serviços indiretos.

A cana não distribui renda e para piorar acaba com o solo, como se isto não bastasse ela eleva o custo de vida mesmo nas cidades do interior, pois se antes boa parte da produção de alimentos era local, agora é só cana, o resto acaba vindo de longe e em geral os preços acabam ficando até mais altos que nas grandes cidades por causa da sua maior entropia.

Em outras palavras as grandes cidades têm mais gente, mais capital e por isto atraem para si mais recursos e a menores preços, recursos estes que são tirados exatamente de onde há menos.

E o que isto tudo bem a ver com a conversa da padaria?

Bom, na batida que os dois vão acho que não terão problemas, vão para o posto de copo na mão e tudo bem. Quanto ao limão, bom esta não vai ter, mas limão para que? Dá uma queimação danada não é?

Paulo Sanda, Teólogo, palestrante, associado da ONG RUAH, é um dos coordenadores do Portal Palavra Aberta.

Publicado no Portal EcoDebate, 13/01/2015

[cite]


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “E tome cana! crônica de Paulo Sanda

  1. Embora o texto tenha alguns erros básicos no brasilês, espelha a realidade da falta de agricultura sustentável neste Brasil.

Comentários encerrados.

Top