Festa de Natal: desembrulhando responsabilidade, artigo de Márcia Pimenta

 

Natal sem lixo

 

[EcoDebate] O Natal está chegando, período de festas, encontros e consumo, muito consumo. O apelo consumista na mídia e no comércio reforça a ideia de que o Natal é apenas uma data para comprar e gastar, incentivado por cartões de crédito e um longo prazo para pagar. Enquanto você compra, não para satisfazer uma necessidade, mas apenas respondendo a um apelo comercial, você faz o link entre consumismo e degradação ambiental?

O que muitas pessoas não percebem é que os problemas ambientais não se restringem à preocupação com a fauna e flora. Na verdade, o cerne da questão ambiental está em nosso modelo de produção e consumo. Produzimos cada vez mais mercadorias que são supérfluas e que duram cada vez menos. É a tal da obsolescência programada, onde produtos são feitos para serem rapidamente substituídos por novos modelos.

Enquanto isso os aterros sanitários vão se entupindo de lixo, nossa atmosfera torna-se asfixiada pelos gases de efeito estufa, como aqueles derivados da queima do petróleo e do carvão que movimentam nossas fábricas ou transportam, de um lado para o outro, as mercadorias. A água, que está presente em todo o processo industrial, torna-se escassa e poluída por processos produtivos que não se preocupam com a destinação de seus resíduos.

Além de tudo isso, existem as embalagens. Compramos uma blusa, por exemplo, que é embrulhada em um papel de seda, que é colocada em uma caixa de papelão e vai parar dentro de uma sacola plástica. Ao final, partindo do princípio que o presenteado tenha ao menos gostado do mimo, temos um presente acrescido de três tipos de embalagem que irão parar em um lixão que, de preferência, seja bem longe de nossas casas! De todas as embalagens, as sacolas plásticas são as maiores vilãs. A produção anual estimada é de 210 mil toneladas de plástico-filme, a matéria-prima da fabricação dos saquinhos plásticos usados nos supermercados, por exemplo. Seu tempo de degradação no meio ambiente é de 100 a 300 anos!

E é assim, com essa falta de responsabilidade na hora de consumir, que vamos degradando o meio ambiente, mas jurando de pés juntos que amamos a natureza!

Na verdade, devemos pensar no meio ambiente como um quintal. Na medida em que tiramos algum elemento sem substituição, a tendência é de que, em breve, não tenhamos nada mais para colher. E é assim que hoje retiramos da natureza 50% a mais do que a sua capacidade de se recompor permite. O último relatório (2014) do Painel Intergovernamental de Mundanças Climáticas – IPCC afirma que “o período entre 1983 e 2012 foi “muito provavelmente” (90% de probabilidade) o mais quente dos últimos 800 anos”. A concentração maior de gases de efeito estufa em nossa atmosfera resulta em acidificação dos oceanos, fenômenos naturais extremos como secas, inundações, furacões e elevação do nível do mar. E toda essa poluição não é sinônimo de progresso; hoje quase um bilhão de pessoas passam fome, 768 milhões de pessoas não têm acesso à água limpa e segura e 1,4 bilhões de pessoas não têm acesso à fontes de energia confiáveis.

A grande dificuldade para reverter a crise ambiental que vivenciamos é fazer com que as pessoas entendam como seu estilo de vida está diretamente ligado à degradação ambiental. Com esse entendimento esperamos que as pessoas revejam seus hábitos de consumo. Recomendo que faça o teste da pegada ecológica e descubra quantos planetas seriam necessários caso todos os habitantes tivessem os mesmos hábitos que você: http://www.pegadaecologica.siteonline.com.br/.

Márcia Pimenta, Jornalista com especialização em gestão ambiental, é Articulista do Portal EcoDebate

Publicado no Portal EcoDebate, 10/12/2014


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

5 comentários em “Festa de Natal: desembrulhando responsabilidade, artigo de Márcia Pimenta

  1. As lojas vendem, vale vender vale o lucro, vale encher mais o bolso dos capitalistas. Hoje Natal é consumismo e as pessoas ficam estressadas percorrendo as lojas com uma lista na mão procurando presentes para a família toda, para os amigos, para os colegas, e etc… É uma verdadeira maratona, pessoas mau humoradas, procurando vencer o tempo curto e o dinheiro idem. E o que era para ser prazer, vira obrigação. Papai-Noel, “o bom velhinho”, transformou-se no verdadeiro garoto-propaganda de um consumismo irresponsável, continuando neste ritmo, principalmente nos países desenvolvidos, nossos natais serão celebrados em condições climáticas e ambientais cada vez mais adversas. O Natal continua sendo uma boa oportunidade para pensarmos sobre o que estamos fazendo com nossas vidas, com nosso planeta.
    O Natal continua sendo uma boa oportunidade para pensarmos sobre o que estamos fazendo com nossas vidas, com nosso planeta.

  2. Festeja-se o Natal e esquece-se o aniversariante. Quantos lares fazem ao menos uma prece nesse dia?

  3. Márcia, muito bom saber que muitos de nós em silêncio ou como você, que trabalha com veículo de informação, pensamos no futuro como antigamente, que o bom é o que dura, o que traz conforto, confiança e segurança. Conforto porque se é bom para o consumo é bom para todos, confiança porque o que compramos, quando precisamos será utilizado até que se gaste, até que mereça uma recuperação. E segurança porque o bem pelo qual pagamos, não será explodido em nossos bolsos, ou nos envenenará ou nos deixará sem dinheiro ao ter comprado e sem restituição ao ser perdido por absoluta falta de comprometimento do fabricante, latifundiário ou empresário. Obrigada Marcia, Natal e outras épocas do ano são para lembrarmos de um evento importante e não para comprarmos o produto dele!

  4. excelente artigo. Mexeu comigo. Quem ama a Deus não causa degradação das coisas que ele criou. Ao contrário. Quem ama a Deus protege o meio ambiente para esta e para as gerações futuras.

Comentários encerrados.

Top