A vereda, o medo… e a coragem! crônica de José Antonio Basto

 

urbano santos, ma

 

[Territórios Livres do Baixo Parnaíba] Certo dia bateu uma velha saudade de visitar a comunidade tradicional de Santa Maria, terra de histórias e lendas que atravessam gerações. Então fui até a casa do Sr. Nonato Crispim velho corajoso que ainda prefere se vestir e calçar a moda antiga. Perguntei ao Crispim como estava a área onde era localizada a antiga fazenda de cana de açúcar do fazendeiro João Paulo de Miranda, Crispim não escutou direito, fui obrigado então a repetir novamente, ele me respondeu dizendo que a área do engenho está sendo ameaçada, pois agora pertence a um gaúcho que não entende nada de Reforma Agrária e muito menos do valor de nossa identidade cultural.

Fazia uma boa temporada que não visitava aquela área, atravessamos o Rio Boa Hora por cima de um buritizeiro e chegamos do outro lado com muita dificuldade, Crispim que quase não se cala contou a famosa história de quando o antigo fazendeiro se apropriou da área, isso ainda no século XIX, pois agora ela está sob processo tramitando no INCRA para desapropriação fundiária em beneficio da comunidade. Trilhamos as veredas fechadas repletas de espinho de tucum e coroatás, fomos primeiramente até um famoso pé de pequi que tem mais ou menos 150 anos de existência… é um pequi-açú, árvore frondosa e admirável.

O velho Crispim que já se encontra na casa dos 90 anos de idade disse que quando era criança o pequizeiro já era daquele jeito, refletindo que a existência da fazenda tem um tempinho. Segundo informações dos antigos moradores, a história de Santa Maria remonta o período oitocentista e o inicio dos ciclos das fazendas no baixo paraíba maranhense, Antonio Paulo de Miranda veio do Piauí para montar seu engenho de açúcar e criar gado nas proximidades do rio Boa Hora, para que ele desenvolvesse os trabalhos de produção de açúcar teve portanto que modificar a geografia do rio. Foi construído uma parede de pedra para mudar o nível e assim facilitar a moenda da roda no córrego. Até hoje existe os vestígios das muralhas e pedras polidas que cercavam a área dos fornos e um calabouço que acredita-se ter sido construído para castigar negros fujões.

Visitamos um por um de cada resto que sobrou das paredes da antiga casa grande do fazendeiro e as casas de fornos. Tudo dentro do matagal, aquela área deveria ser preservada e protegida por algum órgão do patrimônio histórico, já que está em processo. Muitos alunos com o auxilio de professores já visitaram aquele lugar, além de outros pesquisadores profissionais de universidades. Cansados, concluímos a visita e as fotos e por volta de meio dia retornamos para as moradias. Crispim já bastante cansado pela idade descansou um pouco debaixo das mangueiras para acrescentar suas histórias. Disse que seu avô lhe contava sobre as brincadeiras dos escravos de João Paulo de Miranda, que após os trabalhos iam tocar tambor e berimbau para o lado da “chapada do meio”, um lugar bem distante das casas, hoje coberta de eucalipto e pertencente à Suzano.

Ainda relembrou sobre as passagens das negras que pegavam água em cabaças e as rezas de dor de dente que as benzedeiras praticavam no povoado. O tempo foi passando e as histórias quase não tinham fim, foi daí então que o ancião Crispim começou a destrinchar as passagens macabras da comunidade desde os tempos dos escravos e as atrocidades praticadas pelos feitores de João Paulo de Miranda. Disse que o fazendeiro quando foi embora, pegou toda sua riqueza e depositou dentro de um forno de cobre e colocou outro por cima e atirou tudo junto a um poço no rio, conhecido como “poço da obra” -, acredita-se de uma grande riqueza em ouro e prata que até hoje está lá no fundo d`água, o poço é vigiado por um peixe surubim pintado que assusta os moradores quando aparecem no lugar. Em fim… teve muitas outras versões dos contos orais do Sr. Crispim, onde imagina-se a potencia de informações de uma memória rica daquele senhor de idade. Foi um grande aprendizado, além do medo nas veredas fechadas e a coragem de voltar pra casa.

José Antonio Basto
Urbano Santos-MA

* Crônica enviada por Mayron Régis e originalmente publicada no blogue Territórios Livres do Baixo Parnaíba.

** Mayron Régis, Colaborador do EcoDebate, é Jornalista e Assessor do Fórum Carajás e atua no Programa Territórios Livres do Baixo Parnaíba (Fórum Carajás, SMDH, CCN e FDBPM).

EcoDebate, 05/08/2014


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top